Materiais fornecidos pelo prestador de serviço não estão sujeitos a ISS

Julgados - Direito Tributário - Quarta-feira, 7 de dezembro de 2005

Em obras hidráulicas e semelhantes, bem como na conservação e reparação de edifícios, estradas e pontes, em hipótese alguma o material fornecido pelo prestador de serviço se sujeita ao Imposto sobre Serviços (ISS), de competência municipal. E, tratando-se de material de produção própria, fornecidos pelo prestador juntamente com o serviço, recai sobre eles o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), de âmbito estadual.

O entendimento é da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, em caráter unânime, e concede provimento ao apelo de Mega Sul Concretos em ação contra o Município de Linha Nova. A empresa ergueu prédio destinado a comportar a Prefeitura local.

Concedida, em 1º Grau, pela Comarca de Feliz, a cobrança do ISS vinha sendo feita sobre a totalidade do valor contratado, que incluía mão-de-obra e material (R$ 63.124,17). Para a sentença, o julgador baseou-se na Lei Municipal nº 358/2003, que excluía de incidência do ISS apenas os materiais produzidos pelo prestador do serviço. Para a empreiteira, em oposição, vale o que está inscrito na Lei Complementar federal nº 116/03.

Solicitou, no recurso ao TJ, a reversão da sentença e o ressarcimento de R$ 1.184,37, cobrados indevidamente.

De acordo com o Desembargador Roque Joaquim Volkweiss, deve ser pacificado o entendimento de que os insumos elaborados pela própria prestadora do serviço, em fábrica ou indústria (porta, janelas, esquadrias etc), são mercadorias, portanto, só tributáveis pelo ICMS.

Desse ponto, o relator do processo avançou e ponderou: “É preciso saber, com muita necessidade, se os materiais adquiridos de terceiros pelo prestador de serviços de construção civil, e por ele fornecidos juntamente como mão-de–obra, também se sujeitam ao ISS.”

Destacou que a citada Lei complementar nº 116/03 não revogou, nesse particular, o determinado no Decreto Lei nº 406/68. Sustentou, dessa forma, a irrelevância para o ISS da origem dos materiais (se de produção própria ou de terceiros), posto que, em ambos os casos, a competência tributária não é de ordem municipal.

Acompanharam o relator o Desembargador Adão Sergio do Nascimento Cassiano e o Juiz-Convocado ao TJ Túlio de Oliveira Martins.

Matérias relacionadas

Pedreiro com 23 Kg de maconha alega que droga era para consumo próprio

O juiz substituto Fabiano da Silva, lotado na 2ª Vara da Comarca de Caçador, em Santa Catarina, condenou o pedreiro Claudiomiro Fogaça Antunes a...

Reconhecer erro não elimina dano moral

O reconhecimento da irregularidade praticada e a reintegração do empregado – demitido injustamente – não afastam o dano moral causado por ato...

Violência doméstica contra a mulher pode ser combatida com mais rigor

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) analisa, entre outras propostas, o Projeto de Lei 4559/04, do Poder Executivo, que cria...

Armazenamento de combustível em prédio gera periculosidade

Os empregados que atuam em edifício onde a empresa armazena inflamável têm direito ao pagamento do adicional de periculosidade, previsto na...

Portador do vírus HIV dispensado sem justa causa será reintegrado

A jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho tem-se firmado no sentido de ser presumivelmente discriminatória a atitude da empresa que, ciente...

Jornalista com autonomia no trabalho é ´free lancer`

Para os juízes da 8ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o que distingue o jornalista empregado do free lancer é a...

Registro civil de filha pode ser alterado após separação dos pais

É possível alterar o registro civil da filha para averbar a modificação do nome da genitora decorrente de divórcio. Esse foi o entendimento...

Retenção de cédula falsa por parte de banco não enseja dano moral

A retenção e inutilização por funcionário de banco de nota falsa apresentada por cliente é atitude correta, e não enseja dano moral. O...

Música que estimula incesto e pedofilia gera multa

É inegável que a letra da música “E por que não?”, da banda “Bidê ou Balde”, materializa apologia ao incesto e à pedofilia. O...

Petrobras terá de indenizar vítima de poluição na Baía de Guanabara

A Petrobras foi condenada pela 20ª Vara Cível do Rio de Janeiro a indenizar em R$ 20 mil o pescador José Nunes da Rosa. Ele ficou várias semanas...

Temas relacionados

Julgados

Direito Tributário

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade