Ferramenta de Busca
Capa | Modelos de Petições | Modelos de Contratos | Doutrinas | Jurisprudências | Sentenças | Dicionários | Loja Virtual
Ação de Indenização por Acidente de Trabalho - Morte do Empregado
Petições - Reclamatórias Trabalhistas - Ocorrência de acidente de trabalho, consistente em queda de nível que ocasionou o óbito do empregado, por negligência da empresa e omissão pelo não fornecimento de equipamentos de proteção e segurança.


EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA .... ª VARA DO TRABALHO DA COMARCA DE ....



................................. (qualificação), residente e domiciliada na ...., portadora de C. I. n.º... , e ...., menor impúbere, nascido no dia .... e ...., menor nascido no dia ...., conforme se vê das inclusas certidões de nascimentos, devidamente representados por sua mãe ...., acima qualificada, pela sua procuradora bastante no final assinada, vêm, com o devido respeito à presença de Vossa Excelência, propor a presente

AÇÃO ORDINÁRIA DE INDENIZAÇÃO

em face de

......................................., pessoa jurídica de direito privado estabelecida na ...., o fazendo pelas seguintes razões:

PRELIMINARMENTE, pleiteiam os Requerentes, lhe seja deferido o benefício da assistência judiciária gratuita, eis que, pobres, na acepção jurídica do termo, não dispõe de meios para custear a presente demanda sem prejuízo de própria sobrevivência.

O estado de pobreza, quase absoluta, adveio do acidente de trabalho que vitimou o marido e pai dos Requerentes, fato ocorrido no dia ...., nas dependências da Requerida, conforme pode se averiguar do laudo de necropsia fornecido pelo Instituto Médico Legal, e atestado de óbito em anexo, vivendo os Requerentes de pensão mensal paga pelo INSS, no importe correspondente a um e meio salário mínimo mensal.

Assim sendo, no forma autorizada pela Lei 1.060/50, requerem o deferimento de benefício da assistência judiciária gratuita, nomeando-se, desde logo a signatária da presente para o desempenho do encargo profissional.


OS FATOS

1.
A primeira Requerente ...., foi casada com ...., conforme se vê da certidão de casamento inclusa, extraída do assento civil sob o n.º .... do Cartório de Registro Civil do Município de ...., Comarca de ....,

Do casamento adveio o nascimento de dois filhos:

...., nascida no dia .... e ...., nascido no dia ...., tudo como se vê das certidões de nascimento inclusas.

2.
O marido da primeira Requerente e pai da segunda e terceiro Requerentes, ...., nascido no dia ...., era empregado da requerida - ...., com contrato de trabalho iniciado no dia ...., com registro no livro de empregados sob o n.º...., pág. ...., onde exercia a função de ...., tendo anotado em sua Carteira de Trabalho e Previdência Social, salário básico mensal igual a R$ ...., tudo como se comprova das anotações da CTPS em anexo por fotocópias.

3.
Tal remuneração era complementada mensalmente com salário "in natura", referente a moradia, água e luz, além dos adicionais de horas extras, abonos e periculosidade que fazia jus, perfazendo uma renda mensal igual a sete salários mínimos mensais.

4.
O trabalho cumprido pelo Sr. ...., junto a Requerida consistia em controlar a entrada e saída de pedras do britador. Trabalhava na "boca do britador" que ficava numa altura de aproximadamente 06 (seis) metros no nível do chão, permanecendo numa pequena plataforma, sem alambrado e sem qualquer equipamento de proteção, quais sejam: cabo de aço, macacão, luvas, etc. Permanecia trabalhando "solto", regulando e controlando as pedras para que não prejudicassem a britagem de pedras. É a Requerida uma indústria de pedras.

5.
Cumprindo seu trabalho junto a Requerida, no dia ...., por volta das .... até .... horas, veio a sofrer uma queda do local onde efetuava o trabalho, ou seja, caiu da pequena plataforma numa altura de mais de ... metros, vindo a falecer, quando deu entrada no Pronto Socorro do Hospital .... em ...., por volta de .... horas, sendo encaminhado, mais tarde, para o Instituto Médico Legal, para exame de necropsia.

Em conseqüência da queda sofreu o marido e pai dos Requerentes as lesões descritas no laudo de necropsia n.º...., firmado pelo Sr. Perito - Dr. ...., que pelos dados colhidos durante a necropsia concluiu que a morte de .... foi produzida por lesões cranioencefálicas e raquimedulares devido a ação contundente em queda de nível.

Também do Boletim de Ocorrência n.º..., elaborado pela Divisão de Investigações Criminais do Departamento de Polícia do Estado do Paraná, o Chefe de Plantão assim descreveu a ocorrência:

"As .... horas deu entrada no Pronto Socorro do Hospital ...., vítima de queda de nível, o Sr ...., o qual não suportou a gravidade dos ferimentos entrando em óbito posteriormente.

Conforme informaram funcionários da pedreira a vítima sofreu uma queda de 5 metros, aproximadamente, por volta das .... horas, no momento em que trabalhava.

Às .... horas a funcionária ...., da Divisão de Segurança do Trabalho - DRT, foi informada do acidente conforme Ordem de serviço n.º...."

6.
Como se vê, o pai e marido dos Requerentes entrou em óbito após sofrer as lesões descritas no laudo de necropsia, em data de..., em conseqüência da queda sofrida, porque no desempenho de sua atividade laboral junto a Requerida, altamente perigoso, não lhe foi dado a menor condição de segurança. Por certo, se estivesse preso a alças, cordas de segurança, ou mesmo se tivesse na plataforma um pequeno alambrado de proteção, a queda não teria ocorrido, e sua conseqüência não teria sido fatal como o foi para ....

A Requerida, ao permitir, no desempenho de sua atividade industrial, que seu empregado trabalhasse, sem estar equipado com toda a segurança possível e previsível, omitiu-se, foi negligente e imprudente, resultando tal comportamento em culpa gravíssima, que se assemelha ao dolo, obrigando a devida responsabilidade para com aqueles que sofrem as conseqüências do infortúnio, ou seja, os Requerentes.

Até o óbito do marido, os Requerentes viviam sob sua única dependência, formando uma família tranqüila e completa.

Enquanto o marido trabalhava a primeira Requerente cuidava dos afazeres domésticos zelando pela educação e criação dos filhos juntamente com o marido. Residiam numa casa da própria Requerida, próximo ao trabalho, não tendo que despender qualquer valor com transporte e moradia, o que lhes garantiam um acréscimo salarial de 40%(quarenta por cento).

Após o óbito, a primeira Requerente foi acometida de verdadeiro pânico, tendo que sustentar dois filhos em idade escolar, com os parcos rendimentos na qualidade de pensionista do INSS. Foi obrigada a desocupar a casa onde morava, pertencente a Requerida, tendo que alugar um pequeno espaço em uma garagem, para poder acomodar os filhos, pagando aluguel que hoje soma R$ ...., conforme se vê pelo recibo em anexo. Tal garagem é desprovida de qualquer condição de habitação, sem janelas, em piso de cimento bruto, sem forro, sofrendo diretamente as intempéries da natureza, pelas más condições da mesma.

Além de pessimamente alojados, passaram a viver em constante estado de constrangimento, por dependerem de favores de terceiros, eis que recebendo pouco mais que um salário mínimo junto a Previdência Social, após pagarem as despesas de aluguel, água e luz, pouco sobra para a alimentação, necessitando do auxílio de parentes e amigos para a sobrevivência.

Não sabendo a primeira Requerente ler, nem escrever, tem reduzidíssimas chances de entrar no mercado de trabalho, inexistindo-lhe expectativas de melhoria de vida. Era seu marido seu esteio e sua única fonte de segurança, inclusive para a educação e formação dos filhos. A consciência plena de tamanhas dificuldades aumentam o infortúnio sofrido pela primeira Requerente ao ponto de necessitar de auxílio médico para amenizar o estado depressivo em que passou a viver.

A par de todo esse sofrimento vivido e sentido pelos Requerentes ante a irreparável perda do pai e marido, a Requerida, por seus representantes legais, fruidora da vantagem financeira captada pela mão de obra prestada pelo empregado, que a desenvolvia de forma perigosa, com risco sabido e assumido pela empregadora, nada fez para minimizar os problemas dos Requerentes. Desde a mais completa ausência de atendimento material, até a falta de consolo pessoal, demonstrando absoluta insensibilidade pela dor humana, vivida por aqueles que se viram verdadeiramente vitimados pela morte de ....

Ignorou a Requerida, o ocorrido como se, tanto os Requerentes como ...., não fizessem parte da raça humana. Ceifaram-lhe a vida aos .... anos de vida, impedindo-o de prosseguir cumprindo seu encargo de marido e pai. A morte prematura, resultante da omissão da Requerida, na sua negligência e imprudência, permitindo o desempenho do trabalho sem as devidas condições de segurança, impediram o empregado vitimado, de melhorar e aprimorar o conforto que sempre quis dar a família, encargo que deve ser transferido integralmente a requerida, pela culpa grave com que se fez presente no sinistro.


A LEI

A ora Requerida, na qualidade de empregadora, agindo com negligência grave, omissão consciente, nada se importando com a segurança de seu empregado submetido a perigo constante no ...., expondo-o ao acidente fatal no dia ...., teve conduta dolosa, ou culpa grave, que "nesses casos se equipara ao dolo", dado ao fato de que o acidente ocorreu pela condição insegura do local de trabalho da vítima, marido e pai dos requerentes - ....

Neste sentido é a lição de Sílvio Rodrigues ao elencar os requisitos para a responsabilidade civil por ato ilícito: "que haja uma ação ou omissão por parte do agente; que a mesma seja a causa do prejuízo experimentado pela vítima; que haja (....)um prejuízo; e que o agente tenha agido com do (....)

No presente caso é inconteste a presença de todos os elementos caracterizadores da responsabilidade civil, devida pela Requerida em favor dos Requerentes. A perda da vida do marido e pai foi conseqüência única e direta da omissão, negligência, e imprudência da Requerida, ao assumir com culpa grave o risco do acidente que ceifou a fica de seu empregado, permitindo-lhe o trabalho em condições inseguras. O prejuízo resultante da morte é uma evidência. Era .... a única fonte de renda familiar. A Requerente desempenhava as atividades do lar, enquanto os filhos se encontravam em idade escolar.

No mesmo sentido é o ensinamento do Prof. Silvio Rodrigues:

"O dever de reparação, segundo diz Irineu Antônio Pedrotti, em sua obra Responsabilidade Civil, tem fundamento na culpa o no risco da culpa decorrente do ato ilícito do agente, o fundamento está na razão da obrigação de recompor o patrimônio diminuído com a lesão a direito subjetivo (....). Adiante, ao tratar da modalidade de culpa, afirma que a negligência consiste na omissão ou não observância de um dever a cargo do agente, compreendidos nas preocupações necessárias para que fossem evitados danos não desejados e, por conseguinte, evitáveis."

A Requerida, se tivesse dado os equipamentos de segurança ao "de cujus" marido e pai dos Requerentes, por certo teria evitado o infortúnio que a morte trouxe a estes, com o prejuízo da ausência definitiva.


DANOS MATERIAIS

O marido e pai dos Requerentes, tinha a data do óbito idade de .... anos, com uma pré-vida de .... anos. Recebia por ocasião de sua morte salário básico de R$ .... Cumpria com habitualidade horas extras, em sua jornada de trabalho, acrescendo em seu salário mensal valores iguais e 15% sobre a renda básica. Recebia abonos mensais de 30% sobre sua renda básica, e ainda fazia jus ao adicional de periculosidade no grau máximo de 40% sobre seu rendimento mensal básico.

Fornecia a Requerida, além do salário efetivo, casa gratuita, pagando as despesas de água e luz, proporcionando acréscimo salarial "in natura" de mais 30% sobre o rendimento mensal.

Na época do óbito a vantagem financeira auferida pelo finado ...., junto a Requerida era igual a R$.... ou sete salários mínimos.

Com sua morte prematura, ficaram os Requerentes privados do conforto e bem estar que tal renda lhe permitia usufruir, obrigados a depender unicamente da pensão previdenciária a cargo do INSS, no importe correspondente a um e meio salário mínimo mensal, conforme se vê dos comprovantes de pagamentos inclusos.

Deve a Requerida aos Requerentes e composição do prejuízo material sofrido (perguntar a idade) pela redução da renda efetiva, ou seja pagar-lhe mensalmente a importância equivalente a cinco e meio salários mínimos mensais, desde a data do óbito, em .... e até que o finado .... viesse a completar 65 anos de idade, com todos os adicionais, além do 13º salário e acréscimo de 1/3 sobre as férias anuais, observando-se para as parcelas vincendas o disposto no artigo 602 do C.P.C.


DANO MORAL

Além do dano material, perfeitamente aferível em números certos, deve a Requerida indenizar a dor moral sofrida pelos Requerentes ante a falta do marido e pai. As conseqüências da falta de pessoa que era o esteio único da família, projetou-se por diversas formas na vida dos Requerentes, especialmente pelo drama que vem enfrentando após sua morte. A perda do marido desnorteou completamente a estabilidade que tinha a primeira Requerente. Era o seu arrimo e seu esteio atual e futuro. A perda do pai provoca seqüelas, traumas de ordem psicossomáticas nos filhos, nem sempre sentidas de imediato, no entanto, após o óbito do pai, foram, o segundo e terceiro Requerente, acometidos de revolta constante pela vida deficitária que passaram a viver, aumentando a depressão e dificuldades para enfrentar o desafio da educação e criação imposta à mãe.

A falta de solidariedade dos representantes legais da Requerida, dão a exata sensação do desamor e desrespeito para com o semelhante aumento o infortúnio daqueles que não tem com quem dividir o peso e a falta que sentem do marido e pai.

Tamanha dor deve ser compensada com valores pecuniários, para amenizar o sofrimento dos autores. O valor nesse casos deve ser levado em conta para o arbitramento judicial, o padrão de vida, suas seqüelas o stress emocional resultante do evento danoso, devolvendo aos credores a forma de vida que mantinham até o óbito do genitor, somando-se o infortúnio posterior.


