Acusado de matar modelo será julgado por júri popular em Minas Gerais

Julgados - Direito Penal - Quinta-feira, 13 de outubro de 2005

O juiz sumariante do I Primeiro Tribunal do Júri de Minas Gerais, Nelson Missias de Morais, pronunciou hoje, 13 de outubro de 2005, o detetive particular acusado de matar a modelo Cristiana Aparecida Ferreira. A modelo foi encontrada morta no quarto do hotel “San Francisco Flat Service”, em 6 de agosto de 2000.

O Ministério Público reabriu as investigações sobre as circunstâncias, a pedido da família que desconfiou do inquérito que apontava suicídio. Foi realizada nova perícia no corpo da modelo pelo Dr. Roberto Pereira Campos, dia 19 de dezembro de 2002, que apontou homicídio. Depois de investigar diversas autoridades políticas, os promotores denunciaram o detetive particular Reinaldo Pacífico, ex-namorado de Cristiana, como autor do crime de assassinato por asfixia e envenenamento, além de agressão física.

O juiz Nelson Missias pronunciou o réu pelos termos integrais da denúncia, que pede a condenação pelo crime previsto no artigo 121, § 2º, incisos I e III do Código Penal Brasileiro, ou seja, homicídio qualificado, por motivo torpe e emprego de veneno.

De acordo com a denúncia, o motivo do crime teria sido o ciúme do detetive, “que não suportava mais os diversos casos amorosos que ela vinha mantendo com outros homens”. Durante a denúncia foram ouvidas 12 testemunhas de acusação e cinco de defesa.

O juiz citou em sua decisão trechos dos depoimentos do próprio réu e de seis testemunhas, entre estas, um imão e uma irmã da vítima. Destes depoimentos, destacou a confissão do réu de que teve “problemas” com a modelo, embora tenha atribuído isso aos ciúmes da vítima. Também citou declaração de uma camareira confirmando os encontros com algumas autoridades e também a presença do detetive e ex-namorado, acusado de ser o autor do crime.

A defesa pediu a absolvição sumária do réu, fundamentando o pedido com argumentos de impronúncia. Mas o juiz baseou-se no Auto de Corpo de Delito, Necropsia e reexumação do corpo para pronunciar o réu. Ele citou o artigo 408 do Código de Processo Penal. Esse prevê que “se o juiz se convencer da existência do crime e de indícios de que o réu seja o seu autor, pronunciá-lo-á, dando os motivos de seu convencimento”.

O juiz concedeu ao pronunciado o direito de recorrer em liberdade, uma vez que, “por ora, não subsistem os pressupostos ensejadores da decretação da sua prisão preventiva”. Ele abriu vistas ao processo para o Ministério público, que tem cinco dias para se manifestar. Em seguida o réu será intimado da sentença de pronúncia e também terá cinco dias para recorrer da decisão. Encerrada a fase de recurso, o Ministério público apresenta o Libelo Acusatório, que é a exposição escrita do fato a ser apresentada no Júri, e em seguida o juiz marcará a data do julgamento.

Matérias relacionadas

Fluminense terá que estampar marca ´Estação do Corpo` em uniformes

O juiz da 40ª Vara Cível do Rio, Alexandre de Carvalho Mesquita, julgou procedente o pedido da Sport e Lazer IV Centenário e da Docas...

Em festa sem objetivo de lucro, prefeitura não precisa para direitos autorais

Não cabe cobrança de direitos autorais pelo Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) contra municípios por causa de...

Empresa com sócio devedor em outra firma tem direito à Certidão Negativa

É descabida a recusa de fornecimento da Certidão Negativa de Débito (CND) a uma empresa sob o fundamento de que um de seus sócios é integrante...

Banco não é responsável por duplicata emitida indevidamente por empresa

O Banco não pode ser responsabilizado por duplicata emitida indevidamente por empresa, em caso de endosso-mandato. Com esse entendimento a Quarta...

Processo de médico denunciado por esquartejar ex-amante remetido ao MPF

O ministro Gilson Dipp, da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), encaminhou ao Ministério Público Federal, para parecer, os autos do...

Empregado de usina de cana-de-açúcar é rurícola

O fator determinante para qualificar o trabalhador como rurícola ou como empregado urbano é a atividade econômica preponderante desenvolvida pela...

Rejeita renúncia tácita ao direito de estabilidade no emprego

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou a aplicação de renúncia tácita à estabilidade no caso em que a trabalhadora, ao ser...

Confirmado direito de empregado público a verbas trabalhistas

Os direitos devidos ao trabalhador comum se estendem ao empregado púbico contratado para o exercício de função de confiança, sob o regime da...

Aposentadoria por invalidez afasta prescrição total de direito

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou pedido das Indústrias Gessy Lever Ltda para ser absolvida do pagamento de indenização por...

Morte causada por fio de alta tensão obriga companhia a indenizar

Por negligência e omissão, a CEEE (Companhia Estadual de Energia Elétrica) terá de indenizar filho de homem morto por choque elétrico. O...

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade