Ex-prefeito será julgado na Justiça Federal por superfaturar merenda escolar

Julgados - Direito Penal - Segunda-feira, 24 de outubro de 2005

O processo contra o ex-prefeito de Curitiba (PR) Cássio Taniguchi que investiga suposto superfaturamento em licitação de merenda escolar será julgado pela Justiça Federal. A decisão é da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que atendeu a pedido formulado pela defesa do ex-prefeito em um habeas-corpus. No entendimento do relator, ministro Paulo Gallotti, presidente da Sexta Turma, Taniguchi não poderia ser julgado pela Justiça estadual, porque se trata de delito praticado, em tese, em prejuízo de bens de uma autarquia federal, já que parte dos recursos utilizados era de convênio com o Ministério da Educação.

A fraude teria ocorrido em 2000, quando Taniguchi exercia o cargo de prefeito da capital paranaense. Ele homologou a Concorrência Pública nº 12/2000, que declarou vencedora a empresa Risotolândia Indústria e Comércio de Alimentos, pertencentes aos também denunciados Carlos Antonio Gusso e Aroni Grassi Gusso. O objeto da concorrência era o fornecimento de refeições para a rede municipal de ensino. O contrato entre a prefeitura e a empresa foi assinado no dia 15 de junho de 2000.

Ocorre que a concorrência foi impugnada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) porque haveria irregularidades na aquisição de merenda escolar, paga com recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar, do Ministério da Educação. A denúncia contra o ex-prefeito afirma que Taniguchi, previamente combinado com os donos da Risotolândia, frustrou o caráter competitivo da licitação, direcionando a concorrência para ser vencida por tal empresa, prejudicando o erário.

O desvio pela fraude somaria, segundo a denúncia, R$ 3 milhões, resultantes do superfaturamento do contrato de dois anos. O edital não previu, propositadamente, o parcelamento das compras, afastando eventuais fornecedores de menor porte, exigindo atestado de capacidade técnica acima de 25 mil refeições diárias, número exorbitante para o MP.

Ao receber a denúncia, o Tribunal de Justiça da Paraná (TJ/PR) considerou a Justiça Estadual competente para o julgamento de casos em que a verba decorrente de convênio já está incorporada ao patrimônio municipal, o que seria o caso.

A defesa do ex-prefeito ingressou com habeas-corpus para que o STJ declarasse a incompetência do TJ/PR para o processamento de Taniguchi, reivindicando que os autos fossem remetidos para o Tribunal Regional Federal, já que em diversas passagens da inicial há referência de que a verba para a licitação foi repassada por meio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), sendo portanto federal. E mais: para a defesa, a verba não se incorpora ao patrimônio do município, porque representa valor carimbado, ou seja, com destinação específica .

Esse aspecto atraiu a concordância do relator do habeas-corpus. O ministro Paulo Gallotti ressaltou que não se pode falar em incorporação das verbas federais ao patrimônio do município visto que as irregularidades foram impugnadas no TCU, que, aliás, determinou ao FNDE as providências quanto ao indício de superfaturamento.

O relator já havia concedido liminar para suspender o interrogatório de Taniguchi até que o mérito do habeas-corpus fosse decidido. Os autos seguem, agora, para o TRF da 4ª Região. O entendimento foi unânime entre os ministros da Sexta Turma.

Matérias relacionadas

Empresa deve pagar danos morais à família de vítima atropelada em ponte

A Rio Ita Ltda. terá de pagar indenização por danos morais à mãe e à irmã de uma vítima atropelada por um motorista da empresa na ponte Rio...

Rio de Janeiro condenado por danos morais causados por reboque

O município do Rio de Janeiro pagará danos morais a motorista que teve seu carro rebocado mesmo estando estacionado regularmente. A decisão é da...

Queixa é necessária para ação penal em crime de trânsito

Está suspenso devido a pedido de vista o julgamento na Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de um recurso em habeas-corpus em que se...

Assegurada reintegração a servidor municipal concursado

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho garantiu a um servidor público municipal regido pela CLT e aprovado em concurso público o direito...

Adesão à PDV não afasta direito sobre verbas não descritas

A adesão do trabalhador a programa de incentivo à demissão voluntária (PDV) que prevê, de forma genérica, a quitação total do contrato de...

Consulado do Japão não tem imunidade de jurisdição

A apreciação de ação trabalhista envolvendo ente de direito público externo está inserida na competência da Justiça do Trabalho, e a...

Flexibilização não pode suprimir direito trabalhista

A possibilidade dos acordos e convenções coletivas levar à redução de determinado direito trabalhista, em troca de outras vantagens, não...

Concessionária pode recuperar consumo por fraude no medidor de energia

A 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul decidiu que, havendo fraude comprovada em medidor de energia elétrica, poderá a...

Brasil Telecom terá que fornecer endereço IP de cliente para identificar e-mail

Em decisão unânime da 1ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, a Brasil Telecom foi obrigada a fornecer o IP – Internet...

Vida conjugal sob o mesmo teto invalida pensão alimentícia

A 2ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em matéria sob relatoria do Desembargador Monteiro Rocha, julgou...

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade