Hospital é condenado por alta precoce e morte de recém-nascida

Julgados - Direito Médico - Sexta-feira, 16 de dezembro de 2005

Em decisão unânime, a 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul confirmou condenação (confira abaixo) de Instituição hospitalar por negligência ao permitir que recém-nascida tivesse alta precoce, procedimento efetuado por estudantes de medicina que são doutorandos. A menina veio a falecer porque necessitava de tratamento por ser portadora de icterícia patológica, incompatibilidade sangüínea ABO com a mãe.

A ação foi movida pelos pais da vítima contra a União Brasileira de Educação e Assistência Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre.

O relator do recurso da entidade, Desembargador Odone Sanguiné, enfatizou que “não se pode aceitar que o paciente seja tratado e medicamentos sejam ministrados por quem está ainda em treinamento, não habilitado à atividade médica”. O trabalho médico, asseverou, foi desempenhado por doutorandos, prática que se mostra irregular conforme o Conselho Regional de Medicina (CRM).

Restou efetivamente demonstrado, afirmou, que a paciente não poderia receber alta. “Ainda que fosse admitida, não poderia ter sido esta levada a efeito sem a competente orientação de retorno da recém-nascida para exames complementares, conforme se verifica do laudo pericial.”

A criança retornou ao hospital 48 horas depois da alta, quando o quadro já tinha se agravado muito. Na avaliação do magistrado, as falhas no atendimento, com a alta precoce e os inexitosos atos de reanimação da paciente na UTI (a morte ocorreu no hospital), configuram pressupostos da responsabilização civil. O ato ilícito de modo a atingir a vida de uma pessoa, frisou, enseja a responsabilidade civil objetiva da entidade hospitalar, em função do fato do serviço, conforme pressuposto do Código de Defesa do Consumidor.

A incompatibilidade ABO, conforme manifestação de conselheiro do CRM, era nítida em face das constatações nos exames médicos. Entretanto nada foi informado no prontuário da paciente. Segundo ele, a evidência determinaria imediato e diligente procedimento no sentido de abrandar a hemólise verificada, “não se podendo esperar”.

Para o magistrado, não poderia o doutorando ter aposto as expressões “alta após exames”, quando o caso era de manutenção da internação até que a recém-nascida ictérica estivesse fora de qualquer perigo. “Esse é o dever do doutorando (não prescindindo, obviamente, da atuação do médico), do qual flagrantemente se subtraiu na situação telada.”

Acompanharam o voto do relator, os Desembargadores Luís Augusto Coelho Braga e Marilene Bonzanini Bernardi.

A entidade deverá pagar aos pais da vítima 300 salários mínimos, a título de danos morais, corrigidos pelo IGP-M. Sobre o valor incidirão juros de 6% ao ano a partir de 27/12/96, data do óbito; e de 12% após o início da vigência do novo Código Civil, ocorrido em 11/01/03.

Também terá que reembolsar aos autores do processo R$ 180,00 e 565,00, referentes a despesas de cemitério; e de R$ 270,00, gastos com funerária. A correção monetária será pelo IGP-M, acrescidos de juros legais a partir de 27/12/96, 18/06/97 e 01/06/01, respectivamente. Arcará, ainda, com o pagamento de pensão mensal de um salário mínimo aos pais do bebê, entre a data em que ele faria 14 anos de idade até quando completaria 25.

Matérias relacionadas

Em acidente causado por menor é responsabilidade dos pais indenizar

Vítima de acidente que resultou na cegueira de um olho, menina de seis anos terá de ser indenizada pelo responsável do menor causador da lesão....

Dano moral não pode ser presumido, tem de ser provado

Se a lei proíbe a discriminação por motivo de idade, tanto na contratação do trabalhador quanto na sua permanência no emprego, não há...

Homem condenado por andar com rottweillers durante o dia sem focinheira

O juiz Joaquim Domingos de Almeida, do 9º Juizado Especial Criminal (Barra da Tijuca), condenou um homem a 15 dias de prisão por andar com dois...

Fundação obtém liminar e volta ao controle da Varig

A Fundação Rubem Berta e a FRB Participações foram reconduzidas ao controle da Varig. A decisão foi tomada pelo desembargador Siro Darlan, às...

Mulher que tentou matar deficiente é condenada a 11 anos

A dona de casa Cristiane Pedrelli, 24 anos, residente em Timbó, foi condenada a 11 anos, dois meses e seis dias de reclusão em regime integralmente...

Cabível indenização por danos morais pela morte de irmão em acidente

Os irmãos têm direito à reparação por dano moral sofrido com a morte do irmão. O entendimento foi aplicado pela Quarta Turma do Superior...

Desnecessária interpelação prévia para cobrança de cotas de condomínio

A mera cobrança de quotas condominiais não exige a interpelação prévia, visto que há prazo certo para o vencimento da obrigação. Com esse...

Comprador não é responsável subsidiário no contrato de facção

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho confirmou decisão de segundo grau na qual a Cia. Hering, a Companhia de Tecidos Norte de Minas –...

Adicional de risco portuário restringe-se aos portos organizados

O adicional de risco portuário, previsto em dispositivo da legislação específica (art. 14 da Lei nº 4.860/65), só é devido aos trabalhadores...

ECT, como as empresas públicas, não pode demitir sem justa causa

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho assegurou a uma empregada demitida da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos o direito à...

Temas relacionados

Julgados

Direito Médico

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade