Capa  |  Concursos  |  Doutrinas  |  Matérias  |  Jurisprudências  |  Modelos  |  Sentenças  |  Dicionários  |  Livraria  |  Loja Virtual
 Navegação
  Capa
  Mapa do site
  Livraria Jurídica
  Loja Virtual
 Bases Jurídicas
  Jurisprudências
  Súmulas
 Modelos
  Petições
  Contratos
  Recursos de Multas
 Doutrinas
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Matérias
  Notícias
  Julgados
 Sentenças
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Dicionários
  Termos jurídicos
  Expressões em Latim
 Especiais
  Advocacia de Sucesso
  Concursos Públicos
 Gerência
  Editorial
  Privacidade
  Fale conosco
  Parceiros
 Busca


 Matéria > Notícias > Direito Processual Civil
Links Patrocinados e Conteúdo relacionado
Agravo contra subida de recurso só é cabível se questiona regularidade formal
Fazenda deve esgotar meios de obter dados antes de pedir quebra de sigilo
Juiz de 1º grau não pode suspender execução por interposição de rescisória
Justiça estadual deve julgar ação de freelance contra empresa jornalística
Filhas não podem receber pelo pai em ação contra sua ex-mulher
Tutela antecipada não se mantém após sentença de mérito
Transação extrajudicial firmada sem presença de Advogado não é nula
Lei de execução de título judicial reduzirá morosidade do Judiciário
Notícias - Direito Processual Civil    Quinta-feira, 22 de Dezembro de 2005
A lei de reforma do processo de execução de título judicial, sancionada hoje (22) à tarde pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, irá promover a redução da morosidade do Poder Judiciário. A avaliação é do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, que participou da cerimônia no Palácio do Planalto.

"É um passo importante que nós damos no Brasil contra o ‘ganha-mais-não-leva’. Portanto uma redução não muito significativa, mas interessante e oportuna na taxa de morosidade do Poder Judiciário. Essa determinação legal trata do chamado processo de execução. É que, quando você ganha tudo, aí vai para a execução da decisão judicial", disse o ministro.

E prosseguiu: "Tem havido tanta parafernália processualista, cabe tanto recurso, tanta procrastinação que, na prática, começa tudo outra vez. Nós temos casos vergonhosos de pessoas que vêm há 20 anos ganhando e não levando. E isso agora vai simplificar todo esse processo de execução. É uma luta muito grande porque a gente enfrenta uma cultura procrastinatória, e muitas doutrinas e muitas teorias processualistas."

Para o presidente do STJ, esta nova lei proporcionará economia de tempo e de dinheiro. "Significa economia na medida em que o Judiciário, no caso do processo de execução, que agora é reduzido em tempo por causa de menos medidas procrastinatórias, vai economizar tempo. Sempre que a gente economiza tempo, economiza também dinheiro", disse.

Execução judicial
O Poder Judiciário compareceu em peso, hoje à tarde, no Palácio do Planalto, para a cerimônia que marcou o sancionamento da lei de execução de título judicial. O vice-presidente do STJ, ministro Sálvio de Figueiredo, e o ministro Luiz Fux, do STJ, estavam entre as autoridades. O ministro Márcio Thomaz Bastos (Justiça) e os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara dos Deputados, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), também prestigiaram a solenidade.

O ministro Thomaz Bastos disse que a lei irá permitir a simplificação do processo. Para o ministro da Justiça, as novas diretrizes dadas ao processo de execução de título judicial racionalizará e, por conseqüência, valoriza as decisões tomadas em primeira instância. Na prática, ao término do processo, será evitado o início de uma nova ação para questionar o valor a ser pago pela parte que venceu a disputa jurídica.

"Isso vai ter conseqüências de toda ordem. Sobre o custo Brasil, custo dos juros, do spready bancário que sofrem uma influência forte dessa dificuldade de execução. Eu diria que esse projeto, ao lado da reforma constitucional que já foi feita, dos outros vinte e tantos projetos que tramitam na Câmara e no Senado, e ao lado da reforma que estamos trabalhando junto com o Poder Judiciário e a Associação de Magistrados Brasileiros, eu diria que esse projeto seja o símbolo, o mais importante, aquele que significa a nossa determinação de fazer um processo no Brasil que atenda a mais universal das tendências que é simplificar o processo, simplificar as regras do jogo e revalorizar a decisão de primeira instância", disse o ministro da Justiça.
Clique aqui para ser direcionado à fonte
Links Patrocionados

Matérias relacionadas
Medida cautelar de última hora para impedir leilão não é razoável
Intimação por edital conta a partir de sua publicação
Sentença poderá ser ajustada se surgir nova prova
Ações contra INSS podem ser isentas de custas judiciais
Notificação de acórdão à Fazenda Pública pode ter prazo de até 30 dias
Autônomo deve cobrar empresa na Justiça comum, em seu domicílio
Credor pode desistir de execução sem que devedor concorde
Lei de execução de título judicial reduzirá morosidade do Judiciário
Clique aqui para ver todas as matérias relacionadas

Veja notícias e julgados de uma matéria específica
AdvocaciaDireito do ConsumidorDireito do TrabalhoDireito CivilDireito de FamíliaDano MoralDireito PenalDireito Processual TrabalhistaDireito Processual CivilDireito Processual PenalDireito ConstitucionalDireito do TrânsitoDireito TributárioDireito InternacionalDireito EleitoralDireito AdministrativoDireito PrevidenciárioDireito ComercialDireito AmbientalDireito MédicoDireito MilitarDiversos

Modelos de Petições - Modelos de Contratos - Recursos de Multas de Trânsito
Jurisprudências Selecionadas - Jurisprudências
© Copyright Central Jurídica - 2004/2008.
Todos os direitos reservados.
Tabela cjn_cache atualizada com sucesso!