DO REQUERIMENTO

Diante do exposto, pleiteiam os Requerente:

a) a citação da Requerida na pessoa de seus representantes legais, no endereço retro mencionado, para comparecer, querendo a audiência de .... instrução e julgamento previamente designada, nela oferecendo a defesa que tiverem sob pena de revelia e confissão;

b) a procedência da ação para condenar a Requerida na indenização pela morte de ...., elos danos materiais e morais suportados pelos autores, condenando-se a lhes pagar:

1) uma pensão mensal igual a cinco salários mínimos mensais, desde a data do óbito, em ...., e até que o finado viesse a completar 65 anos de idade, com todos os acrescimentos e a e a ser reajustada na mesma proporção e mesma época do reajuste do salário mínimo, e após incidindo-se a correção monetária de forma sucessiva.

2) o valor do dano moral a ser arbitrado por Vossa Excelência, considerando-se o tamanho da dor suportada pela perda do marido e pai, bem como as adversidades com que vêm enfrentando o dia a dia pela insensatez e omissão da requerida permitindo o desempenho do trabalho em condições inseguras e após a morte pela total ausência de solidariedade que deve existir entre os seres humanos, recompensando-se os autores pelo infortúnio de que foram e estão sendo vítimas.

c) seja determinado, na forma do artigo 602, a formação de capital necessário para o pagamento das prestações futuras com todos os acréscimos inerentes.

d) as parcelas vencidas sejam pagas de uma só vez, observando-se os reajustes do salário mínimo, e após, incidindo-se a devida correção monetária

e) seja condenada no pagamento de juros de mora à partir do óbito, conforme dispõe o artigo 962 do CC.

f)seja condenada no pagamento dos honorários advocatícios em 20% a incidir sobre as parcelas vincendas.

g)seja condenada no pagamento das custas processuais.

Requerem, finalmente a produção de todas as provas em direito admitidas, especialmente o depoimento do representante legal da requerida, sob pena de confesso, ouvida de testemunhas, juntada de documentos novos e prova pericial.

Para efeitos de alçada dão à causa o valor de ....

Termo em que,

Pede Deferimento.

...., .... de .... de ....

..................
Advogado OAB/...




Modelos relacionados
Confira outros modelos relacionados
Reclamatória Trabalhista - Anotação tardia da CTPS
Ação de Reparação de Danos por Acidente de Trabalho Contra a Empresa
Contestação Trabalhista - Reintegração Indevida por Acidente
Ação Trabalhista - Turnos Ininterruptos de Revezamento e Horas Extras
Contestação - Autônomo sem Vínculo Empregatício
Inicial Trabalhista - Período sem Anotação da CTPS, Férias e FGTS
Reclamatória Trabalhista - Auxiliar Administrativo
Contestação Trabalhista - Inépcia da Inicial e Pedido de Demissão
Ação de Indenização por Acidente de Trabalho - Mão Direita Danificada
Razões Finais - Não há Vínculo Empregatício ou Horas Extras
Reclamatória Trabalhista - Vendedor dispensado sem justa causa
Alegações Finais da Reclamada - Trabalho em Depósito
Reclamatória Trabalhista - Empregado viajava por vários Estados
Reclamatória Trabalhista - Bancário demitido sem justa causa
Contestação à Ação de Indenização Por Doença Profissional - Tendinite
Contestação Trabalhista - Reclamante Prestou Serviços como Autônomo
Contestação à Reclamatória Trabalhista - Regime de Compensação

Outros modelos
Modelos diversos de nosso repertório
Contra Razões de Recurso Adesivo em Ação de Desapropriação
Ação Anulatória de Crédito Tributário
Oferecimento de Caução Real em Cautelar de Sustação de Protesto
Adjudicação Compulsória - Contrato Escrito Averbado em Cartório
Pedido de Liberdade Provisória - Primariedade e Bons Antecedentes
Medida Cautelar de Sustação de Protesto de Duplicata
Embargos à Execução por Excesso de Execução
Ação de Separação Consensual
Alegações Finais em Indenizatória por Término de Representação Comercial
Ação de Guarda e Responsabilidade
Liquidação de Sentença por Artigos
Ação Anulatória de Casamento
Contestação à Medida Cautelar de Sustação de Protesto
Embargos de Declaração por Apreciação de Matéria Diversa
Contra-Razões de Recurso Criminal - Absolvição pelo Tribunal do Júri
Ação de Reparação de Danos por Acidente de Trânsito em Rito Sumário
Ação de Busca e Apreensão de Menor
Conteúdo Completo
Todo o acervo do site em seções
Modelos de petições
Modelos de contratos
Recursos de Multas
Textos doutrinários
Sentenças e acórdãos
Matérias publicadas
Expressões em latim
Dicionário jurídico
Jurisprudências
Súmulas


Central Jurídica
Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização