Ferramenta de Busca
Capa | Modelos de Petições | Modelos de Contratos | Doutrinas | Jurisprudências | Sentenças | Dicionários | Loja Virtual
Roubo Seguido de Morte
Direito Penal


HOMICIDIO DUPLO. CRIME UNICO. CARACTERIZACAO. Roubo qualificado pelas mortes das vítimas, decorrentes de execução impiedosa. Desfalque de um só patrimônio, como planejado pelo grupo. Crime único. Prova convincente da autoria. Regime prisional inicial fechado. Dosimetria penal bem medida, considerada a duplicidade de homicídios dolosos. Se o conjunto probatório não deixa qualquer margem de dúvida que o acusado A., simulando intermediação na venda do som do carro da vítima E., juntamente com o apelante, conduziu o dono do veículo e o amigo que estava com ele para local ermo, onde foram executados cada qual com um tiro na nuca, objetivando subtraírem o carro e demais pertences, inquestionável afigura-se o decreto condenatório. Não obstante a ocorrência de dois homicídios, tem-se que a hipótese configura delito único e não concurso formal próprio ou impróprio, por isso que o fim perseguido pelo grupo sempre foi o patrimônio de somente uma das vítimas, o que efetivamente concretizou-se, nada sendo subtraído da outra vítima de homicídio, que só morreu pelo fato de estar acompanhando o amigo na simulada negociação engendrada pelo comparsa A.,resultado que, todavia, não deixou de ter valoração importante no momento da dosimetria penal, que, por estar bem medida, permanece inalterada. O regime prisonal, apesar das considerações contidas na sentença, modifica-se para o inicial fechado, tal como preconizado na decisão do Supremo Tribunal Federal, que declarou a inconstitucionalidade do par. 1., art. 2., da Lei 8.072/90, pouco importando tenha sido prolatada no controle difuso, eis que emanada em sessão Plenária da Corte máxima, incumbida de dar a última palavra sobre a constitucionalidade das leis, o que basta para dela se extrair a força vinculante. Parcial provimento ao recurso defensivo e improvimento ao ministerial. (TJRJ. AC - 2006.050.06309. JULGADO EM 21/12/2006. TERCEIRA CAMARA CRIMINAL - Unanime. RELATOR: DESEMBARGADOR VALMIR DE OLIVEIRA SILVA)





Páginas de resultados: 1


Jurisprudências relacionadas
Confira outras jurisprudências relacionados
Estelionato - Autoria e Materialidade
Processo Crime
Furto Tentado
Habeas Corpus do Depositário Infiel
Habeas Corpus - Trancamento
Crime de Sonegação
Furto de Bagatela
Prisão em Flagrante
Crime de Peculato
Crime Contra a Honra
Pedido de Habeas Corpus
Auto de Exame de Corpo de Delito
Crime Tributário
Recurso de Habeas Corpus
Peculato
Ação Penal Pública Condicionada à Representação
Violência Presumida

Outras jurisprudências
Jurisprudências diversas de nosso repertório
Retificação de Partilha
Penhora de Bem de Família
Aluguel
Aquisição do Fundo de Comércio
Benefício Assistencial ao Idoso
Desconto Salarial
Alienação Fiduciária
Justa Causa - Furto
Jornada de Trabalho do Gerente
Recuperação Judicial
Súmula 330 do TST
Cálculo de Demissão
Ação Ordinária
Intervalo Intrajornada - Reflexos
Sindicato do Comércio
Pensão do INSS
Indenização por Estabilidade
Conteúdo Completo
Todo o acervo do site em seções
Modelos de petições
Modelos de contratos
Recursos de Multas
Textos doutrinários
Sentenças e acórdãos
Matérias publicadas
Expressões em latim
Dicionário jurídico
Jurisprudências
Súmulas


Central Jurídica
Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização