Garantido à portadora de hepatite C fornecimento de remédio pelo Estado

Julgados - Direito Médico - Quarta-feira, 20 de julho de 2005

O Estado de Mato Grosso tem o dever de fornecer a Nilza Monteiro, portadora de hepatite crônica pelo vírus C, o medicamento Interferon Peguilado Alfa-2ª - 40 KDC – 180 mg. A decisão é do vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, no exercício da Presidência, que negou pedido do Estado para suspender a liminar.

Comprovada a doença, a cidadã entrou na Justiça com um mandado de segurança contra o secretário de Estado de Saúde de Mato Grosso, pretendendo obter o medicamento, que tem um custo mensal de R$ 4.849,36. A liminar foi concedida pelo desembargador Bitar Filho do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

O Estado recorreu ao STJ, afirmando ser necessária a inclusão da União e do município de Cuiabá no processo, como litisconsortes necessários. Alegou, ainda, que a concessão da liminar obrigando o fornecimento do remédio causa ´flagrante e inquestionável lesão à ordem administrativa, ao interesse público e, principalmente, à saúde e economia pública`.

O pedido de suspensão foi negado. O vice-presidente observou, inicialmente, que a suspensão de segurança é medida de caráter excepcional, não se prestando, em princípio, a examinar a legalidade ou constitucionalidade das decisões judiciais, que devem ser examinadas nos recursos. ´Presta-se, isto sim, a evitar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas, nos estritos termos do artigo 4º da Lei 4.348/64`, ressaltou.

O ministro Sálvio de Figueiredo observou que consta dos autos posição divergente entre a posição do médico assistente e a da Secretaria de Estado a respeito da eficácia do referido medicamento no tratamento da hepatite C. O ministro lembrou, no entanto, que a questão não pode ser examinada em sede de suspensão de segurança.

Ao negar o pedido do Estado, o ministro afirmou, ainda, que é impensável imaginar que a despesa mensal prevista possa causar qualquer tipo de lesão à ordem, saúde, segurança ou economia do Estado. ´Pelo contrário, a gravidade da moléstia indica que a ausência do tratamento pode implicar morte da impetrante`, acrescentou.

Para o vice-presidente, não ficou comprovado o risco de grave lesão à economia pública. ´Não consta dos autos, por exemplo, o número de cidadãos portadores de tal moléstia, de modo a comprovar potencial prejuízo significativo à economia do Estado que pudesse ensejar a suspensão da medida concedida`, concluiu o ministro Sálvio de Figueiredo.

Matérias relacionadas

Barcas S.A. é condenada a pagar indenização à passageira

A concessionária de transportes Barcas S.A. foi condenada a indenizar em R$ 5.200,00 a passageira Renata Gaze Vital por danos morais. A sentença...

Cabeleireira foi considerada parceira de salão de beleza, não empregada

O uso de ferramentas próprias e o ganho proporcional à capacidade de produção do trabalhador descaracterizam o vínculo empregatício. Com base...

Remuneração detalhada em contracheque afasta salário complessivo

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho considerou a discriminação das parcelas remuneratórias no contracheque do trabalhador como...

Mantido decreto de prisão civil contra pai por não pagar pensão alimentícia

Está mantido o mandado de prisão civil expedido contra C.P. de C, do Rio de Janeiro, por falta de pagamento de pensão alimentícia. O...

Pastor acusado de atentado ao pudor tem liminar negada

Negada liminar a pastor acusado de atentado violento ao pudor. O ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, vice-presidente do Superior Tribunal de...

Mantida liminar que permite empresa brasileira a utilizar a marca ´All Star`

O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Sálvio de Figueiredo, negou pedido da empresa Converse Inc. para que fosse...

Pais perdem o poder sobre o filho por falta de condições psicológicas

Quando for evidenciada negligência e falta de condições psicológicas, e não apenas falta de recursos materiais, é viável a destituição do...

Homem preso indevidamente deve ser indenizado pelo Estado

A 9ª Câmara Cível do TJRS condenou o Estado do Rio Grande do Sul a indenizar homem, preso indevidamente por agentes policiais. O julgamento...

Imobiliária que não urbanizou loteamento como previsto deve indenizar

Consumidor que adquiriu imóvel em loteamento e não teve as obras de urbanização do local realizadas, conforme contratadas, tem direito a...

Advogado particular do INSS pode atuar onde há agência

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a prerrogativa de o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) valer-se de advogados...

Temas relacionados

Julgados

Direito Médico

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade