C&A terá que indenizar cliente por disparo indevido de alarme

Julgados - Dano Moral - Sexta-feira, 16 de dezembro de 2005

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) garantiu a uma consumidora o direito de receber da C&A Modas R$ 2 mil de indenização por danos morais. O motivo: o constrangimento sofrido pelo disparo indevido do alarme, em razão de os funcionários da loja não terem retirado a etiqueta de segurança.

A cliente entrou com uma ação de indenização na Justiça do Rio de Janeiro porque, ao sair da loja com a sacola contendo as mercadorias compradas e devidamente pagas, o alarme disparou. Logo após, foi constatado que o alarme antifurto não havia sido retirado da peça.

Em primeiro grau, o pedido foi julgado procedente, mas o Tribunal de Justiça entendeu que não gera danos morais o simples fato de a autora da ação ter saído da loja e o alarme ter disparado, com a posterior constatação de que não haviam retirado o dispositivo de segurança. "Só deve ser reputado como dano moral a dor, vexame, sofrimento ou humilhação que, fugindo à normalidade, interfira intensamente no comportamento psicológico do indivíduo, causando-lhe aflições, angústia e desequilíbrio em seu bem-estar. Situação foi resolvida de imediato, ocasionando, tão-somente, um aborrecimento corriqueiro do dia-dia. Se assim não se entender, acabaremos por banalizar o dano moral, ensejando ações judiciais em busca de indenizações pelos mais triviais aborrecimentos."

Essa decisão levou ao recurso especial no STJ. Para a consumidora, foi violado o artigo 6º, inciso VI, do Código de Defesa do Consumidor, pois foi desconsiderado pelo acórdão o dano moral que lhe foi causado, bem como o fato de que há decisões no próprio STJ que corroboram sua argumentação. Segundo esse artigo, é direito básico do consumidor a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos.

Ao apreciar o pedido, o relator, ministro Fernando Gonçalves, entendeu que o TJ, ao decidir que o disparo ocorrido por culpa do estabelecimento comercial não causa dano moral, mas sim mero aborrecimento, contraria o entendimento do STJ sobre a matéria. Decisões anteriores do tribunal afirmam que "o soar falso do alarme magnetizado na saída da loja, a indicar o furto de mercadorias do estabelecimento comercial, causa constrangimento ao consumidor, vítima da atenção pública e forçado a mostrar os seus pertences para comprovar o equívoco. Dano moral que deve ser indenizado".

Dessa forma, considerando configurado o ato da empresa que lesou a consumidora, julga razoável o valor de R$ 2 mil, considerando os critérios da razoabilidade e da proibição de enriquecimento sem causa. A decisão foi unânime.

Matérias relacionadas

Incide Imposto de Renda sobre verbas relativas à participação nos lucros

Incide IR sobre verbas relativas à participação nos lucros

Os valores recebidos pelos empregados a título de participação nos lucros da...

Trabalhador não pode desistir da ação em fase recursal

Depois de julgada uma reclamação trabalhista, as partes não podem efetuar acordo desistindo da ação. Em decisão neste sentido, a Subseção 1...

Prescrição parcial não atinge contrato de rurícola extinto em 98

A Usina São Martinho S/A teve negado pedido para a aplicação da prescrição parcial de cinco anos ao contrato de trabalho de um trabalhador rural...

Sindicato tem negada substituição processual de não-filiados

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou pedido do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC para atuar como substituto processual de...

Ascensão de empregado público depende de aprovação em concurso

O Tribunal Superior do Trabalho julgou inválida ascensão funcional de empregado de sociedade de economia mista, do cargo de técnico bancário de...

Estado responsabilizado na condição de sócio em ação trabalhista

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou (não conheceu) recurso do Estado de Santa Catarina, mantendo assim a decisão regional que...

Condena criador de pássaros silvestres sem autorização do Ibama

A Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou a condenação do comerciante D.J.S., de 65 anos, que mantia em cativeiro...

Fabricante de fogos de artifício indeniza por acidente com seu produto

Uma empresa fabricante de fogos de artifício, localizada em Santo Antônio do Monte, terá que indenizar, com 50 salários mínimos, uma pessoa que...

Autorizada transferência de veículo com multas

A Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça concedeu liminar, anulando ato do Diretor Geral do Departamento de Trânsito de Minas Gerais...

Taxa de Coleta de Lixo não pode ser cobrada de forma diferenciada

A unidade de medida da taxa deve ser rigorosamente a mesma para todos os usuários do mesmo serviço. Por isso, não se faz possível a cobrança...

Temas relacionados

Julgados

Dano Moral

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade