Diciona

Processo Dispositivo Do Julgado Perfilho Da Corrente Doutrinária

Jurisprudência - Direito do Trabalho

PROCESSO. DISPOSITIVO DO JULGADO. Perfilho da corrente doutrinária segundo a qual a fundamentação do julgado é dotada de conteúdo dispositivo, pois do contrário, na parte dispositiva deveriam ser transcritas, minuciosamente, todas as verbas e obrigações que são objeto da condenação, sob pena de não se formar a coisa julgada. Aliás, o artigo 470 do CPC é um exemplo de dispositivo legal que corrobora este entendimento. Todavia, para evitar infindáveis discussões e incidentes processuais que poderiam comprometer a materialização do princípio constitucional da razoável duração do processo, reputo salutar que a compensação, já inserida na fundamentação, seja reproduzida no dispositivo, motivo pelo qual determino que seja observada a compensação das verbas pagas sob idêntica rubrica, na forma do art. 767 da CLT. (TRT/SP - 01682200501002007 - RO - Ac. 4ªT 20090839727 - Rel. Paulo Augusto Camara - DOE 09/10/2009)

AGRAVO DE PETIÇÃO. LEVANTAMENTO DO VALOR PENHORADO PELO EXEQÜENTE. CAUÇÃO. ART. 475-O, III, §2º. IMPOSSIBILIDADE. DEMONSTRAÇÃO DA SITUAÇÃO DE NECESSIDADE. As disposições do art. 475-O, do CPC, tratam da execução provisória da sentença, podendo, todavia, serem aplicadas à execução definitiva. A execução que ora se processa é definitiva porquanto busca, diante da inadimplência da Executada, a efetivação de acordo judicial homologado entre as partes, o qual, no âmbito do processo do trabalho, transita em julgado no momento em que proferida a sentença homologatória. Entretanto, independentemente da natureza da execução, o levantamento, pelo Exeqüente, do valor depositado, sem necessidade de caução, de acordo com as disposições do art. 475-O, III, §2º, do CPC, necessita da demonstração inequívoca da 'situação de necessidade', conforme disposição do inciso I, do § 2º, sem o que o levantamento jamais poderá ser permitido. No caso dos autos, a 'situação de necessidade' não ficou demonstrada, o que afasta, de plano, a pretensão da Exeqüente de levantamento do valor penhorado. Registro, ainda, que após a integral efetivação da penhora, iniciar-se-á o prazo para a Executada ajuizar os Embargos à Execução, oportunidade em que também poderá discutir a conta de liquidação do acordo inadimplido, de fls. 168/172, bem como poderá, hipoteticamente, até mesmo demonstrar o cumprimento da obrigação, de acordo com as disposições do art. 884 da CLT. Agravo de Petição a que se nega provimento. (TRT23. AP - 01682.2006.031.23.00-4. Publicado em: 14/04/08. 2ª Turma. Relator: DESEMBARGADORA LEILA CALVO)

VÍNCULO DE EMPREGO. NÃO COMPROVAÇÃO. Não havendo no conjunto probatório produzido elementos que possam corroborar as assertivas do Recorrente, forçosa é a manutenção da r. sentença de piso, que julgou improcedente o pedido de reconhecimento do vínculo empregatício e, conseqüentemente, indeferiu os consectários legais. Recurso Ordinário obreiro a que se nega provimento. (TRT/SP - 01615200700202000 - RS - Ac. 5aT 20090102961 - Rel. Anelia Li Chum - DOE 20/03/2009)

HORAS EXTRAS – Se o empregado realiza trabalho externo sujeito a controle e fiscalização da empresa, tem direito às horas extras laboradas, inaplicando-se a regra do art. 62, I, da CLT. Recurso improvido. (TRT 11ª R. – RO 1935/2000 – (106/2002) – Rel. Juiz José dos Santos Pereira Braga – J. 07.02.2002)

AVISO-PRÉVIO PROPORCIONAL. PREVISÃO EM NORMA COLETIVA. Em que pese o art. 7º, inciso XXI, da Constituição da República não ser autoaplicável, carecendo de regulamentação por lei ordinária, é devido o aviso prévio proporcional ao tempo de serviço desde que previsto em norma coletiva, diante da aplicação do princípio da autonomia da vontade coletiva. FGTS. PRESCRIÇÃO. A prescrição do direito de ação relativa a parcelas do FGTS é trintenária, devendo ser observado o prazo de dois anos após o término do contrato de trabalho para seu ajuizamento, por aplicação da Súmula n. 362 do TST. (TRT4. 0049600-52.2009.5.04.0029 (RO). 5ª Turma. Relator CLÓVIS FERNANDO SCHUCH SANTOS. Data 02/06/2011)

HORAS EXTRAS. ÔNUS DA PROVA. ITEM I DA SÚMULA 338 DO C. TST. OJ 233 DA SDI-1. Na esteira do asseverado pelo juízo de primeiro grau, por contar com mais de 10 empregados, ao empregador incumbia o ônus da prova da jornada de trabalho, face a não-apresentação dos controles de freqüência. De seu encargo probatório entendo que a Demandada desvencilhou-se satisfatoriamente, uma vez que produziu prova a abonar sua tese. As testemunhas patronais foram unânimes a confirmar a jornada narrada na defesa, ao passo que a Reclamante nada conduziu a apontar a verossimilhança do alegado. Improcede a argumentação obreira no sentido de fragilizar a prova produzida pela Recorrida por não ser a testemunha patronal totalmente contemporânea com a Reclamante, vez que, a teor da Orientação Jurisprudencial n.º 233 da SDI-1 do TST, a decisão que defere horas extras com base em prova oral ou documental não ficará limitada ao tempo por ela abrangido, desde que o julgador fique convencido de que o procedimento questionado superou aquele período. Recurso da Reclamante ao qual se nega provimento. (TRT23. RO - 00072.2008.096.23.00-0. Publicado em: 23/06/08. 2ª Turma. Relator: DESEMBARGADOR OSMAIR COUTO)

INDENIZAÇÃO DECORRENTE DE ACIDENTE DE TRABALHO. AÇÃO AJUIZADA APÓS A EC N.º 45/04. PRESCRIÇÃO APLICÁVEL. Nos casos de indenização decorrente de acidente de trabalho, a prescrição aplicável é aquela prevista no art. 7º, XXIX, da CR/88, uma vez que a fundamentação jurídica do pedido não afasta o caráter trabalhista do crédito pleiteado, mormente quando se trata de ação ajuizada após a publicação da Emenda Constitucional n.º 45/04. No caso em análise, o acidente ocorreu sob a égide do Código Civil de 2002 (em 02.09.2003), que fixa o prazo prescricional em três anos; todavia, houve o rompimento do vínculo de emprego em 01.11.2004, ou seja, antes da edição da Emenda Constitucional n. 45/04. Assim, com o advento da EC n. 45/04 e o novo entendimento adotado pelo Supremo Tribunal Federal quanto à competência desta Justiça Especializada para julgar os pedidos de indenização decorrentes do acidente de trabalho, houve redução do prazo prescricional, de 03 para 02 anos. Por isso, ainda que se reconheça que a prescrição é bienal, o marco inicial do prazo a ser levado em consideração, em nome da segurança jurídica, é o advento da EC n. 45/04, mediante aplicação por analogia do artigo 916 da CLT. E porque decorridos mais de dois anos entre a publicação da EC n. 45/04 e o ajuizamento da presente ação, há que se pronunciar a prescrição bienal e extinguir o feito com resolução do mérito. (TRT23. RO - 00618.2007.066.23.00-0. Publicado em: 28/05/08. 1ª Turma. Relator: DESEMBARGADOR EDSON BUENO)







Todos os direitos reservados

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização

Política de Privacidade | Editorial | Contato