Capa  |  Concursos  |  Doutrinas  |  Matérias  |  Jurisprudências  |  Modelos  |  Sentenças  |  Dicionários  |  Livraria  |  Loja Virtual
 Navegação
  Capa
  Mapa do site
  Livraria Jurídica
  Loja Virtual
 Bases Jurídicas
  Jurisprudências
  Súmulas
 Modelos
  Petições
  Contratos
  Recursos de Multas
 Doutrinas
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Matérias
  Notícias
  Julgados
 Sentenças
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Dicionários
  Termos jurídicos
  Expressões em Latim
 Especiais
  Advocacia de Sucesso
  Concursos Públicos
 Gerência
  Editorial
  Privacidade
  Fale conosco
  Parceiros
 Busca


 Matéria > Julgados > Direito Tributário
Links Patrocinados e Conteúdo relacionado
Brasileira é isenta de multa por transporte de ferramentas vindas do exterior
Serviços de telefonia móvel poderão ter de pagar ISS
Projeto amplia isenção do Imposto de Renda
Empresa não pode compensar dívida do ICMS com precatórios de terceiros
Finanças aprova redução de ISS sobre transporte municipal
Exploração de urânio pode ter nova alíquota maior
Medida Provisória cria supersecretaria da Receita com 30 mil fiscais
Denúncia espontânea não afasta multa por atraso de pagamento de tributos
Julgados - Direito Tributário    Quarta-feira, 24 de Agosto de 2005
Para os casos em que o contribuinte declara e recolhe em atraso o débito tributário, não é possível ser reconhecida a denúncia espontânea a fim de que seja excluída a multa moratória. A partir desse entendimento, a Segunda Turma atendeu o pedido da Fazenda Nacional, que agora não terá de restituir à Companhia Petroquímica do Sul (Copesul) o valor pago como multa, obrigação que havia sido dispensada em decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Essa situação se aplica a tributos sujeitos a lançamentos por homologação.

O relator do agravo, ministro Franciulli Netto, reconsiderou seu entendimento e levou à Segunda Turma voto no qual reconheceu que não cabe restituir à Copesul os valores pagos a título de multa moratória pelo pagamento em atraso de débitos de diversos tributos administrados pela Receita Federal.

Em dezembro de 2001, a Copesul ajuizou ação de repetição de indébito contra a União para o ressarcimento de valores pagos a título de multa diante do recolhimento fora do prazo, entre janeiro de 1999 e julho de 2001, do pagamento da Cofins, PIS, Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSSL), Imposto de Renda na fonte e Imposto de Renda Pessoa Jurídica. A denúncia espontânea foi reconhecida, e a Copesul pediu a compensação dos valores indevidamente recolhidos com quaisquer tributos administrados pela Receita Federal.

Em primeira instância, a sentença foi contrária à Copesul, mas a empresa recorreu e obteve sucesso na apelação ao TRF da 4ª Região, que reconheceu o indébito em favor da Copesul, mas indeferiu a compensação com os demais tributos administrados pela Receita Federal.

Contra esta decisão, a Copesul apresentou recurso especial no STJ. A Fazenda Nacional também recorreu ao Tribunal, mas, na origem (TRF), este não foi admitido, o que fez com que ela apresentasse agravo de instrumento para tentar diretamente no STJ a admissão do recurso especial.

Em decisão individual, o ministro Franciulli Netto não atendeu o pedido da Fazenda Nacional, invocando que "não se conhece do recurso especial pela divergência, quando a orientação do Tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida" (Súmula 83) e pela inadmissão de reexame de prova (Súmula 7).

A Fazenda Nacional apresentou agravo regimental para que a decisão fosse submetida à Segunda Turma. Alegou ser equivocado o entendimento do acórdão contestado do TRF no sentido de aplicar ao caso o artigo 138 do CTN. O artigo diz que a responsabilidade por infrações da legislação tributária é excluída pela denúncia espontânea da infração, acompanhada, se for o caso, do pagamento do tributo devido.

Afirma a Fazenda Nacional que, se a exclusão da multa punitiva fosse aplicada no caso de denúncia espontânea da infração, estaria admitindo-se a possibilidade de abrir precedentes que incentivariam o atraso no recolhimento de tributos.
Clique aqui para ser direcionado à fonte
Links Patrocionados

Matérias relacionadas
Despesa com treinamento de empregados pode ter maior dedução do IR
Carro de representante comercial pode ser isento de IPI
Cooperativas de crédito são isentas do recolhimento do PIS
Cálculo de Imposto de Renda de salário pago com atraso pode mudar
Provedores de Internet são isentos do pagamento do ICMS
Falta de recolhimento de tributo não gera responsabilidade solidária do sócio
Contas para recebimento de salários podem ser isentas de CPMF
Isenção de IPI na compra de veículos pode ser ampliada
Clique aqui para ver todas as matérias relacionadas

Veja notícias e julgados de uma matéria específica
AdvocaciaDireito do ConsumidorDireito do TrabalhoDireito CivilDireito de FamíliaDano MoralDireito PenalDireito Processual TrabalhistaDireito Processual CivilDireito Processual PenalDireito ConstitucionalDireito do TrânsitoDireito TributárioDireito InternacionalDireito EleitoralDireito AdministrativoDireito PrevidenciárioDireito ComercialDireito AmbientalDireito MédicoDireito MilitarDiversos

Modelos de Petições - Modelos de Contratos - Recursos de Multas de Trânsito
Jurisprudências Selecionadas - Jurisprudências
© Copyright Central Jurídica - 2004/2008.
Todos os direitos reservados.
Tabela cjn_cache atualizada com sucesso!