Estado responsabilizado na condição de sócio em ação trabalhista

Julgados - Direito do Trabalho - Sexta-feira, 16 de dezembro de 2005

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou (não conheceu) recurso do Estado de Santa Catarina, mantendo assim a decisão regional que apontou sua responsabilidade pelos débitos trabalhistas do Centro de Desenvolvimento Biotecnológico, entidade com personalidade jurídica de direito privado tutelada governo estadual. O TRT/SC aplicou ao caso a teoria da desconsideração da pessoa jurídica e responsabilizou o Estado pelos créditos trabalhistas de um ex-empregado, incluindo-o no pólo passivo da execução da dívida.

Após ter seu agravo de petição rejeitado, a procuradoria estadual recorreu ao TST alegando que o Estado não pode ser sujeito passivo na execução trabalhista por não ter participado da relação processual e não ter constado do título executivo judicial. O Estado reivindicou sua exclusão da demanda sustentando o TRT catarinense afrontou a Constituição Federal (artigo 37, incisos XIX e XX), ao desconsiderar a personalidade jurídica do Estado (que é pessoa jurídica de direito público sem fins lucrativos). O TST considerou que a decisão não violou a Constituição.

No recurso ao TST - que teve como relator o ministro Luciano de Castilho Pereira – a defesa estadual alegou que, não tendo o Centro de Desenvolvimento Biotecnológico (CDB) sido criado por lei e não existindo previsão legal autorizando o Estado de Santa Catarina a participar, quer no capital, quer na administração da entidade, não prospera a tese adotada em segunda instância segundo a qual o Estado seria “sócio” do CDB.

Com base na teoria da desconsideração da personalidade jurídica, o TRT/SC decidiu que, ainda que o CDB seja uma entidade sem fins lucrativos e o Estado de Santa Catarina seja pessoa jurídica de direito público, não há como não responsabilizá-lo também pelas verbas trabalhistas em execução. Para o TRT/SC, embora não se revista das formas estabelecidas nas leis comerciais, a responsabilidade dos sócios decorre de lei, uma vez que o executado (CDB) é uma sociedade civil regida pelo Código Civil.

Segundo o ministro Luciano de Castilho Pereira, a manutenção do Estado de Santa Catarina no pólo passivo da execução baseou-se na conclusão de que o Estado é co-responsável pelos débitos trabalhistas do Centro de Desenvolvimento Biotecnológico, face à sua condição de sócio-fundador do órgão e a teoria da desconsideração da personalidade jurídica. O relator explicou que no processo de execução só cabe recurso ao TST em caso de violação direta e literal de dispositivos constitucionais.

“Tais aspectos encontram-se disciplinados em normas infraconstitucionais, não alcançando, portanto, a discussão empreendida nestes autos a órbita constitucional. Logo, possível desacerto do acórdão recorrido constituiria não uma violação direta e literal dos aludidos dispositivos constitucionais, mas sim uma violação reflexa, incapaz de ensejar o cabimento da revista, nos moldes do permissivo consolidado”, concluiu o ministro Luciano de Castilho Pereira. A decisão da Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho foi unânime.

Matérias relacionadas

Condena criador de pássaros silvestres sem autorização do Ibama

A Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou a condenação do comerciante D.J.S., de 65 anos, que mantia em cativeiro...

Fabricante de fogos de artifício indeniza por acidente com seu produto

Uma empresa fabricante de fogos de artifício, localizada em Santo Antônio do Monte, terá que indenizar, com 50 salários mínimos, uma pessoa que...

Autorizada transferência de veículo com multas

A Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça concedeu liminar, anulando ato do Diretor Geral do Departamento de Trânsito de Minas Gerais...

Taxa de Coleta de Lixo não pode ser cobrada de forma diferenciada

A unidade de medida da taxa deve ser rigorosamente a mesma para todos os usuários do mesmo serviço. Por isso, não se faz possível a cobrança...

Hospital é condenado por alta precoce e morte de recém-nascida

Em decisão unânime, a 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul confirmou condenação (confira abaixo) de Instituição...

Em acidente causado por menor é responsabilidade dos pais indenizar

Vítima de acidente que resultou na cegueira de um olho, menina de seis anos terá de ser indenizada pelo responsável do menor causador da lesão....

Dano moral não pode ser presumido, tem de ser provado

Se a lei proíbe a discriminação por motivo de idade, tanto na contratação do trabalhador quanto na sua permanência no emprego, não há...

Homem condenado por andar com rottweillers durante o dia sem focinheira

O juiz Joaquim Domingos de Almeida, do 9º Juizado Especial Criminal (Barra da Tijuca), condenou um homem a 15 dias de prisão por andar com dois...

Fundação obtém liminar e volta ao controle da Varig

A Fundação Rubem Berta e a FRB Participações foram reconduzidas ao controle da Varig. A decisão foi tomada pelo desembargador Siro Darlan, às...

Mulher que tentou matar deficiente é condenada a 11 anos

A dona de casa Cristiane Pedrelli, 24 anos, residente em Timbó, foi condenada a 11 anos, dois meses e seis dias de reclusão em regime integralmente...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade