Montadora indeniza consumidores por defeito de fabricação em camioneta

Julgados - Direito do Consumidor - Sábado, 14 de janeiro de 2006

O fabricante que coloca no mercado produto defeituoso, que sequer resiste ao tempo de garantia, é responsável pelos danos materiais e morais causados ao consumidor. Com esse entendimento, a 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma montadora a indenizar dois proprietários consecutivos de uma camioneta, em decorrência de defeitos de fabricação do motor. A fabricante foi condenada a restituir ao dono atual do veículo a importância de R$14.584,35, corrigida desde junho de 2001, além do pagamento de danos morais fixados em R$10 mil. A primeira proprietária da camioneta também deverá ser indenizada pela montadora em R$5.200,00.

Segundo os autos, a primeira proprietária, agropecuarista da cidade de São Sebastião do Paraíso, adquiriu a camioneta, uma S-10, cabine dupla, zero Km, em 28/10/98. Aos quatro meses de uso, o veículo apresentou problemas de consumo de água e vazamento de óleo no motor e foi levado para reparos em uma concessionária autorizada da montadora. Em junho, o carro foi rebocado até a oficina para novo conserto. Em novembro, a assistência técnica foi acionada novamente para socorrer o veículo, que sofreu uma pane, durante o trajeto entre Goiás e Uberaba. Em 10/01/2000, com 33.060 quilômetros rodados, o veículo foi levado para reparos e assistência técnica em outra concessionária da montadora, que constatou defeitos mecânicos de fabricação. Em 26/06/2000, a agropecuarista vendeu a camioneta para um contador daquela mesma cidade, atual dono do veículo.

Contudo, os problemas mecânicos continuaram até que, em agosto daquele ano, foi efetuada a substituição do motor. Entretanto, a montadora negou-se a arcar com os custos, debitando o valor do serviço à concessionária. Por sua vez, a empresa repassou a cobrança ao contador, que pagou a importância de R$14.584,35. Inconformado, ele acionou a primeira proprietária da camioneta, que lhe vendera o veículo ainda com garantia de fábrica.

Os consumidores, então, ingressaram com uma ação de indenização pelos prejuízos materiais e morais sofridos. O juiz da comarca de São Sebastião do Paraíso reconheceu os danos materiais decorrentes das despesas suportadas pelo contador com a substituição do motor e condenou a montadora a restituir o valor pago por ele. Considerou também a existência do dano moral, que arbitrou em R$72.921,75 para o atual dono do veículo e, em R$5.200,00, para a primeira compradora da camioneta.

No julgamento do recurso, os desembargadores Evangelina Castilho Duarte (relatora), Alberto Vilas Boas e Alberto Aluízio Pacheco de Andrade mantiveram a condenação da montadora. Contudo, reduziram o valor da indenização por dano moral concedida ao contador para R$10.000,00.

Matérias relacionadas

Choque emocional causado por recall não configura dano moral

"Não existe relevância jurídica a ponto de merecer qualquer indenização, uma vez ser descabida a tese de ter sofrido ‘choque emocional’. Na...

Portador de HIV consegue isenção para não pagar pensão alimentícia

Com base em voto do ministro Cesar Asfor Rocha, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça concedeu habeas-corpus preventivo a professor...

Reconhecimento de duas uniões estáveis ao mesmo tempo não é possível

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que, mantendo o autor da herança união estável com uma...

TAM é condenada a indenizar filhos de vítima de acidente aéreo

A TAM Transportes Aéreos Regionais terá de indenizar, por danos materiais, duas crianças que perderam o pai em acidente aéreo ocorrido no campo...

Concessionária de energia elétrica não deve pagar por uso de espaço aéreo

É vedada a cobrança de valores quando da utilização dos bens de domínio público pelas concessionárias de serviço público de energia...

Negado habeas-corpus a advogado investigado por fraudes no INSS

O advogado R.P. de S., investigado por envolvimento com quadrilha que fraudava benefícios do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), teve negado...

Acordo exclusivamente prejudicial a trabalhadores não tem validade

O acordo coletivo que se caracteriza exclusivamente pela renúncia dos trabalhadores a seus direitos não pode ter validade reconhecida pela Justiça...

Técnico de raio-X tem direito a adicional de periculosidade

A exposição do trabalhador a radiações ionizantes garante-lhe o direito ao pagamento do adicional de periculosidade. A decisão é da Primeira...

Benefício previdenciário não exclui indenização de dano material

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou procedente pedido de indenização de dano material feito por trabalhadora que recebe...

Atestado médico trazido pelo pai a audiência é válido para justificar ausência

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou (não conheceu) recurso do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e manteve a...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Consumidor

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade