MercadoLivre.com processado por venda de produtos falsificados

Julgados - Direito Processual Civil - Quinta-feira, 24 de novembro de 2005

A MercadoLivre.com Atividades de Internet, responsável pelo site de leilões de mesmo nome, não conseguiu levar ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a apreciação de recurso especial contra decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) em ação que tenta impedir a venda de produtos falsificados por meio do site. A decisão monocrática que negou provimento ao agravo de instrumento é do ministro Castro Filho, da Terceira Turma do STJ.

Na origem, a MercadoLivre alegava a incompetência do juízo em que tramitava a medida cautelar proposta pela autora, a QIX Skateboards Indústria e Comércio, detentora da marca "Mary Jane", para impedir a veiculação de anúncios de produtos supostamente falsificados da marca no site www.mercadolivre.com.br

A ação foi proposta em Novo Hamburgo (RS), sede da QIX. Citada, a MercadoLivre alegou ser a competência da Justiça paulista, em cuja capital fica a sede de sua empresa. Para o juízo de primeiro grau, no entanto, a competência, "nas ações de reparação de dano sofrido em razão de delito ou acidente de veículos, será competente o foro do domicílio do autor ou do local do fato", o que o levou a julgar improcedente a exceção de competência levantada pela MercadoLivre.

A empresa recorreu ao TJ-RS alegando a inconstitucionalidade do critério do domicílio do autor adotado e a impossibilidade de adoção do local do fato como critério de fixação da competência. O tribunal local, em decisão monocrática, negou seguimento ao recurso. A MercadoLivre interpôs então embargos de declaração, sustentando omissão na decisão ante a ignoração do argumento de inconstitucionalidade do fundamento da decisão. Os embargos não foram admitidos, afirmando que "o Órgão Colegiado não está obrigado a esquadrinhar todos os argumentos esgrimidos pelas partes".

A MercadoLivre recorreu novamente, pretendendo levar ao STJ o recurso especial. A pretensão foi novamente indeferida pelo tribunal local, levando a empresa a apresentar agravo de instrumento ao próprio STJ. O site de leilões sustenta a existência de omissão na decisão combatida, que teria deixado de apreciar a tese de inconstitucionalidade do artigo 100 do CPC.

O ministro Castro Filho entendeu correta a decisão do tribunal gaúcho. "É de se salientar que, tendo encontrado motivação suficiente para fundar a decisão, não fica o órgão julgador obrigado a responder, um a um, os questionamentos suscitados pelas partes, mormente se notório seu caráter de infringência do julgado", afirmou o relator.

Matérias relacionadas

Toda atividade no setor de geração de energia elétrica tem periculosidade

O trabalhador que exerce atividade no setor de geração de energia elétrica tem direito ao adicional de periculosidade, independentemente do cargo,...

TST já admite honorários a sindicato que substitui empregado

A Subseção de Dissídios Individuais 1 (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu, por maioria, o direito do sindicato que atua como...

Passageira será indenizada por cancelamento de vôo

A 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma companhia aérea e uma agência de turismo a indenizarem, por danos morais...

Mantida ação contra demolição de imóveis por igreja

Foi negado o pedido de habeas corpus de Igreja Evangélica de BH e de J.B.M.S, para trancar a ação penal, em que eles são acusados de crimes...

Homem perde os braços em acidente e recebe indenização da Supervia

A 38ª Vara Cível do Rio de Janeiro condenou a Supervia a indenizar Cristiano Costa da Silva, que perdeu os dois braços em um acidente, tendo que...

Passageiro que viajou em poltrona quebrada será indenizado

A empresa de aviação TAP Air Portugal foi condenada a pagar uma indenização de R$ 3 mil a um passageiro que foi obrigado a viajar do Brasil a...

Mulher projetada para fora de ônibus deve ser indenizada

Cliente de empresa de transporte coletivo que sofreu fratura no pé ao ser projetada para fora de ônibus há de ser indenizada. Configurada a...

Concessionária é condenada por negligência na revisão de automóvel

A Concessionária Fox Veículos Ltda. foi responsabilizada por negligência na revisão de automóvel. Ela não informou ao proprietário sobre...

Problema na coluna dá direito a indenização "vitalícia"

A empresa que deixa de cumprir regras básicas de segurança e medicina do trabalho, submetendo o empregado a atividades pesadas em posições...

Justiça do Trabalho proíbe hospital de contratar mão-de-obra por cooperativa

O juiz Roberto Vieira de Almeida Rezende, titular da 5ª Vara do Trabalho de Santos (SP), concedeu liminar em Ação Civil Pública ajuizada pelo...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade