É impossível acordo em processo sobre transposição de cargos públicos

Julgados - Direito Administrativo - Segunda-feira, 7 de novembro de 2005

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido de técnicos de Cadastro Rural do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) para que fosse autorizada a transformação de seus cargos no de técnicos de Cadastro e Tributação Rural e oportunizada audiência para eventual acordo sobre o processo. O recurso pretendia ainda a anulação do concurso para preenchimento da nova carreira criada.

Para os recorrentes, o juiz de primeiro grau e o Tribunal Regional Federal da 5a Região (TRF-5) teriam violado o artigo 331 do Código de Processo Civil ["Se não ocorrer qualquer das hipóteses previstas nas seções precedentes e versar a causa sobre direitos que admitam transação, o juiz designará audiência preliminar, a realizar-se no prazo de 30 (trinta) dias, para a qual serão as partes intimadas a comparecer, podendo fazer-se representar por procurador ou preposto, com poderes para transigir."]. Eles apresentaram decisões judiciais que reconheceriam a legalidade dos institutos de transposição e ascensão por força de leis anteriores à Constituição Federal de 1988.

Sustentaram que o juiz, após despachar no sentido de julgamento antecipado do processo, tornou sem efeito o ato e marcou audiência de instrução e julgamento, resultando em prejuízo a eles, pois não foram notificados da realização do ato a que compareceriam e não foram ouvidos os depoimentos de todos os envolvidos.

O ministro José Arnaldo da Fonseca considerou que o pedido dos servidores de serem transpostos para outros cargos públicos, "a toda evidência", não é matéria sujeita a acordo ou conciliação em virtude da legalidade estrita que restringe a atuação administrativa. Além disso, tal pedido não envolve a apreciação de fatos controversos a serem esclarecidos por meio de depoimentos, mas questão exclusivamente de direito. "Na verdade, a audiência constituiu uma superfetação, sem qualquer prejuízo às partes", afirmou.

"A par da exposição dos fatos feitos no recurso, não foi elencado um dispositivo da legislação federal que teria sido ofendido. A satisfação do juízo de prelibação do Recurso Especial passa pela demonstração clara e específica do dispositivo de Lei Federal que teria sido afrontado, não sendo suficiente a demonstração do quadro jurídico que, segundo se alega, seria ilegítimo ou violaria a ordem normativa como um todo", completou o relator.

Além disso, a questão posta pelos recorrentes tem caráter constitucional, na medida em que se proíbe a transposição de agentes públicos para cargos de carreira diversa com fundamento no artigo 37 da Constituição, o que veda sua apreciação no âmbito do STJ.

Matérias relacionadas

Multa administrativa prescreve em cinco anos, e não em vinte

O Estado do Rio de Janeiro não conseguiu, no Superior Tribunal de Justiça, reverter a decisão do Tribunal de Justiça (TJ/RJ) daquele estado que...

TST pune empresa por recursos protelatórios

A Subseção de Dissídios Individuais – 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho determinou a incidência de duas multas sobre uma empresa...

Rejeitada prorrogação do prazo de recurso motivada por acidente

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve decisão da segunda instância que julgou intempestivo recurso apresentado fora do prazo...

Unisul condenada por conceder férias sem pagar adiantamento

A Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) foi condenada a pagar férias em dobro a um ex-empregado que usufruiu o período de descanso mas...

Defeito em veículo determina redução no preço e dano moral

Consumidora tem direito ao abatimento proporcional do preço de veículo defeituoso e ressarcimento por dano moral. Ela comprou um Ford Focus 1.8 L...

Fabricante de cachaça ganha direito de usar a marca Havana

Fabricante de aguardente da cidade de Salinas, em Minas Gerais, conseguiu uma tutela antecipada que garante o direito de continuar a utilizar a marca...

Estado condenado por morte em blitz da polícia

A Oitava Câmara Cível do Tribunal de Justiça condenou o Estado de Minas Gerais a indenizar em R$ 30.000,00 os parentes do pedreiro M.V., morto...

Vigilante desarmado não é obrigado a trabalhar em local perigoso

Embora o risco seja inerente à atividade do vigilante, sua designação para trabalhar em local de risco sem a garantia mínima de segurança...

Hospital condenado a indenizar mãe de bebê seqüestrado

A 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio condenou a Santa Casa da Misericórdia de Barra Mansa a pagar indenização de R$ 15 mil a Renata...

Auxílio-combustível não se estende aos proventos de servidor inativo

O auxílio-combustível possui natureza temporária e "pro labore", sendo incabível, portanto, sua extensão aos inativos. Com esse entendimento, a...

Temas relacionados

Julgados

Direito Administrativo

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade