Redução do valor de indenização não caracteriza sucumbência recíproca

Julgados - Direito Processual Civil - Quarta-feira, 19 de outubro de 2005

A redução do valor a ser indenizado, por danos morais, não enseja a aplicação do artigo 21, caput, do Código de Processo Civil – "Se cada litigante for em parte vencedor e vencido, serão recíproca e proporcionalmente distribuídos e compensados entre eles os honorários e as despesas" –, dado que o valor é apenas estimativo, não estando o magistrado a ele vinculado. A conclusão é da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça, ao dar parcial provimento a recurso do Banco do Brasil, para reduzir o valor da indenização por danos morais para R$ 15 mil a ser pago à microempresária Vera Lúcia da Silveira, de Santa Catarina, por protesto indevido de títulos.

A microempresária entrou na Justiça, alegando prejuízos de ordem moral com o protestou indevido, o que lhe daria direito à indenização. Em primeira instância, o pedido foi julgado parcialmente procedente para condenar o banco ao pagamento de indenização equivalente a 400 salários mínimos.

Ao julgar as apelações, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina manteve a condenação, mas reformou a sentença para reduzir o valor a 200 salários mínimos. "Tem a pessoa jurídica o direito de ser indenizada por abalo sofrido em razão de protesto indevido de título já pago, maculando seu bom nome no comércio, o que acaba por restringir seu crédito perante os fornecedores, dificultando, inclusive, o seu funcionamento regular no mercado", considerou o TJSC.

No recurso especial dirigido ao STJ, o banco alegou ser excessivo o valor arbitrado a título de indenização por danos morais. Sustentou, ainda, que o valor pedido para indenização foi determinado e, portanto, o deferimento a menor do montante da indenização implica em sucumbência recíproca, isto é cada parte paga as suas despesas, como previsto no artigo 21, caput, do Código de Processo Civil.

O recurso do banco foi parcialmente provido. "Esta Corte, consoante entendimento pacífico, tem admitido a alteração do valor indenizatório de danos morais, para ajustá-lo aos limites do razoável, quando patente, como sucede na espécie, a sua desmesura", observou o ministro Fernando Gonçalves, relator do processo, ao dar parcial provimento para reduzir o valor.

"Tem sido de cinqüenta salários mínimos a indenização por danos morais, resultante de situações semelhantes como a inscrição inadvertida em cadastros de inadimplentes, a devolução indevida de cheques, o protesto incabível de cambiais, etc, conforme precedentes desta Corte", acrescentou o relator.

A sucumbência recíproca pedida pelo banco, no entanto, não foi reconhecida. Segundo o relator, o acolhimento a menor do montante indenizatório, pedido a título de danos morais, não enseja a aplicação do art. 21, caput, do CPC "Sendo meramente estimativo o valor da indenização pleiteada na peça vestibular, não há falar em sucumbência parcial se a condenação fixada na sentença tiver sido inferior àquele montante", completou o ministro Fernando Gonçalves.

Matérias relacionadas

É possível revogar suspensão do processo após fim do período de prova

É possível a revogação da suspensão condicional do processo, ainda que a Justiça só tome conhecimento da falta cometida após o fim do...

Condenado por tráfico pode aguardar em liberdade o julgamento de recursos

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria de votos, concedeu habeas-corpus a veterinário condenado a três anos de...

Mantida citação de empresa brasileira em ação ajuizada na Inglaterra

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão do presidente, ministro Edson Vidigal, que determinou a citação de uma...

Número pequeno de empregados não impede ação civil pública

O Ministério Público, por meio das Procuradorias Regionais do Trabalho, detém legitimidade para ajuizar ação civil pública visando à tutela...

Mantido enquadramento de empregado da Asbace como bancário

O empregado de empresa de processamento de dados que presta serviços a banco integrante do mesmo grupo econômico deve ser enquadrado como...

Feriado regional tem de ser comprovado para efeito de prazo

A ocorrência de feriado regional que justifique a prorrogação de prazo para a interposição de recurso deve ser comprovada pela parte recorrente....

Afastada alegação de nulidade em favor de celeridade processual

Os princípios constitucionais do processo e das regras jurídicas devem ser analisados de maneira harmônica e a nulidade processual deve ser...

Município deve indenizar pedestre por queda em calçada mal-conservada

O Município tem obrigação de conservar em condições de segurança ruas, calçadas e logradouros públicos. Por não zelar pelas boas condições...

Decisão declara ilegal cobrança de assinatura mensal em tarifa telefônica

Um usuário de linha telefônica deverá receber todo o montante pago correspondente às cobranças realizadas a título de assinatura mensal no...

Justiça acata pedido de empresária para mudança de nome

A empresária Ariadne da Cunha Lima conseguiu, na Justiça, mudar seu nome para Ariadne Coelho. Ela entrou com ação, argumentando que era mais...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade