Mantida no TST decisão que aplicou nova jurisprudência sobre estabilidade

Julgados - Direito do Trabalho - Quarta-feira, 28 de setembro de 2005

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a decisão regional que reconheceu o direito à estabilidade provisória no emprego a uma funcionária da empresa multinacional Bayer S/A portadora de doença profissional. Em voto relatado pelo ministro Barros Levenhagen, a Turma aplicou ao caso a nova jurisprudência do TST sobre o direito à estabilidade provisória, que introduziu uma ressalva para contemplar situações em que a doença profissional é constatada após a despedida do trabalhador.

De acordo com a nova jurisprudência (Súmula nº 378), o direito à estabilidade provisória pelo período de doze meses depende de dois requisitos: afastamento do trabalho por tempo superior a quinze dias e o conseqüente recebimento do auxílio- doença acidentário pago pelo INSS, salvo se, após a despedida, for constatada doença profissional que guarde relação de causalidade com a execução do contrato de emprego.

A empregada demitida da Bayer é portadora de tendinite do supra espinhal do ombro direito, resultante dos movimentos repetitivos que era obrigada a fazer no exercício de suas funções. A moça era operadora de produção nas máquinas de embalagem, que exigem movimentos freqüentes e repetitivos dos membros superiores. A doença foi atestada em laudo pericial que apontou também que a trabalhadora está apta a realizar outras tarefas, desde que não envolvam movimentos dos braços.

Ao acompanhar o voto do relator, o ministro Ives Gandra Martins Filho lembrou o quanto insistiu para que houvesse essa evolução da jurisprudência do TST, no sentido de dar nova interpretação ao artigo 118 da Lei nº 8.213/91. “Foi importante abandonarmos a estrita literalidade do artigo 118, que condiciona o direito à percepção do auxílio-doença, porque em muitos casos, constatada a doença, o empregado é imediatamente despedido e, pelo fato de não estar em gozo de auxilio-doença, não teria direito à estabilidade”, explicou.

Após acompanhar o relator, o juiz José Antonio Pancotti ressaltou a importância da evolução jurisprudencial quanto ao tema da estabilidade provisória. Pancotti - que pertence ao TRT de Campinas/SP (15ª Região) e atua como convocado no TST – lembrou que a situação é muito comum e até bem pouco tempo atrás não era contemplada pela jurisprudência do TST. Com a decisão da Quarta Turma do TST (não conhecimento do recurso da Bayer), fica mantida a decisão do TRT de São Paulo (2ª Região) que assegurou garantia no emprego, “que se encerrará após 12 meses da cessação de eventual ou futuro auxílio a ser recebido na esfera previdencial, ou com a aposentadoria da ora recorrida”.

Matérias relacionadas

Azaléia é condenada por concessão irregular de férias

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação imposta em segundo grau a Calçados Azaléia S/A por fracionamento irregular...

Demitidos por superfaturar diária garantem reintegração

A Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social (Dataprev) não obteve êxito em mais um recurso no Tribunal Superior do Trabalho contra...

Viúva de jogador ganha indenização por uso de imagem em álbum de figuras

A viúva e a nora do jogador de futebol Waldemar Rodrigues Martins, conhecido como Oreco, têm direito à indenização pela exploração da imagem...

STJ não admite recurso para advogado acusado de participar de aborto

O advogado e, à época dos fatos, juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) Mário Gil Rodrigues Neto não conseguiu levar ao...

Prazo recursal parte da data de circulação no diário na comarca do interior

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou tempestivo (dentro do prazo legal) um recurso apresentado pelo Banco Sudameris S/A em uma ação de...

Magistrado do Rio tem pedido de indenização por danos morais negado

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acatou por unanimidade o recurso da Procuradoria do Estado do Rio de Janeiro contra sentença...

Confirmada indenização a moradora de edifício abalado por escavações

A Isdralit Indústria e Comércio Ltda. e Astir Participações e Empreendimentos Ltda. deverão indenizar proprietária de apartamento do Edifício...

Defeitos em casa pré-fabricada levam empresa a indenizar comprador

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma empresa especializada em venda e montagem de casas pré-fabricadas a...

Torcedor do Vasco ganha indenização na Justiça

O Clube de Regatas Vasco da Gama foi condenado pelo juiz Pedro Freire Raguenet, da 19ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, a pagar uma...

Justiça do Rio condena Sul América a indenizar segurado

A 31ª Vara Cível do Rio condenou a Sul América Aetna Seguros de Vida e Previdência a pagar um total de 34.367,96 a Norton de Carvalho Saísse, a...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade