Capa  |  Concursos  |  Doutrinas  |  Matérias  |  Jurisprudências  |  Modelos  |  Sentenças  |  Dicionários  |  Livraria  |  Loja Virtual
 Navegação
  Capa
  Mapa do site
  Livraria Jurídica
  Loja Virtual
 Bases Jurídicas
  Jurisprudências
  Súmulas
 Modelos
  Petições
  Contratos
  Recursos de Multas
 Doutrinas
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Matérias
  Notícias
  Julgados
 Sentenças
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Dicionários
  Termos jurídicos
  Expressões em Latim
 Especiais
  Advocacia de Sucesso
  Concursos Públicos
 Gerência
  Editorial
  Privacidade
  Fale conosco
  Parceiros
 Busca


 Matéria > Julgados > Direito Processual Trabalhista
Links Patrocinados e Conteúdo relacionado
Presidente do TST fala sobre reforma processual da JT no Congresso
Câmara analisa quatro projetos de lei de reforma processual trabalhista
TST adapta jurisprudência às mudanças constitucionais
Presidente de empresa pode ter conta penhorada por dívida trabalhista
Justiça do Trabalho julga litígio sobre contribuição entre entidade e empresa
Dispensa de testemunha caracteriza cerceamento de defesa
Admitido no TST recurso sem pagamento antecipado de multa por má-fé
Supressão de instância leva à anulação de processo
Julgados - Direito Processual Trabalhista    Quarta-feira, 20 de Julho de 2005
A supressão de instância - irregularidade em que a instância superior julga matéria não examinada pela instância inferior -, afronta o princípio constitucional da ampla defesa.

Sob esse entendimento, a Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu um recurso de revista à Xerox do Brasil Ltda. O TST cancelou decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (com sede em Santa Catarina) e determinou o retorno dos autos à primeira instância catarinense.

´A busca pela entrega de uma rápida prestação jurisdicional não pode levar a um distanciamento dos princípios norteadores do processo e também a uma acomodação na garantia constitucional à ampla defesa da parte`, considerou a relatora do recurso no TST, juíza convocada Maria de Assis Calsing.

A controvérsia judicial teve início na 1ª Vara do Trabalho de Blumenau, a qual coube o exame de reclamação trabalhista ajuizada por uma comerciária, que pediu o reconhecimento de vínculo de emprego com a Xerox e a quitação das verbas rescisórias. Para tanto, alegou ter atuado como vendedora da empresa, entre outubro de 1998 e janeiro de 1999, quando teria sido demitida sem o pagamento do aviso prévio, férias, 13º salário proporcional e FGTS.

As alegações formuladas pela trabalhadora não convenceram a primeira instância, que negou a formação do vínculo de emprego. Para a Vara do Trabalho de Blumenau, as partes mantiveram um contrato de representação comercial, distinto da relação trabalhista. O objeto da relação entre as partes seria somente a prestação de um serviço: a comercialização de equipamentos da Xerox. Com essa convicção, a Vara sequer examinou o pedido de pagamento das verbas rescisórias.

A sentença desfavorável levou à interposição de recurso no TRT catarinense, onde a comerciária insistiu no reconhecimento do vínculo trabalhista com a empresa. O exame da segunda instância favoreceu a trabalhadora, pois detectou a presença dos requisitos previstos no artigo 3º da CLT, que caracterizam a relação de emprego.

Uma vez reconhecida a relação de emprego, o TRT/SC avançou no julgamento e garantiu à comerciária o pagamento das parcelas rescisórias, FGTS e a anotação na carteira de trabalho. Fixou, ainda, o valor provisório da condenação em R$ 1.500,00.

O exame do TST sobre a matéria revelou a conduta equivocada adotada pelo TRT catarinense ao examinar e deferir as verbas à comerciária, tema que não chegou a ser examinado pela primeira instância.

De acordo com a relatora do recurso de revista, o procedimento adequado seria a remessa dos autos à Vara do Trabalho de Blumenau a fim de que fossem examinadas todas as circunstâncias em torno das parcelas rescisórias.

Também foi observado que, em situações idênticas, a lei processual (artigo 515, parágrafo 3º, do Código de Processo Civil) autoriza o Tribunal a julgar desde logo a questão, mas desde que a causa envolva somente matéria de interpretação jurídica e esteja em condições de julgamento imediato.

No processo entre a comerciária e a Xerox, a análise do TRT/SC não se limitou à matéria de direito (vínculo de emprego) e avançou num tema que requer a análise de fatos e provas (parcelas rescisórias).
Clique aqui para ser direcionado à fonte
Links Patrocionados

Matérias relacionadas
Atestado médico trazido pelo pai a audiência é válido para justificar ausência
Justiça do Trabalho é competente para examinar constitucionalidade de lei
Autora madrinha de casamento da testemunha a torna suspeita
Ócio é direito do trabalhador garantido pela Constituição
Banco tenta evitar que seu presidente deponha em ação trabalhista
Sindicato tem negada substituição processual de não-filiados
Trabalhador não pode desistir da ação em fase recursal
Banco multado por uso de recurso protelatório
Clique aqui para ver todas as matérias relacionadas

Veja notícias e julgados de uma matéria específica
AdvocaciaDireito do ConsumidorDireito do TrabalhoDireito CivilDireito de FamíliaDano MoralDireito PenalDireito Processual TrabalhistaDireito Processual CivilDireito Processual PenalDireito ConstitucionalDireito do TrânsitoDireito TributárioDireito InternacionalDireito EleitoralDireito AdministrativoDireito PrevidenciárioDireito ComercialDireito AmbientalDireito MédicoDireito MilitarDiversos

Modelos de Petições - Modelos de Contratos - Recursos de Multas de Trânsito
Jurisprudências Selecionadas - Jurisprudências
© Copyright Central Jurídica - 2004/2008.
Todos os direitos reservados.