Negada liminar a Flávio Maluf para vista de inquérito contra ele

Julgados - Direito Processual Penal - Quinta-feira, 22 de dezembro de 2005

Não há ilegalidade na decisão judicial que nega a advogado vista dos autos de inquérito policial gravado de sigilo. A observação foi feita pelo ministro Arnaldo Esteves Lima, da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao negar pedido de liminar da defesa do empresário Flávio Maluf, que pretendia obter vista de inquérito no qual são apurados eventuais delitos contra o Sistema Financeiro Nacional.

No habeas-corpus dirigido ao STJ, a defesa protesta contra o indeferimento de liminar no mandado de segurança 85926-2, impetrado no Tribunal Regional Federal da 3ª Região (SP), com o objetivo de examinar o processo, ainda em fase de Inquérito Policial número 12-0016/00, por meio do qual estariam sendo apurados delitos contra o Sistema Financeiro Nacional.

A liminar foi indeferida pela relatora do mandado de segurança. "O feito ainda se encontra na fase investigatória, não se instaurou a relação processual. No presente momento há a realização de diligências necessárias à formação de um inquérito policial, cujo destino pode ser o de servir de prova a eventual processo crime ou o arquivamento", justificou a relatora.

Ainda segundo a desembargadora federal, não há qualquer violação a direito dos impetrantes e nem a irreversibilidade do quadro fático. "Eventual concessão da segurança quando do julgamento deste ainda será eficaz. Ao contrário, caso a liminar fosse concedida e ao final a segurança denegada, isso traria evidente prejuízo às investigações", afirmou.

Em liminar, a defesa afirma que o empresário está sofrendo constrangimento ilegal. "Consubstanciado na circunstância de ver ameaçado seu status libertatis (estado de liberdade) em processo inquisitorial secreto, onde não se sabe que medidas constritivas podem ter sido requeridas e/ou decretadas contra sua pessoa, pese o fato de haver constituído os impetrantes seus advogados naqueles autos", sustentou.

O pedido foi negado. "Não houve demonstração da iminência de se concretizar medida destinada a restringir a liberdade ambulatorial do paciente, a justificar uma imediata diligência a ser tomada pelos causídicos", afirmou o relator, ministro Arnaldo Esteves Lima. "Razão pela qual não se verifica a ocorrência de risco de lesão grave ou de difícil reparação, que justifique a antecipação da tutela reclamada na referida ação mandamental, com prejuízo do julgamento de mérito pelo colegiado competente", acrescentou.

"A liminar em sede de habeas-corpus, de competência originária de tribunal, como qualquer outra medida cautelar, deve restringir-se à garantia da eficácia da decisão final a ser proferida pelo órgão competente para o julgamento, quando, evidentemente, for manifesta a ilegalidade do ato impugnado", explicou o relator do habeas-corpus no STJ.

Ao negar, o ministro considerou não haver ilegalidade na decisão da desembargadora do TRF. "Não há ilegalidade na decisão que, considerando estar o inquérito policial gravado de sigilo, negou, fundamentalmente, vista dos autos inquisitoriais ao advogado", concluiu o ministro Arnaldo Esteves Lima.

Essa decisão está sendo contestada em outro pedido de habeas-corpus no Supremo Tribunal Federal (STF).

Matérias relacionadas

Membro de conselho fiscal de sindicato não tem estabilidade

A estabilidade provisória no emprego destinada aos representantes sindicais dos trabalhadores restringe-se aos ocupantes dos cargos de direção ou...

Descartado conluio entre Sindicato e Telemar

A Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2) acolheu recurso da Telemar Norte Leste S/A e manteve a validade do acordo celebrado com o...

Troca de ofensas como ato isolado não é justa causa para demissão

Um ato isolado não pode servir de justa causa para a dispensa do empregado. Este foi o entendimento aplicado pela 10ª Turma do Tribunal Regional do...

Morte por negligência médica leva hospital a indenizar

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou um hospital de São Sebastião do Paraíso pela conduta negligente ao dar alta...

Município condenado a indenizar por LER em servidora

A Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais manteve condenação do município de Ipatinga ao pagamento de indenização a Edna...

Policial deve indenizar por não observar sinalização e causar acidente

O juiz Maurílio Gabriel Diniz, da 1ª Vara Cível de Belo Horizonte, condenou um policial militar aposentado a indenizar um cobrador. O policial...

Jovens agredidos por seguranças de bar devem receber indenização

Bar de Porto Alegre deve indenizar dois jovens por dano moral. Eles foram agredidos por seguranças do estabelecimento e também obrigados a limpar o...

Controle de jornada do motorista externo garante horas extras

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho assegurou a um motorista de carretas mineiro o pagamento das horas extraordinárias correspondentes...

Gratificação de função só incorpora salário com mais de dez anos seguidos

A gratificação de função só pode ser incorporada ao salário do empregado quando for percebida por, no mínimo dez anos seguidos. A adoção...

Embelleze Cosméticos deve parar de agredir o meio ambiente

A 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, por unanimidade de votos, negou recurso da Embelleze Cosméticos, confirmando sentença de...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade