É inadmissível dispensa de testemunhas mesmo após pena de confissão

Julgados - Direito Processual Civil - Quinta-feira, 20 de outubro de 2005

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão que anulou o processo, movido por Hermínia Ribas e outros contra Antônio Henrique Ribas e sua esposa, desde a audiência de instrução e julgamento para prestar depoimento pessoal, de modo a permitir produção de prova.

No caso, Ribas e sua mulher Maria Thereza Braga Ribas interpuseram agravo de instrumento contra decisão que, na ação de reintegração de posse movida por José Herculano e outros, diante do seu não-comparecimento à audiência de instrução e julgamento para prestar depoimento pessoal, aplicou-lhes a pena de confesso e declarou encerrada a instrução do feito, dispensando a oitiva das testemunhas.

O Primeiro Tribunal de Alçada Civil de São Paulo, à unanimidade, deu provimento ao agravo para anular o processo desde a indigitada audiência, de modo a permitir a produção da prova tempestivamente requerida. Segundo a decisão do Tribunal, "a parte, intimada a prestar depoimento pessoal, não está obrigada ao comparecimento em Juízo diverso daquele de seu domicílio. Ademais, a pena aplicada gera tão-só a confissão provisória, a ser sopesada com o quadro probatório. Por isso que inadmissível era a dispensada da oitiva das testemunhas arroladas".

No recurso especial, Hermínia Ribas, o espólio de Manoel Ribas, Antônio Ferreira Ribas, Ednéa Ribas, Maria José Ribas Biziak, José Biziak Neto, Maria Cândida Ribas e outros sustentaram que o depoimento pessoal deve ser prestado perante o Juiz da causa, ainda que os depoentes residam em comarca diversa. De outro lado, afirmaram que a pena de confissão gera a presunção absoluta em relação aos fatos da causa, de tal modo que ao Juiz é permitido dispensar as demais provas.

O relator do processo, ministro Barros Monteiro, destacou que, segundo a jurisprudência dominante, intimada a parte a prestar depoimento pessoal e residindo ela em outra comarca, não se acha obrigada a deslocar-se para comparecer perante o juiz da causa.

Quanto à dispensa da oitiva das testemunhas arroladas, o ministro ressaltou que se mostrou prematura a decisão do juiz de Direito da Comarca de Getulina (SP) ao determinar o encerramento, desde logo, da instrução processual, com a dispensa das testemunhas.

"Ainda que admissível fosse a pena de confissão no caso, não induz ela uma presunção absoluta, como estão a defender os ora recursantes. A presunção estabelecida em lei é, destarte, juris tantum; vale dizer, pode ceder aos demais elementos probatórios coligidos nos autos", disse o relator.

Matérias relacionadas

Circuito de televisão não torna furto em supermercado crime impossível

A existência de circuito fechado de televisão para vigilância eletrônica em supermercado não torna a prática de furto crime impossível, ou...

Homem de 82 anos condenado por crime de atentado violento ao pudor

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu a consumação do crime de atentado violento ao pudor praticado por um homem de 82 anos na cidade de...

Motorista de ônibus indenizará idoso que teve que descer em local impróprio

Passageiro idoso receberá R$ 5 mil de indenização por danos morais de empresa de transporte coletivo que, trafegando indevidamente pela pista...

Associação de consumidores pode ingressar com ação civil pública

A Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, da Vida e dos Direitos Civis (Adcon) obteve o reconhecimento de seu direito de contestar, em...

Multa por atraso na rescisão não comporta proporcionalidade

A multa prevista na Consolidação das Leis do Trabalho para penalizar o empregador pelo atraso no pagamento das verbas rescisórias equivale a um...

Vale do Rio Doce pagará hora extra por supressão de intervalo

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho garantiu a um grupo de ex-funcionários da Companhia Vale do Rio Doce o direito de receber como...

Falta de comunicação não afasta direito de gestante

A ausência da comunicação de gravidez à empresa não pode impedir que a empregada usufrua o direito à estabilidade provisória da gestante,...

Concorrência com empresa leva à justa causa do empregado

O empregado que passa a concorrer com seu empregador está sujeito à demissão por justa causa, conforme previsão específica de dispositivo legal...

Pai que matou criança também responde por crime de Tóxicos

O juiz da 1ª Vara de Tóxicos, em Minas Gerais, José Osvaldo Corrêa Furtado de Mendonça, ouve amanhã o auxiliar de serviços gerais, Reginaldo...

´Gato` em medidor de energia leva ex-locatário a indenizar locador

A 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um ex-locatário a ressarcir ao locador uma dívida junto à CEMIG –...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade