Turma Recursal garante fim de venda casada em Minas Gerais

Julgados - Direito do Consumidor - Quinta-feira, 20 de outubro de 2005

A Quarta Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis de Belo Horizonte, em decisão inédita, garantiu a um consumidor a anulação do contrato de serviço de TV a cabo, que havia sido assinado conjuntamente com o de serviço de acesso à internet banda larga. A decisão da Quarta Câmara deu provimento ao recurso interposto contra decisão do Juizado Especial Cível, que havia mantido o contrato entre o consumidor e a provedora.

Na decisão do juiz de primeiro grau, prevaleceu o argumento da provedora de que a Resolução Anatel nº 190 de 1999 “condiciona” o serviço de acesso à internet ao serviço de TV a Cabo, quando estipula em seu artigo 6º que, “a prestadora de serviços de comunicação de massa por assinatura somente pode tornar disponível o acesso a serviços de valor adicionado, através de sua rede, a terminais de seus assinantes”.

Mas, na interpretação do juiz relator, Marcelo Guimarães Rodrigues, seguida pelos demais componentes da Quarta Turma Recursal, tal norma só é válida para serviços de mesma natureza, ou seja, no caso da contratação de serviços de tv a cabo, são adicionais serviços como “pay-per-view”, shows, canais eróticos, entre outros, e não o de transmissão de dados.

De acordo com a decisão da turma recursal, para transmissão de dados, serviço de interesse do consumidor, seriam considerados de valor adicionado os serviços prestados pelos provedores de acesso a internet.

O juiz relator considerou inadmissível que “para prestação do serviço de comunicação de dados para acesso à internet, seja necessária a aquisição do serviço de TV a cabo, pois há nítida afronta à legislação consumerista”. O voto condutor, proferido pelo Juiz Marcelo Guimarães Rodrigues, lembra que o artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor, inciso I, “veda a prestação de um serviço, à contratação de outro serviço, resultando na chamada venda casada, terminantemente proibida pela legislação em questão”.


A Quarta Câmara Recursal deu provimento ao recurso, declarando nula a relação contratual referente ao serviço de tv a cabo e mantendo o serviço de acesso a internet. Determinou ainda que seja descontado o valor do serviço anulado das próximas faturas, sob pena de multa diária de R$ 200,00. Além disso, condenou a empresa a restituir em dobro as parcelas pagas desde a data da contratação, referentes ao serviço de TV a cabo.

Matérias relacionadas

Família que recebeu diagnóstico errado de Aids será indenizada

O Município de Nova Friburgo terá de pagar uma indenização, por danos morais, de R$ 20 mil a um casal que recebeu um diagnóstico errado de Aids....

Justiça condena concessionária por não efetuar a transferência de veículo

A 17ª Vara Cível do Rio de Janeiro condenou a Simcauto – Mecânica e Representações, concessionária da Chevrolet, a pagar R$ 30 mil de...

Flagrante baseado em grampo telefônico é ilegal

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em decisão unânime, concedeu habeas corpus em favor do empreiteiro Jair Gregório...

´Caddie` não é empregado de clube de golfe

Para a 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, o caddie – carregador de tacos de golfe – que não sofre controle de horário...

Mantida indenização de empresa de transportes a vítima de acidente

Mantida a indenização por danos morais e estéticos que a empresa de transporte coletivo terá de pagar a passageiro ferido em acidente com um dos...

Auxiliar de farmácia não pode assumir responsabilidade técnica por drogaria

O auxiliar de farmácia não é habilitado para assumir a responsabilidade técnica por drogaria. O entendimento unânime é da Segunda Turma do...

Dano moral e patrimonial são cumuláveis, mesmo para fato anterior à CF/88

Três filhos de uma vítima morta em acidente de trânsito ocorrido em 1987 conseguiram reformar decisão de segunda instância da Justiça de São...

Prescrição para recusa de seguradora a pagar indenização é de um ano

Em caso de recusa de seguradora ao pagamento da indenização contratada, o prazo prescricional para entrar na Justiça contra a empresa é de um...

Espólio indenizará jurista por dano moral devido à ofensas pela imprensa

O espólio do falecido ministro Sérgio Mota terá que pagar indenização por danos morais causados ao professor e jurista Celso Antonio Bandeira de...

Estabilidade de dirigente de cooperativa é direito irrenunciável

A ausência de ressalvas por parte do trabalhador na assinatura da quitação das verbas rescisórias não implica a renúncia tácita ao direito à...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Consumidor

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade