Diciona

Tim não entrega celular, falta audiência, perde prazo e é condenada

Julgados - Direito do Consumidor - Segunda-feira, 29 de Agosto de 2005

A empresa de telefonia celular Tim foi condenada pelo 25º Juizado Especial Cível a pagar indenização no valor de R$ 10,4 mil ao sargento do Corpo de Bombeiros João Antônio Alves, de 52 anos.

Em dezembro de 2004, ele recebeu uma ligação do telemarketing de vendas da companhia e acertou a compra de um aparelho, que daria ao filho por conta dos festejos de final de ano. Porém, a entrega não foi feita na data marcada e, depois de um dia inteiro de espera, o então cliente teve que cancelar uma viagem com a família para Araruama.

A Tim chegou a fazer novas promessas de envio da mercadoria, e tudo não passou de falsa expectativa. No processo, João Antônio alegou ter sido vítima de propaganda enganosa, artifício que determina a existência de dano moral.

A decisão de punir a Tim e atender na íntegra a quantia pedida pelo autor da ação foi do juiz Flávio Silveira Quaresma, que levou em conta a revelia da empresa ao não designar advogado para a audiência de conciliação. “A parte autora faz jus ao reconhecimento de todos os pedidos feitos na petição inicial”, disse o magistrado, fazendo alusão ao descuido jurídico demonstrado pela companhia.

A Tim ainda tentou recorrer, contudo, infringiu o prazo legal que corre em cartório (que é de 10 dias, a contar do dia posterior à sentença). Em conseqüência disso, a 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do Rio extinguiu o processo, sem apreciação do mérito, por julgar o recurso intempestivo. “A publicação da sentença no Diário Oficial não reabre o prazo recursal, e serve apenas para dar ciência da decisão”, esclareceu o juiz Ricardo de Andrade Oliveira, da 2ª Turma.






Todos os direitos reservados

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização

Política de Privacidade | Editorial | Contato