Capa  |  Concursos  |  Doutrinas  |  Matérias  |  Jurisprudências  |  Modelos  |  Sentenças  |  Dicionários  |  Livraria  |  Loja Virtual
 Navegação
  Capa
  Mapa do site
  Livraria Jurídica
  Loja Virtual
 Bases Jurídicas
  Jurisprudências
  Súmulas
 Modelos
  Petições
  Contratos
  Recursos de Multas
 Doutrinas
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Matérias
  Notícias
  Julgados
 Sentenças
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Dicionários
  Termos jurídicos
  Expressões em Latim
 Especiais
  Advocacia de Sucesso
  Concursos Públicos
 Gerência
  Editorial
  Privacidade
  Fale conosco
  Parceiros
 Busca


 Matéria > Julgados > Direito Civil
Links Patrocinados e Conteúdo relacionado
Viúva de jogador ganha indenização por uso de imagem em álbum de figuras
Pagamento bancário de condomínio não comprova parcelas anteriores
Republicação de fotos após demissão do fotógrafo gera indenização
Ação negatória de paternidade deve demonstrar vício de consentimento
Prescrição para titular de seguro de vida em grupo é de um ano
Negado pedido de indenização por carro furtado em área azul
Empresa de ônibus terá de pagar indenização a passageira por freada brusca
Imóvel comprado antes e registrado depois do casamento não se comunica
Julgados - Direito Civil    Terça-feira, 2 de Agosto de 2005
O imóvel adquirido antes do casamento por um dos cônjuges, mas registrado no cartório de imóveis somente durante o matrimônio não se comunica ao cônjuge sobrevivente. O entendimento, unânime, é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A questão começou a ser discutida na Justiça em uma ação da mãe contra a nora, viúva do proprietário do imóvel, falecido em novembro de 1997. Afirmou que o filho foi casado sob o regime de comunhão parcial de bens, de fevereiro de 1994 até a data em que morreu, tendo adquirido o imóvel – um apartamento no Setor Sudoeste, bairro nobre da capital federal – em dezembro de 1993. O registro do imóvel, contudo, só foi feito em 6 de junho de 1995. Para confirmar suas alegações, foram apresentados o contrato de cessão de direitos em promessa de compra e venda de imóvel e o recibo de compra e venda dele.

Em primeiro grau, o pedido foi julgado improcedente, levando a mãe do falecido proprietário do imóvel a apelar ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, onde conseguiu o reconhecimento da incomunicabilidade do bem, garantindo seu direito sobre o apartamento.

A decisão levou a viúva a recorrer ao STJ. Em seu recurso especial, ela alega que os documentos que foram apresentados são imprestáveis como prova documental, pois destituídos de qualquer valor jurídico. Afirma, também, que não há título aquisitivo do imóvel anterior ao casamento, tampouco termo ou condição na escritura pública de compra e venda ´lavrada um ano e três meses depois do casamento e em sua plena vigência, assegurando, desta forma, a comunicabilidade do imóvel`.

Para a viúva, ´se porventura tivessem qualquer valor probante, como efetivamente não têm, as datas lançadas nos aludidos papéis de fls. 12 e 31/33 não poderiam ser opostas à recorrente, a qual é terceira em relação a eles, os quais, se lhes fosse possível conferir qualquer valor jurídico, considerar-se-iam datados da morte do seu falecido marido`.

Para a ministra, Nancy Andrighi, relatora do processo, não é possível ao STJ apreciar se prestam ou não os documentos apresentados como prova, pois o tribunal, ao julgar o apelo, destacou vários fatos cuja apreciação pelo STJ importaria reapreciar provas, o que é vedado pela Súmula 7.

Em relação à questão central do recurso – se há comunicabilidade ou não de imóvel adquirido antes do casamento realizado sob regime de comunhão parcial de bens, mas registrado já na vigência do matrimônio –, a ministra Nancy Andrighi entendeu que não havia o que ser corrigido na decisão do Judiciário brasiliense. Dessa forma, não conheceu do recurso, mantendo assim a interpretação do TJDF sobre a questão no sentido de que ´o imóvel disputado resta incomunicável porquanto sua aquisição tem por título causa anterior ao casamento`.

Para embasar seu posicionamento, a ministra apresenta doutrina de Pontes de Miranda, segundo o qual todas as conseqüências de ações que nasceram antes do casamento são pertinentes aos bens incomunicáveis. ´O que decide é o momento em que nasceu a ação`. Destaca, ainda, o jurista Caio Mário da Silva, para quem ´o que determina a exclusão é o fato de o título aquisitivo ser anterior ao casamento, embora a aquisição se aperfeiçoe na constância do casamento, como no caso de uma promessa de compra e venda celebrada antes e somente executada depois das núpcias`.

Nesse contexto – afirma a ministra –, a própria jurisprudência do STJ tem abrandado a necessidade da regra jurídica ´que sobreleva a formalidade em detrimento do direito subjetivo perseguido`. Contudo, para que tal ocorra, ´é necessário que a forma imposta esteja sobrepujando a realização da Justiça`. Ressaltando ser o caso da Súmula 84 do STJ que admite embargos de terceiro sob alegação de posse advinda de compromisso de compra e venda de imóvel ainda não registrado em cartório.

A relatora cita, ainda, voto do ministro Eduardo Ribeiro, também da Terceira Turma, que embora não trate do caso específico, discute questão semelhante: ´Incomunicabilidade do bem, em virtude da norma contida no artigo 272 do Código Civil, uma vez que a escritura de venda, feita após o casamento, traduziu o cumprimento da promessa a ele anterior e a parcela paga naquele ato o foi por doação de terceiro e os bens assim havidos não se comunicam`.
Clique aqui para ser direcionado à fonte
Links Patrocionados

Matérias relacionadas
Concessionária de energia elétrica não deve pagar por uso de espaço aéreo
TAM é condenada a indenizar filhos de vítima de acidente aéreo
Procuração falsa faz tabelião indenizar compradores de lote
Transexual que fez cirurgia de troca de sexo pode alterar Registro Civil
Seguradora não é obrigada a indenizar quando há omissão de informações
Município deve indenizar hospital por descumprimento de contrato
Juíza condena resort para cães por descuido de animal
Empresa de segurança deve indenizar transportadora por roubo
Clique aqui para ver todas as matérias relacionadas

Veja notícias e julgados de uma matéria específica
AdvocaciaDireito do ConsumidorDireito do TrabalhoDireito CivilDireito de FamíliaDano MoralDireito PenalDireito Processual TrabalhistaDireito Processual CivilDireito Processual PenalDireito ConstitucionalDireito do TrânsitoDireito TributárioDireito InternacionalDireito EleitoralDireito AdministrativoDireito PrevidenciárioDireito ComercialDireito AmbientalDireito MédicoDireito MilitarDiversos

Modelos de Petições - Modelos de Contratos - Recursos de Multas de Trânsito
Jurisprudências Selecionadas - Jurisprudências
© Copyright Central Jurídica - 2004/2008.
Todos os direitos reservados.
Tabela cjn_cache atualizada com sucesso!