Ferramenta de Busca
Capa | Modelos de Petições | Modelos de Contratos | Doutrinas | Jurisprudências | Sentenças | Dicionários | Loja Virtual
Tributação Monofásica
Direito Civil


TRIBUTÁRIO. PIS E COFINS. TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA. AQUISIÇÃO DE MEDICAMENTOS. HOSPITAL. I. A Lei n. 10.147/2000 majorou a alíquota tributária dos contribuintes que industrializam e importam os produtos farmacêuticos que indica no inciso I, “a”, do seu art. 1º, atribuindo, em compensação, alíquota zero às pessoas jurídicas não enquadradas na condição de industrial ou de importador, excetuando apenas as pessoas jurídicas optantes pelo SIMPLES (art. 2º parágrafo único). Adota-se com esse procedimento o sistema de tributação monofásico, com alíquotas majoradas nas primeiras etapas da cadeia produtiva e alíquotas reduzidas à zero na etapa final de comercialização. II. O ato administrativo está adstrito aos termos da lei, não podendo inovar no mundo jurídico, sob pena de ilegalidade. III. A única restrição imposta pela Lei n. 10.147/2000 à aplicação de alíquota zero ao PIS e à COFINS, na forma acima exposta, foi quanto às pessoas jurídicas optantes pelo SIMPLES, sendo, portanto, ilegal a vedação imposta pelo Ato Declaratório Incidental n. 26, da SRF, aos hospitais, prontos socorros, clínicas médicas, odontológicas, de fisioterapia e de fonoaudiologia, e laboratórios de anatomia patológica, citológica ou de análises clínicas, “a segregação, na receita bruta, do valor correspondente aos produtos relacionados no art. 1º da Lei nº 10.147, de 21 de dezembro de 2000, utilizados como insumos na prestação de seus serviços”. IV. Hospital que destaca nas notas as receitas decorrentes da venda de medicamentos da prestação de serviços, não recolhe o PIS e a COFINS sobre a receita do fornecimento desses medicamentos, viabilizando-se, ainda, a compensação dos valores recolhidos indevidamente, com quaisquer tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal, nos termos dos arts. 73 e 74 da Lei n. 9.430/96, observado o disposto no art. 170-A do CTN. V. Apelação provida para anular a sentença que indeferiu a petição inicial e, no mérito, julgado por força do art. 515, § 3º, do CPC, conceder a segurança nos termos em que requerida. (TRF1. Apelação Cível 2005.33.00.017460-0/BA Relator: Juiz Federal Osmane Antonio dos Santos (Conv.) Julgamento: 26/05/09)





Páginas de resultados: 1


Jurisprudências relacionadas
Confira outras jurisprudências relacionados
Poder Instrutório do Magistrado
Ilegitimidade Passiva de Sócio já Retirado
Multa Cominatória
Aluguel
Contrato de Sociedade
Guarda Compartilhada
Ação de Cobranca de Aluguel
Divórcio Litigioso
Inépcia da Inicial
Alegação de Iliquidez e Inexigibilidade do Título Executivo
Acordo em Dissolução de União Estável
Regulamentação de Visitas
Ação de Reparação por Dano Material e Moral
Guarda Compartilhada dos Filhos
Contrato de Locação de Imóvel
Aluguel Comercial
Inventário Extrajudicial

Outras jurisprudências
Jurisprudências diversas de nosso repertório
Período de Carência
Intervalo Intrajornada no Ambiente Artificialmente Frio
Crime de Desobediência
Diferenças Salariais e Ônus da Prova
Estabilidade Celetista
Redirecionamento da Execução Contra o Sócio
Empregado Celetista e Competência da Justiça do Trabalho
Sucessão Trabalhista
Pena por Furto
Extinção do Feito Sem Julgamento do Mérito
Local do Crime
Justa Causa - Isonomia
Habeas Corpus por Excesso de Prazo
Horas Extras e Adicional Noturno
Imposto de Renda Sobre Aposentadoria
Configuração da Coisa Julgada
Excesso de Penhora
Conteúdo Completo
Todo o acervo do site em seções
Modelos de petições
Modelos de contratos
Recursos de Multas
Textos doutrinários
Sentenças e acórdãos
Matérias publicadas
Expressões em latim
Dicionário jurídico
Jurisprudências
Súmulas


Central Jurídica
Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização