É possível prisão por porte ilegal de arma antes da vigência do Estatuto

Julgados - Direito Penal - Domingo, 30 de outubro de 2005

O porte ilegal de arma não deixou de ser fato tipificado criminalmente, mesmo durante o período entre a publicação e a entrada em vigor do Estatuto do Desarmamento. A decisão, da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ainda, considerou prejudicado o habeas-corpus concedido pelo Tribunal de Justiça do Mato Grosso, porque foi impetrado via fax e não teve o original juntado em tempo hábil.

O ministro José Arnaldo da Fonseca adotou o parecer do Ministério Público Federal (MPF), que considerou não estar anistiado o crime de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido em razão da "vacatio legis" trazida pela Lei n. 10.826/03 (Estatuto do Desarmamento). Para o MPF, a ação penal não deveria ser trancada porque o acusado não só portava a arma municiada como, bêbado, efetuou disparos contra uma leitoa próxima ao bar onde estava. Quanto ao habeas-corpus impetrado via fax, o MPF afirmou não ter sido respeitado o prazo previsto na Lei n. 9.800/99, o que impediria o conhecimento do pedido.

O relator também citou jurisprudência do STJ no mesmo sentido. O acórdão, relatado pelo ministro Gilson Dipp, afirma que "a conduta de portar arma de fogo, com efeito, não se inclui na ‘abolitio criminis’ temporária. Assim, o agente que for surpreendido portando arma de fogo, sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar, incorre nas sanções dos artigos 14 ou 16 do Estatuto do Desarmamento".

Matérias relacionadas

Médico fisiatra não é responsável por não diagnosticar doença grave

A prestação de serviços médicos é de responsabilidade objetiva dos hospitais. Com esse entendimento, a Terceira Turma do Superior Tribunal de...

TST admite flexibilização da multa do FGTS e aviso prévio

A Seção de Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho assegurou a validade de cláusula de convenção coletiva que previu a...

Aviso prévio de 60 dias conta como tempo de serviço de ferroviário

O Tribunal Superior do Trabalho confirmou a inclusão do aviso prévio de sessenta dias, previsto em norma coletiva, na contagem do tempo de serviço...

Elevada indenização à mulher por revista íntima no emprego

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a decisão regional que fixou valores diferentes de indenização por danos morais em razão...

Associação beneficente é obrigada a pagar prêmio de bingo

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um abrigo de Juiz de Fora, que promoveu um bingo em suas dependências, e o...

Financeira indeniza cliente por cobrança abusiva

A 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma companhia de crédito e financiamento a devolver, em dobro, a um...

Jornal é condenado a pagar 50 mil por reportagem veiculada sem autorização

A juíza Vanessa de Oliveira Cavalieri Felix, da 17ª Vara Cível da Capital, condenou ontem (dia 25 de outubro) o jornal O Dia (que é representado...

SuperVia é condenada a indenizar marido que perdeu esposa atropelada por trem

A SuperVia Concessionária de Transportes Ferroviários foi condenada pela 33ª Vara Cível do Rio a pagar uma indenização de R$ 75 mil por danos...

Empresa de ônibus terá que indenizar passageira por acidente

A juíza da 17ª Vara Cível do Rio, Vanessa Cavalieri, condenou a Transportes Amigos Unidos a pagar indenização de R$ 54.500,00 a Kazuy Batista da...

Banco ABN terá que pagar indenização por saques indevidos

A juíza da 42ª Vara Cível do Rio, Maria Helena Machado, condenou o Banco ABN AMRO Real S/A a pagar R$ 8.136,99 a Emerson Gomes da Silva. Em 31 de...

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade