Mantido preço de imóvel com metragem menor do que a informada

Julgados - Direito Civil - Terça-feira, 13 de dezembro de 2005

Devido à impossibilidade de reavaliar contratos e provas, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça mantém preço de um apartamento em Copacabana cujo comprador pretendia diminuí-lo tendo em vista que a metragem é menor do que a que lhe foi informada.

A questão começou a ser discutida na Justiça em uma ação ordinária objetivando o abatimento no preço do imóvel, um apartamento em Copacabana, o qual, segundo o adquirente, foi comprado "ad mensuram," ou seja, referindo-se à venda cujo preço é estipulado por unidade ou partes, desconsiderando-se o todo. Em primeiro grau, a sentença foi julgada improcedente, sendo mantida pela maioria dos desembargadores da 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça estadual. Apenas um desembargador dava provimento ao recurso.

Com base no voto vencido que era a seu favor, a nova proprietária interpôs embargos infringentes (tipo de recurso com o qual se busca fazer valer o voto vencido) reiterando os argumentos da inicial e da apelação de que, quando foi anunciada, na escritura, a metragem do imóvel, esta foi relevante para a realização do negócio, principalmente em se tratando de imóvel em área nobre da cidade. Os embargos foram rejeitados pelo fato de "a hipótese não caracterizar venda "ad mensuram", visto que o apartamento, situado na Avenida Atlântica, em Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ), foi perfeitamente individualizado e a referência à metragem não teve função de condicionar o preço. Confirmação do acórdão que julgou improcedente o pedido".

"A intenção das partes contratantes, principalmente da autora que adquiriu o imóvel, foi no sentido de que a venda se realizou ‘ad mensuram’, tanto é verdade que os litigantes fizeram constar na Escritura Pública de Compra e Venda, lavrada em notas no cartório, a autora prometeu comprar o apartamento (...), com correspondente fração de 18/459 do domínio útil do terreno respectivo."

Para o ministro Humberto Gomes de Barros, relator do recurso no STJ, o voto vencido é sobre a diferença encontrada na metragem do imóvel, em perícia técnica. Essa diferença supera um vigésimo da área atribuída ao apartamento. O ministro destaca parte do voto vencido segundo o qual o desembargador afirma ser mais que óbvio que, "se a compradora soubesse que o imóvel não tinha os 178m2 e sim 141,02m2, ou não o compraria, ou pediria o abatimento do preço, já que, nas transações imobiliárias, leva-se em consideração as metragens da área construída do bem, para se chegar ao valor real do preço."

A corrente majoritária cujo entendimento prevaleceu se fincou na observação de que a escritura fez menção "meramente enunciativa" à área do apartamento. A partir dessa constatação, a maioria destaca a parte do artigo 1.136, a dizer que não cabe abatimento de preço, "se o imóvel foi vendido como coisa certa e discriminada, tendo sido apenas enunciativa a referência às suas dimensões." Para o ministro Gomes de Barros, esse rápido confronto entre os dois votos conduz ao entendimento de que a decisão formou-se sobre a interpretação do contrato e da intenção que inspirou as partes, em sua formação. Dessa forma, entende, para conhecer do recurso especial, seria necessário reexaminar o contrato e reavaliar a vontade das partes, quando o fizeram. E, em recurso especial, desenvolver essas investigações seria desafiar as súmulas 5 e 7 do Tribunal, que proíbem ambas as ações.

Matérias relacionadas

Agropecuarista que matou estudante por ciúme consegue habeas-corpus

Falta de fundamentação do decreto de prisão preventiva leva Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) a conceder habeas-corpus ao...

Anulada sentença em ação contra a seguradora por acidente de trânsito

Anulada sentença em ação judicial na qual vítima de acidente de trânsito que ficou inválida tenta receber valores da companhia de seguro. A...

Para fins de adoção, domicílio a que se refere o ECA é o dos pais da criança

Em julgamento de sentença de adoção, a competência para julgar a ação é a do domicílio dos pais; somente se não existirem é que passa a ser...

Médico e ex-presidente do São Caetano responderão por homicídio culposo

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu, na tarde desta terça-feira, 13, dois habeas-corpus em favor do médico do São...

Gugu Liberato segue respondendo a ação penal por falsa entrevista com PCC

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido de habeas-corpus em favor do apresentador Gugu Liberato, do programa Domingo...

Concedida liberdade a vereador acusado de matar para assumir cargo

Sete acusados pelo homicídio do vereador eleito de Vila Velha (ES) Elson José de Souza poderão aguardar o julgamento em liberdade. A decisão...

Sindicato pode atuar como substituto em pedido de horas extras

A legitimidade do sindicato para representar seus associados em reclamações trabalhistas na condição de substituto processual se estende à...

Mudança de regime jurídico altera competência de julgamento

A competência da Justiça do Trabalho em casos de transposição do regime jurídico da CLT para o estatutário está restrita ao exame das...

Igreja indenizará pastor em R$ 6 mil por comércio indevido de gravação

O juiz Maurício Pinto Ferreira, da 7ª Vara Cível, condenou uma igreja de Belo Horizonte a indenizar um pastor em R$ 6 mil por danos morais....

Carrefour é condenado por falha na segurança de estacionamento

A 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do Rio rejeitou, por unanimidade, os argumentos da rede de supermercados Carrefour, mantendo a...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade