Na Justiça, trabalhador pode receber até 30 anos de FGTS

Julgados - Direito do Trabalho - Segunda-feira, 1 de agosto de 2005

De acordo com os juízes da 9ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o trabalhador que tem a relação de emprego reconhecida pela Justiça do Trabalho, pode reclamar pelos últimos 30 anos em depósitos do FGTS – Fundo de Garantia do Tempo de Serviço.

Um ex-funcionário da Empresa Jornalística Resenha Judaica Ltda. – que exercia a função de gerente do Departamento de Controladoria – entrou com processo na 70ª Vara do Trabalho de São Paulo, buscando o vínculo empregatício com a editora. A vara reconheceu a relação de emprego e determinou o pagamento das verbas decorrentes do contrato de trabalho, incluindo o FGTS.

A vara, entretanto, limitou o recolhimento do fundo aos últimos cinco anos, aplicando a prescrição definida pelo artigo 11 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que restringe o direito de ação quanto a créditos resultantes das relações de trabalho, ´em cinco anos para o trabalhador urbano, até o limite de dois anos após a extinção do contrato`. Inconformado com a limitação, o reclamante recorreu ao TRT-SP.

Segundo o juiz Luiz Edgar Ferraz de Oliveira, relator do Recurso Ordinário no tribunal, ´tratando-se de relação de emprego reconhecida judicialmente, a prescrição para o FGTS é a especial, trintenária, prevista no art. 23, § 5º, da Lei 8.036, e não a qüinqüenal do art. 11 da CLT`.

Para o relator, os depósitos do FGTS devem ser apurados desde o início da relação de emprego (1º/10/90), ´aplicando-se a prescrição qüinqüenal apenas sobre os demais títulos reconhecidos na decisão recorrida`.

Por unanimidade, a 9ª Turma acompanhou o voto do juiz Luiz Edgar.

Matérias relacionadas

Piano não é bem de família e pode ser penhorado

Para os juízes da 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), piano meia-cauda não é bem indispensável à família e,...

Mantida decisão que permite corte de energia de município fluminense

Confirmado pela Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ): o município de Rio Claro, no Estado do Rio de Janeiro, terá que pagar à...

Recusa em fazer o exame de DNA não constitui prova da paternidade

A simples recusa do investigado em submeter-se ao exame de DNA não exonera a investigante do ônus de provar os fatos constitutivos de seu direito....

Imóvel comprado antes e registrado depois do casamento não se comunica

O imóvel adquirido antes do casamento por um dos cônjuges, mas registrado no cartório de imóveis somente durante o matrimônio não se comunica...

Chega ao STJ recurso sobre a responsabilidade civil por abandono paterno

Pela primeira vez, serão debatidas no Superior Tribunal de Justiça (STJ) questões como se o papel dos pais se limita ao dever de sustento, se...

Empresários do setor de soja defendem o cumprimento de contratos

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, recebeu em audiência nesta terça-feira, 2, empresários do setor de...

Mantida decisão que invalidou cláusula de reajuste de telefonia

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão anterior que não atendeu a reclamação das Telecomunicações de São...

A expressão ´imbecil` deve ser riscada de processo

O uso de termos descorteses e agressivos afronta o Código do Processo Civil, que proíbe o emprego de expressões injuriosas nos escritos...

Unibanco deve indenizar por erro em operação de débito automático

A juíza da 11ª Vara Cível do Rio, Lindalva Soares Silva, condenou o Unibanco a pagar uma indenização de R$ 3 mil, por danos morais, a um...

Mantida suspensão de pagamento a vítimas do Palace 2

Ao julgar hoje (dia 2 de agosto) agravo interno impetrado pela Associação das Vítimas do Palace 2, o desembargador Mario dos Santos Paulo, da 4ª...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade