Embraco terá de pagar dívida milionária com Banco Safra

Julgados - Direito Civil - Quarta-feira, 21 de dezembro de 2005

A Empresa Brasileira de Compressores S/A (Embraco), empresa do Grupo Brasmotor, terá de pagar uma dívida que chega a R$ 284 milhões com o Banco Safra. A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) não atendeu a pedido da empresa, que tentava judicialmente a decretação da nulidade dos empréstimos feitos com o banco em 1989. A Embraco é segundo maior fabricante de compressores do mundo.

O relator do recurso especial, ministro Cesar Asfor Rocha, considerou que o pedido de nulidade dos contratos que geraram os empréstimos esbarrava no impedimento da "coisa julgada", ou seja, uma ação anterior já havia decidido a causa. O entendimento foi seguido por unanimidade pelos demais ministros da Quarta Turma.

A disputa judicial iniciou quando o Banco Safra ajuizou ação de cobrança contra a Embraco, para receber o valor referente a um contrato de abertura de crédito em conta corrente firmado em 14 de junho de 1989. No curso desta ação apresentada pelo banco, a empresa apresentou reconvenção, isto é, uma ação contra o autor (o banco), no mesmo processo em que a Embraco é cobrada. A reconvenção é uma espécie de contra-ataque no mesmo processo.

Pela reconvenção, a empresa pediu a declaração de nulidade de oito contratos firmados entre 5 e 14 de junho de 1989, entre eles, o que deu origem à cobrança, tendo em vista que os mesmos teriam sido firmados com desvio de finalidade, para favorecer a empresa Distribank S/A. Pediu também indenização por danos morais e materiais, e pleiteou a restituição das quantias subtraídas irregularmente pelo banco da conta corrente, por meio de cheques administrativos, além de perdas e danos em quantia que liquidasse os contratos alvo da ação.

Em primeira instância, a reconvenção não foi aceita, por entender ausente o interesse de agir e por haver óbice na coisa julgada. A Embraco apresentou recurso ao Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo (TAC/SP), que manteve a decisão que extinguiu a reconvenção. Contra este acórdão, a empresa apresentou recurso especial ao STJ.

Recurso ao STJ
A Embraco insistiu na alegação de que a reconvenção não esbarraria na coisa julgada em razão da ação declaratória ajuizada por ela anteriormente, já que não possuiriam os mesmos pedidos e causa de pedir. A empresa sustentou que, pela ação declaratória, pretendia ter reconhecida a desobrigação de pagar o contrato de 14 de junho de 1989; já na reconvenção, sua intenção era a declaração de nulidade dos oito contratos, além da condenação do banco a perdas e danos.

Para o relator do recurso especial, ministro Cesar Rocha, os argumentos da empresa não têm fundamento, uma vez que o exame proposto na reconvenção esbarra no impedimento da "coisa julgada". O objeto de ambas demandas é a movimentação bancária ocorrida entre 5 e 14 de junho de 1989, em determinada conta do Banco Safra, na cidade de Joinville (SC), que gerou o contrato de abertura de crédito em conta-corrente.

Conforme relatado, pela petição inicial da ação declaratória de inexigibilidade de obrigação que a Embraco ajuizou contra o banco, a pretensão da empresa estava fundada na irregularidade da formação da dívida que acusava o seu extrato bancário, porque, segundo argumentou, foi constituída por diretores que não teriam poderes estatutários para tanto e acabou revertida em favor da Distribank. A Juíza de Direito julgou improcedente o pedido, sendo a sentença confirmada pelo Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo e pelo próprio STJ.

Assim, a análise feita pelo ministro relator do recurso especial, a reconvenção tem o mesmo objetivo, isto é, invalidar toda a contratação realizada entre 5 e 14 de junho de 1989, a partir de supostas irregularidades nas operações bancárias realizadas sem a sua autorização e em benefício da Distribank. O ministro Cesar Rocha concluiu que nas ações foram usados termos diferentes, ainda que com objetos iguais.

Para o ministro, as qualificações jurídicas são diferentes (numa, a inexigibilidade da obrigação; noutra, a nulidade dos contratos). Porém, a finalidade de ambas e o pedido e causa de pedir é a desconstituição da dívida por irregularidade na sua formação.

O ministro Cesar Rocha ainda destacou que alguns pontos que a Embraco alegava não terem sido objeto de exame na ação declaratória, na verdade foram analisados, como a responsabilidade da própria empresa para pagamento do empréstimo e a boa-fé do Banco Safra.

A Embraco forma o Grupo Brasmotor ao lado das empresas Multibrás e Multibrás Amazônia. A Multibrás é líder na América Latina na fabricação de eletrodomésticos, entre eles os produtos das mais marcas Brastemp e Cônsul.

Matérias relacionadas

Permitido corte de energia no município potiguar Antônio Martins

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) poderá cortar o fornecimento de energia elétrica de Antônio Martins, município potiguar....

Passageiro impedido de embarcar no exterior será indenizado

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, confirmando decisão da primeira instância, condenou uma companhia aérea estrangeira...

Acidente em corrida de kart gera indenização

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma empresa de entretenimento que realizava corridas de kart “indoor” em...

Justiça determina que município construa aterro sanitário

A Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais manteve a determinação de que o município de Abadia dos Dourados promova a...

Liminar impede exoneração de servidor baseada em nepotismo de 3º grau

O Desembargador Nelson Antonio Monteiro Pacheco do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, deferiu pedido liminar, em Mandado de Segurança,...

Praticante de artes marciais não obtém estabilidade por doença profissional

Para os juízes da 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o trabalhador só tem direito à estabilidade decorrente de...

Mantida exoneração de Policial Militar homossexual por atos libidinosos

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a exoneração de policial militar goiano decorrente de processo administrativo por...

Denunciação da lide só é vedada em ação de consumo por defeito de produto

Apenas em caso de defeitos em produtos não é possível chamar à ação o banco em razão de corte por inadimplência quando paga a conta. A...

Negada liminar a Flávio Maluf para vista de inquérito contra ele

Não há ilegalidade na decisão judicial que nega a advogado vista dos autos de inquérito policial gravado de sigilo. A observação foi feita pelo...

Membro de conselho fiscal de sindicato não tem estabilidade

A estabilidade provisória no emprego destinada aos representantes sindicais dos trabalhadores restringe-se aos ocupantes dos cargos de direção ou...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade