Preparo de solo para plantio em terras arrendadas não é indenizável

Julgados - Direito Civil - Segunda-feira, 9 de janeiro de 2006

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão que entendeu não ser benfeitoria indenizável o preparo do solo para viabilizar o plantio, realizado pelo arrendatário na terra arrendada. Para o relator do recurso, ministro Humberto Gomes de Barros, se o arrendatário assume contrato com o proprietário do imóvel, deve se acautelar sobre as condições do solo e o custo do plantio.

No caso, Carlos Afonso Herrmann arrendou terra de propriedade da Agropecuária Rio Paraíso Ltda. Após o término do contrato, ajuizou uma ação contra a arrendante visando à indenização por benfeitorias realizadas no imóvel, transformando-a em terra cultivável e agregando-lhe valor, e à repetição da quantia excedente a 30% do valor da terra arrendada paga por ele nos dois primeiros anos do contrato e a uma indenização por danos decorrentes do seqüestro cautelar da safra decretado a pedido da agropecuária.

Em primeira instância, o pedido foi julgado parcialmente. Inconformada, a agropecuária apelou e o Tribunal de Justiça de São Paulo deu provimento para julgar improcedente a pretensão de Herrmann. O Tribunal considerou que as benfeitorias praticadas pelo arrendatário não configuram melhorias, mas sim medidas necessárias à preparação da terra para o plantio e, por essa razão, não são indenizáveis. Além disso, entendeu que não há prova do excesso pago.

Herrmann recorreu ao STJ alegando que, ao receber o imóvel em arrendamento, não havia qualquer condição de plantio, por isso custeou toda a preparação da terra, tornando-a benfeitoria indenizável. Além disso, os valores pagos nos dois primeiros anos do arrendamento superaram 30% do valor da gleba arrendada.

Sustentou, ainda, que devem ser reparados os prejuízos sofridos em decorrência do seqüestro da safra, requerido pela Agropecuária Rio Paraíso em cautelar específica, o qual posteriormente foi revogado.

Em relação à indenização pelas supostas benfeitorias, o ministro Humberto Gomes de Barros considerou correta a decisão do Tribunal de origem; pois, se o arrendatário não se acautelar sobre as condições do solo e o custo de plantio ao contratar o imóvel, não pode, depois, reclamar a indenização por benfeitoria realizada justamente para viabilizar sua própria atividade econômica.

Quanto à repetição do indébito, o relator destacou que, também nesse ponto, não prospera o recurso, porque seria impossível revisar tais conclusões sem o reexame das provas produzidas (Súmula 7), o mesmo acontecendo com o pedido de indenização pela revogação do seqüestro cautelar. "Evidentemente, à falta de provas do prejuízo, não existe o dever de indenizar", disse.

Matérias relacionadas

Falta de recolhimento de tributo não gera responsabilidade solidária do sócio

O redirecionamento da execução fiscal para o sócio-gerente da empresa só é cabível quando comprovado que ele agiu com excesso de poderes,...

Provedores de Internet são isentos do pagamento do ICMS

O serviço desenvolvido pelos provedores da Internet é um serviço de valor adicionado (um plus ao serviço de telecomunicações), o que exclui a...

Prescrição para titular de seguro de vida em grupo é de um ano

A situação do empregado titular de seguro de vida e acidentes pessoais em grupo é a de segurado, e não beneficiário, motivo pelo qual o lapso...

Protesto indevido e inscrição no Serasa gera indenização de R$ 10 mil

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão unânime, confirmou sentença que condenou a empresa Sarkis Mix Concretos Ltda....

Intimação por edital conta a partir de sua publicação

Em se tratando de intimação por edital, o prazo começa a fluir meramente de sua publicação, pois ela não necessita, para completar-se, de...

Ainda que o empregado concorde, empresa não pode reduzir vale-refeição

Ainda que autorizada pelo empregado, é nula a renúncia de um benefício para a implementação de outro de valor inferior. Com base neste...

Banco deve indenizar por falha no processamento de depósito com envelope

Correntista deve ser indenizada porque cheque foi devolvido por insuficiência de fundos em razão de banco não ter processado depósitos feitos por...

Município condenado por acidente de trabalho

Trabalhador vítima de acidente de trabalho por não receber equipamentos de segurança do empregador deve receber pensão mensal integral e...

Jovem vítima em abordagem policial violenta será indenizado pelo Estado

Em decisão unânime, a 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul confirmou que o Estado deve reparar o dano sofrido por...

Inscrição indevida em cadastro negativo leva banco a pagar indenização

É negligência da instituição financeira aceitar cheques fraudados, sem conferir a autenticidade dos documentos. Esse é o entendimento unânime...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade