Empresa de segurança deve indenizar transportadora por roubo

Julgados - Direito Civil - Quarta-feira, 11 de janeiro de 2006

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma prestadora de serviços de segurança a ressarcir a uma transportadora os R$66.976,41 roubados por quatro assaltantes que invadiram sua sede, localizada no bairro Serra Verde, em Belo Horizonte. O roubo foi possível por causa da imperícia da empresa de segurança que, tão logo detectou o alarme, não acionou a polícia e enviou ao local uma única pessoa, despreparada e desarmada.

O assalto aconteceu no dia 25 de maio de 2004, por volta das cinco horas, quando quatro indivíduos armados entraram no estabelecimento, renderam os funcionários e forçaram um deles a dizer onde se encontrava o cofre.

Os ladrões quebraram a parede da tesouraria, provocando o acionamento do alarme. Ao chegar no local, desarmado, o enviado da empresa de segurança foi logo rendido e, quando recebeu uma ligação da central de monitoramento, como não tinha preparado uma senha para indicar perigo, disse que estava tudo sob controle.

Certa de que a empresa de segurança não cumpriu suas obrigações contratuais, a transportadora ajuizou ação de indenização, por danos materiais, requerendo o ressarcimento de todo o prejuízo. Ao contestar, a prestadora de serviços alegou que o funcionário não compareceu armado porque a lei não lhe confere porte de armas e que, por estar rendido, não pôde comunicar o fato à central.

Mas, ao analisar os autos, os desembargadores Fernando Caldeira Brant (relator), Afrânio Vilela e Duarte de Paula observaram que houve descumprimento do pactuado, já que, de acordo com o contrato, a prestadora dos serviços de segurança eletrônica e monitoramento deveria registrar, em tempo real, qualquer violação ou ocorrência no endereço protegido pelo sistema, bem como a manutenção de equipe técnica especializada para a prestação do serviço contratado.

Como a empresa enviou funcionário sem qualquer preparo e qualificação para lidar com a situação e não acionou a polícia, os desembargadores condenaram a empresa de segurança a pagar a indenização requerida, devidamente corrigida pelos índices da tabela da Corregedoria Geral de Justiça, desde a data do assalto, além de juros de mora de 1% ao mês, a partir da citação.

Matérias relacionadas

Juíza condena resort para cães por descuido de animal

A juíza Grácia Cristina Moreira do Rosário, do 6º Juizado Especial Cível, na Lagoa, zona sul do Rio, condenou o Hotel Von Verbian Resort for...

Promotor de justiça é condenado a indenizar Desembargador

O juiz Paulo Sergio Prestes dos Santos, da 16ª Vara Cível da capital, condenou na terça-feira (10 de janeiro) o promotor de Justiça Márcio...

Proibição de armas de brinquedo pode ser ampliada

A Câmara analisa o Projeto de Lei 6159/05, do deputado Carlos Nader (PL-RJ), que proíbe a fabricação e a importação de brinquedos que tenham...

Reconhecido acordo individual para compensação de jornada

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu, por maioria de votos, a validade de acordo individual para a compensação da jornada...

Convenção Coletiva não pode disciplinar estabelecimentos comerciais

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho, em decisão unânime, negou a possibilidade de uma convenção coletiva de trabalho disciplinar o...

Militar reformado da Marinha consegue restabelecer valor de auxílio-invalidez

O militar da Marinha reformado por invalidez José George de Castro conseguiu restabelecer o pagamento de seu auxílio-invalidez em valor...

Negado mandado de injunção sobre doação de órgãos de feto anencéfalo

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, negou seguimento a mandado de injunção ajuizado pelo Instituto Ponto...

Negada liminar para excluir nomes de cadastros de proteção ao crédito

O ministro Edson Vidigal, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), indeferiu o pedido liminar em medida cautelar impetrada pelo...

Município deve indenizar hospital por descumprimento de contrato

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, indeferiu o pedido liminar na medida cautelar impetrada pelo município...

Medida cautelar de última hora para impedir leilão não é razoável

Medida cautelar para suspender um leilão impetrada apenas um dia antes deste não é razoável. O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ),...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade