Negado habeas-corpus a advogado investigado por fraudes no INSS

Julgados - Advocacia - Quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006

O advogado R.P. de S., investigado por envolvimento com quadrilha que fraudava benefícios do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), teve negado habeas-corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ). A Quinta Turma não atendeu ao pedido para que fosse trancada a ação penal que tramita na 8ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

O relator do processo, ministro Gilson Dipp, também negou a anulação de provas colhidas em decorrência de uma ação cautelar que foi, posteriormente, considerada nula pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 2ª Região. O ministro Dipp destacou que a decisão de segunda instância revela a existência de outros elementos válidos capazes de sustentar a investigação do advogado pela suposta prática de crimes contra o INSS.

O ministro Dipp ressaltou ainda que o TRF entendeu não existir subordinação das provas à ação considerada nula. Para concluir, o relator afirmou que, por meio de um habeas-corpus, não é possível se analisar a "contaminação de provas". A chamada teoria dos frutos da árvore envenenada, invocada pela defesa de R.P. de S., sustenta que todas as provas produzidas a partir de uma ação nula são ilegais. Ademais, continuou o ministro Dipp, o próprio Supremo Tribunal Federal considera que, tratando-se de inquérito policial, é prematura a aplicação dessa teoria.

As fraudes
Missão da auditoria extraordinária do Ministério da Previdência detectou a ocorrência de graves fraudes no Posto do Seguro Social Tijuca, no Rio de Janeiro (RJ), nos anos de 1997 e 1998. As fraudes consistiram na concessão de mais de 1.500 benefícios previdenciários irregulares, "ocasionando o desvio de milhões de reais do erário".

Quatro inquéritos policiais, procedimentos investigatórios paralelos e uma ação penal foram instaurados, sendo esta última contra servidores do Posto Tijuca, uma advogada e um despachante. A partir daí, verificou-se que as fraudes estariam sendo cometidas por quadrilhas organizadas, com a participação de diversos segurados, servidores públicos, advogados, despachantes e agentes políticos.

O esquema consistia no aliciamento dos segurados pelos despachantes para obtenção dos benefícios junto ao INSS em conluio com servidores do posto. Concedido o benefício e verificada a fraude, o pagamento era suspenso, razão pela qual o segurado procurava o despachante em busca de explicações. Este, por sua vez, indicava escritório de advocacia para o ingresso de medida judicial. Nesse contexto é que foram instauradas as investigações contra R.P. de S..

O advogado ingressou na Justiça, em dezembro do ano 2000, em nome de uma segurada, cujo pagamento da aposentadoria havia sido suspenso. Um mês depois, atendendo pedido do Ministério Público, o juiz da 8ª Vara Federal/RJ quebrou os sigilos bancário, fiscal e telefônico de R.P. de S. e determinou busca e apreensão de documentos de clientes em seu escritório, por meio de uma ação cautelar.

Foi então que a defesa do advogado ingressou com habeas-corpus no TRF, ao argumento de que a participação de R.P. de S. não teria ficado demonstrada. Protestou também contra buscas e apreensões que foram feitas na residência do advogado e na de sua irmã. Para a defesa, o procedimento foi uma demonstração de "abuso de poder e falta de justa causa". Por isso, pediu o trancamento dos inquéritos.

O TRF concedeu parcialmente o habeas-corpus, apenas no sentido de anular a ação cautelar de busca e apreensão, originária da 8ª Vara Criminal Federal /RJ, sem, no entanto, desconsiderar provas ou trancar o inquérito policial. Inconformada, a defesa de R.P. de S. ingressou no STJ com recurso para anular todos os atos decorrentes da ação cautelar e trancar o inquérito contra o advogado.

O ministro Gilson Dipp ressaltou, ainda, que permanecem válidos todos os procedimentos da investigação que corre na 7ª Vara Criminal/RJ. A decisão da Quinta Turma foi unânime.

Matérias relacionadas

Acordo exclusivamente prejudicial a trabalhadores não tem validade

O acordo coletivo que se caracteriza exclusivamente pela renúncia dos trabalhadores a seus direitos não pode ter validade reconhecida pela Justiça...

Técnico de raio-X tem direito a adicional de periculosidade

A exposição do trabalhador a radiações ionizantes garante-lhe o direito ao pagamento do adicional de periculosidade. A decisão é da Primeira...

Benefício previdenciário não exclui indenização de dano material

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou procedente pedido de indenização de dano material feito por trabalhadora que recebe...

Atestado médico trazido pelo pai a audiência é válido para justificar ausência

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou (não conheceu) recurso do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e manteve a...

Trabalhadora demitida durante gravidez consegue indenização

O desconhecimento do empregador sobre a gravidez da empregada não afasta o direito da trabalhadora à estabilidade de cinco meses da gestante,...

RedeTV responde por débito trabalhista da TV Manchete

A TV Ômega Ltda (razão social da RedeTV) teve rejeitado pela Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho pedido para se isentar de...

Concessionária de energia elétrica não deve pagar por uso de espaço aéreo

É vedada a cobrança de valores quando da utilização dos bens de domínio público pelas concessionárias de serviço público de energia...

TAM é condenada a indenizar filhos de vítima de acidente aéreo

A TAM Transportes Aéreos Regionais terá de indenizar, por danos materiais, duas crianças que perderam o pai em acidente aéreo ocorrido no campo...

Reconhecimento de duas uniões estáveis ao mesmo tempo não é possível

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que, mantendo o autor da herança união estável com uma...

Portador de HIV consegue isenção para não pagar pensão alimentícia

Com base em voto do ministro Cesar Asfor Rocha, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça concedeu habeas-corpus preventivo a professor...

Temas relacionados

Julgados

Advocacia

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade