Administradora condenada a indenizar por bomba em Estádio

Julgados - Dano Moral - Segunda-feira, 19 de setembro de 2005

A Administradora de Estádios de Minas Gerais (ADEMG) deve responder por danos decorrentes em jogos realizados nos estádios de futebol em Minas Gerais. Com esse entendimento, a Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) manteve sentença que determinou à ADEMG o pagamento de R$5.000,00 a Eduvaldo Tadeu de Paula, a título de danos morais. Ele foi atingido por uma bomba que explodiu no Estádio Magalhães Pinto (Mineirão) no dia 14 de novembro de 1998.

Eduvaldo de Paula relatou que trabalhava como balconista no bar 09, setor de cadeiras numeradas, na parte de baixo das arquibancadas, no jogo Cruzeiro Esporte Clube contra a Sociedade Esportiva Palmeiras, quando uma bomba explodiu e alguns estilhaços provocaram-lhe lesão na mão direita. Ele alega que a ADEMG tem o dever de indenizá-lo pelos danos sofridos.

A ADEMG argumentou que não participou dos fatos narrados por Eduvaldo de Paula, pois somente permite o uso do estádio através de contrato com a Federação Mineira de Futebol (FMF), com anuência dos clubes. Alega, ainda, que nos dias de jogos no Mineirão, a Polícia Militar se faz presente tanto no interior como fora das dependências do Estádio, coibindo qualquer tipo de ação criminosa, isentando-se, assim, de qualquer responsabilidade.

O relator do processo, desembargador Wander Marotta, entendeu que, como a ADEMG foi criada especificamente para administrar os estádios de futebol em Minas Gerais, deve desenvolver um plano de segurança especial em dias de jogos. “Assim, deve promover ações que inibam torcedores a entrarem no Estádio portando armas ou bombas”, relatou.

O desembargador, também, assinalou que, embora, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), e suas afiliadas, promovam os campeonatos, não cabe a elas administrar estádios futebol ou mesmo exercer vigilância sobre os torcedores, ou seja, zelar pela integridade física dos mesmos. O magistrado finalizou seu voto entendendo que não houve demonstração de que o acidente ocorreu em razão da deficiência dos trabalhos realizados pela Polícia Militar.

A sentença é do juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes, da 2ª Vara de Fazenda Pública e Autarquias da comarca de Belo Horizonte. Os desembargadores Belizário de Lacerda e Pinheiro Lago acompanharam o voto do relator, Wander Marotta, que negaram provimento ao recurso da ADEMG.

Matérias relacionadas

Farmácia de manipulação condenada por venda de medicamento trocado

A 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, condenou uma farmácia de manipulação e uma farmacêutica de Belo Horizonte, a...

Empresa de telefonia proibida de cobrar pulsos excedentes de consumidora

A 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou liminar que impede uma empresa de telefonia fixa de cobrar pulsos excedentes...

Factorings não podem emprestar dinheiro a juros

A 3ª Câmara de Direito Comercial do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em decisão unânime, decretou de ofício a extinção de mais três...

Companhia aérea deve indenizar passageiro por extravio de bagagem

A South African Airways terá que pagar indenização de R$ 10.400,00, a título de dano moral, a Sunny Sele por ter extraviado a sua bagagem quando...

Nome no Serasa custa R$15 mil à administradora de cartões

A Fininvest S/A Administradora de Cartões terá que pagar uma indenização por danos morais de 50 salários mínimos (R$15 mil) a Henrique Domingos...

Número de cursos de direito aumenta 300% em dez anos

Na última década, o Brasil assistiu a uma verdadeira explosão no ensino de direito que atingiu todas as regiões do país. A expansão desenfreada...

Garantida incidência de adicionais em horas extras

A remuneração das horas extraordinárias (serviço suplementar) é composta do valor da hora normal, integrado por parcelas de natureza salarial e...

Anulada cláusula de dissídio que discrimina menores de 18 anos

A Seção de Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho anulou cláusulas de acordo coletivo 1996/1997 homologado entre sindicatos...

Inválida cláusula que condicionava direito de empregada gestante

A Seção de Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho anulou os efeitos de cláusula de acordo coletivo assinado entre...

Mantida decisão que validou claúsulas contestadas pela Fiesp

A Seção de Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho manteve a decisão regional que aplicou cláusulas da Convenção Coletiva...

Temas relacionados

Julgados

Dano Moral

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade