Permanecerá preso bombeiro acusado de matar por dívida de R$ 600

Julgados - Direito Penal - Quarta-feira, 27 de julho de 2005

O bombeiro R.A.S., acusado de assassinar J.R.M.G. por dívida de R$ 600, teve negado pedido para aguardar o julgamento de seu caso em liberdade. O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, negou liminar em habeas-corpus ao réu.

O crime ocorreu na madrugada de 13 de junho de 1999, numa fazenda, em Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro. Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público fluminense (MPRJ), R.A.S., acompanhado de mais quatro homens, levou a vítima ao local do crime a pretexto de usar droga. Ao abaixar a cabeça para cheirar cocaína, J.R.M.G. foi atingido na nuca por arma de fogo. A vítima estava devendo R$ 600 ao acusado proveniente de negociação com entorpecente.

A autoria do crime foi negada por todos os acusados. Três dos cinco suspeitos foram inocentados pela 1ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) em junho de 2001. R.A.S., no entanto, foi apontado como o autor direto na execução da vítima já que todas as provas apontavam para ele como sendo o executor do delito.

O TJRJ julgou procedente a denúncia para indiciar o acusado nas penas do artigo 121, parágrafo 2º (homicídio qualificado), incisos I (motivo torpe) e IV (dissimulação), e artigo 29 do Código Penal, para que pudesse ser submetido a julgamento pelo Tribunal do Júri. O juiz de Direito da 1ª Vara Criminal do TJRJ manteve, então, a prisão do acusado pelos seus antecedentes, dois possíveis homicídios, e pela classificação delitual – homicídio qualificado.

O réu, inconformado com a decisão do TJ, interpôs recurso refutando a condenação com a alegação de que inexistiam provas capazes de sustentar uma condenação criminal. O recurso de apelação foi negado pela 4ª Câmara Criminal do TJRJ em setembro de 2004. Diante da negativa, ele ajuizou o habeas-corpus no STJ.

Na ação, alegava que a questão oferecida aos jurados do tribunal foi nitidamente deficiente, não tendo sido apresentada a tese de desclassificação, consubstanciada na existência ou não da intenção de matar.

Segundo o ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, para a concessão de liminar em habeas-corpus devem estar presentes a necessidade, a relevância e a urgência da medida, além de restar comprovada a ilegalidade do ato coator.

Ao decidir a liminar, o ministro afirmou que o pedido confunde-se com o mérito da impetração, que, neste juízo preliminar, exigiria o reexame de matéria fático-probatória – procedimento inviável em sede de habeas-corpus. Com o indeferimento da liminar, caberá, após o recesso forense, ao relator do caso, ministro Paulo Medina, da Sexta Turma, a análise do mérito do habeas-corpus ajuizado por R.A.S.

Matérias relacionadas

Universidade pode não renovar matrícula de estudante transferido

Entendendo presentes os requisitos que autorizam a concessão da medida, de vez que, já admitido o recurso especial e tendo em vista que a tese nele...

VW condenada a pagar indenização por danos morais durante 10 anos

Para os juízes da 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), a indenização por dano moral pode ser dividida em...

Vale-transporte insuficiente garante indenização

Para os juízes da 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o fornecimento insuficiente de vale-transporte configura falta...

Inconstitucional lei que permite contratação de psicólogos em Santo Augusto

O Órgão Especial do TJRS decidiu que é inconstitucional a Lei nº 1759/05, do Município de Santo Augusto, que autorizou o Poder Executivo a...

Mulher obtém direito a circular com seu cão em elevador de condomínio

Ainda que acolhidas por maioria ou totalidade dos moradores, regras condominiais não podem adquirir caráter incontestável. O entendimento,...

Mudança de apartamento sem anuência do fiador extingue obrigação

A troca de apartamento locado por outro no mesmo prédio, sem alteração do contrato de locação e de fiança prestada, livra o fiador das...

Chocolate com larvas motiva dano moral à consumidora

Chocolate contendo larvas incrustadas, detectadas quando consumidora iniciava a degustação, configura acidente de consumo por defeito do produto,...

Inconstitucional lei que determinava uso de papel sem cloro em Lajeado

Entendendo que a matéria é de iniciativa privativa do Prefeito Municipal por tratar da estrutura e atribuições dos órgãos da administração...

Disparo de alarme constrange compradores e motiva indenização

Por erro de funcionário de hipermercado, localizado no Município de São Leopoldo, que não retirou a etiqueta eletrônica de produto, compradores...

Esclarecida configuração do turno ininterrupto de revezamento

O sistema de turnos ininterruptos de revezamento pressupõe a atividade produtiva contínua da empresa. O esclarecimento coube à Primeira Turma do...

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade