Capa  |  Concursos  |  Doutrinas  |  Matérias  |  Jurisprudências  |  Modelos  |  Sentenças  |  Dicionários  |  Livraria  |  Loja Virtual
 Navegação
  Capa
  Mapa do site
  Livraria Jurídica
  Loja Virtual
 Bases Jurídicas
  Jurisprudências
  Súmulas
 Modelos
  Petições
  Contratos
  Recursos de Multas
 Doutrinas
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Matérias
  Notícias
  Julgados
 Sentenças
  Cíveis
  Criminais
  Trabalhistas
 Dicionários
  Termos jurídicos
  Expressões em Latim
 Especiais
  Advocacia de Sucesso
  Concursos Públicos
 Gerência
  Editorial
  Privacidade
  Fale conosco
  Parceiros
 Busca


 Matéria > Julgados > Dano Moral
Links Patrocinados e Conteúdo relacionado
C&A terá que indenizar cliente por disparo indevido de alarme
Reduzida indenização por extravio de folhas de cheques
Ex-gerente não recebe danos morais por justa causa
Menino espancado em hospital recebe indenização milionária
Vítimas de propaganda enganosa de títulos de capitalização indenizadas
Shopping de informática condenado por vidro no corrimão
Inclusão em espécie de lista negra gera indenização por danos morais
Constrangimento em supermercado gera indenização
Julgados - Dano Moral    Terça-feira, 3 de Janeiro de 2006
Ao suspeitar de cliente, o empregado do estabelecimento comercial deve agir com urbanidade, pois até então há suspeita e não a certeza do furto. Todavia, se ao invés de atuar cautelosamente, o segurança do supermercado aborda o cliente na presença do público consumidor, submetendo-o a situação vexatória, deve o empregador indenizá-lo por dano moral.

Com esse entendimento, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em decisão dada pela 17ª Câmara Cível, condenou um supermercado de São Sebastião do Paraíso, interior de Minas, a indenizar por danos morais uma consumidora que foi submetida a situação de constrangimento quando foi injustamente acusada de furto nas dependências do estabelecimento.

Quando saía do supermercado, a consumidora foi surpreendida com o toque do alarme contra furto, e foi abordada pelos seguranças e gerentes, que vasculharam seus pertences e passaram a questioná-la a respeito de uma possível subtração de algum produto.

O supermercado alegou em sua defesa que o alarme da loja não soou para a consumidora, pois o produto que ela havia comprado, um pacote com pães de queijo, não era magnetizado, e que os seguranças não chegaram a abordá-la.

No entanto, os desembargadores Lucas Pereira (relator), Eduardo Mariné da Cunha e Irmar Ferreira Campos entenderam que o supermercado não provou os fatos alegados em sua defesa, e fixaram a indenização por danos morais em R$ 2.500,00.
Clique aqui para ser direcionado à fonte
Links Patrocionados

Matérias relacionadas
Choque emocional causado por recall não configura dano moral
Supermercado indeniza cliente acusado de furto de sabonetes
Promotor de justiça é condenado a indenizar Desembargador
Protesto indevido e inscrição no Serasa gera indenização de R$ 10 mil
Mantida indenização a mãe de vítima de roleta russa
Abordagem constrangedora em supermercado gera dano moral
Banco Meridional consegue reduzir indenização por dano moral
Constrangimento em supermercado gera indenização
Clique aqui para ver todas as matérias relacionadas

Veja notícias e julgados de uma matéria específica
AdvocaciaDireito do ConsumidorDireito do TrabalhoDireito CivilDireito de FamíliaDano MoralDireito PenalDireito Processual TrabalhistaDireito Processual CivilDireito Processual PenalDireito ConstitucionalDireito do TrânsitoDireito TributárioDireito InternacionalDireito EleitoralDireito AdministrativoDireito PrevidenciárioDireito ComercialDireito AmbientalDireito MédicoDireito MilitarDiversos

Modelos de Petições - Modelos de Contratos - Recursos de Multas de Trânsito
Jurisprudências Selecionadas - Jurisprudências
© Copyright Central Jurídica - 2004/2008.
Todos os direitos reservados.
Tabela cjn_cache atualizada com sucesso!