Comissão com servidor não-estável torna nulo processo administrativo

Julgados - Direito Administrativo - Terça-feira, 10 de janeiro de 2006

É nulo o processo administrativo disciplinar cuja comissão processante é composta por servidor não-estável. Com esse entendimento, o ministro Hamilton Carvalhido, da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), deu provimento ao recurso de Maria Andrade e Hilda Borba para tornar sem efeito as portarias que aplicaram a elas pena de suspensão de noventa dias.


No caso, as duas servidores impetraram mandado de segurança alegando a nulidade do processo administrativo disciplinar que culminou com a edição das Portarias 335 e 336, que lhes aplicaram pena de suspensão, ao argumento de não ser o presidente da comissão processante estável no serviço público estadual. Além disso, sustentaram excesso de prazo para a conclusão do processo administrativo disciplinar e a nulidade do relatório final, por haver se omitido acerca da responsabilidade de um dos servidores indiciados.

O Tribunal de Justiça da Paraíba negou provimento à segurança ao entendimento de que "nenhuma nulidade existe a viciar o processo administrativo, porque a Comissão ultrapassou o prazo de conclusão de seus trabalhos". Além disso, afirmou ser regular o inquérito administrativo cuja Comissão foi legalmente formada e em que se facultou ampla defesa e constituída por funcionário declarado estável por força de prescrição constitucional.

No STJ, o ministro Hamilton Carvalhido destacou que o Estatuto dos Servidores Públicos do Estado da Paraíba faz exigência legal a condição de estável dos membros das comissões permanentes de inquérito e de quaisquer outras comissões especiais de inquérito, impondo-se, em conseqüência, de tanto, afirmar a nulidade do processo administrativo disciplinar que não tenha observado a dita norma.

"A propósito, esta Corte Superior de Justiça firmou sua jurisprudência no sentido de que é nulo o processo administrativo disciplinar composto, ou, com mais razões, presidido por funcionário não-estável", ressaltou o relator.

Assim, disse o ministro, no caso, ao que se recolhe de certidão constante nos autos, o presidente da Comissão Permanente de Inquérito Administrativo da Secretaria de Segurança Pública do Estado da Paraíba somente ingressou no quadros do Governo do Estado da Paraíba em 1º de fevereiro de 1985, não possuindo, pois, os cinco anos continuados de exercício de função pública na administração direta estadual na data da promulgação da Constituição Federal, para fins da estabilidade prevista no artigo 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.

A decisão do ministro Hamilton Carvalhido, entretanto, não prejudica a instauração de novo processo administrativo.

Matérias relacionadas

Síndicos de condomínios não são isentos da taxa condominial

Em decisão unânime, a Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou ao Sindicato das Empresas de Compra e Venda Locação e...

Companheira tem direito de habitação sobre imóvel de família

A companheira tem, por direito próprio e não decorrente de testamento, o direito de habitação sobre imóvel destinado à moradia da família nos...

Menor trazido ao Brasil pelo pai sem autorização da mãe voltará para Bolívia

O ministro Edson Vidigal, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu conceder o exequatur (ato que homologa sentença de tribunal...

Exame de HIV inconclusivo não gera dever de indenizar

Resultado de exame de HIV “fracamente reagente” não configura dever de indenizar. Esse foi o entendimento unânime da 9º Câmara Cível do...

Reconhecimento de união homoafetiva anula partilha

União homoafetiva mantida entre duas mulheres de forma pública e ininterrupta deve ser reconhecida judicialmente. Esse foi o entendimento da 7ª...

Juiz condena dupla que tentou aplicar o golpe do ´achadinho`

O juiz Marcelo Trevisan Tambosi, lotado na Comarca de Canoinhas, em Santa Catarina, condenou Sérgio Hilário Pletsch e Rose da Silva Medeiros à...

Somente superdotado prescinde do 2ºgrau para atingir universidade

Somente alunos superdotados, condição atestada pelo Conselho Federal de Educação e em data anterior à inscrição no vestibular, gozam do...

Candidato consegue na Justiça alterar limite de idade de concurso da PM

Um candidato que teve sua inscrição indeferida em concurso de acesso ao quadro de oficiais da Polícia Militar poderá realizar o exame escorado em...

É possível cumulação do auxílio-acidente com a aposentadoria

É possível a cumulação do auxílio-acidente com a aposentadoria quando há o surgimento da moléstia em data anterior à edição da Lei nº...

Auxílio-acidente deve ser concedido desde a apresentação do laudo em juízo

Benefício previdenciário decorrente de ação acidentária tem como termo inicial a apresentação em juízo do laudo pericial. Com esse...

Temas relacionados

Julgados

Direito Administrativo

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade