Recusa em fazer o exame de DNA não constitui prova da paternidade

Julgados - Direito Civil - Terça-feira, 2 de agosto de 2005

A simples recusa do investigado em submeter-se ao exame de DNA não exonera a investigante do ônus de provar os fatos constitutivos de seu direito. Com esse entendimento, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu provimento ao recurso especial movido por homem que havia sido considerado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) o pai de uma jovem, pelo fato de ele não ter comparecido por três vezes à coleta de material genético.

A relatora do caso, ministra Nancy Andrighi, presidente da Terceira Turma, entendeu caber à jovem que movia a ação de reconhecimento da paternidade, ´minimamente`, por meio de provas que trouxessem indícios, comprovar a possibilidade levantada na ação, o que não ocorreu. Para a ministra, sequer foram apresentados indícios da existência de relacionamento íntimo entre a mãe da jovem e o homem apontado como pai biológico.


O voto da ministra Nancy foi acompanhado pelos ministros Ari Pargendler e Carlos Alberto Menezes Direito. Os ministros Castro Filho e Humberto Gomes de Barros não conheceram do recurso por entender que quem deve fazer prova em contrário é o pai que se recusa a fornecer material para o exame de DNA.

A decisão de primeiro grau havia sido no mesmo sentido. A sentença destacou que, na época da concepção da jovem, o homem apontado como pai se encontrava num garimpo no estado do Pará. A testemunha arrolada pela jovem foi sua mãe biológica, que apenas teria feito declarações, sem contribuir com provas.

A jovem apelou, e o TJMG, mesmo reconhecendo a ausência de provas, julgou procedente o pedido de declaração de paternidade. O único fundamento seria a presunção gerada pela recusa do suposto pai em coletar o material.

O acórdão destaca que o homem concordou expressamente com a realização do exame do DNA, mas não compareceu por três vezes às coletas de material marcadas. Em todas as vezes, não houve justificativa suficiente para o não-comparecimento. Segundo o acórdão, o suposto pai ´estaria usando de má-fé processual para tentar esquivar-se à realização da perícia técnica` e, assim, frustrar a realização do DNA.

Matérias relacionadas

Imóvel comprado antes e registrado depois do casamento não se comunica

O imóvel adquirido antes do casamento por um dos cônjuges, mas registrado no cartório de imóveis somente durante o matrimônio não se comunica...

Chega ao STJ recurso sobre a responsabilidade civil por abandono paterno

Pela primeira vez, serão debatidas no Superior Tribunal de Justiça (STJ) questões como se o papel dos pais se limita ao dever de sustento, se...

Empresários do setor de soja defendem o cumprimento de contratos

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, recebeu em audiência nesta terça-feira, 2, empresários do setor de...

Mantida decisão que invalidou cláusula de reajuste de telefonia

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão anterior que não atendeu a reclamação das Telecomunicações de São...

A expressão ´imbecil` deve ser riscada de processo

O uso de termos descorteses e agressivos afronta o Código do Processo Civil, que proíbe o emprego de expressões injuriosas nos escritos...

Unibanco deve indenizar por erro em operação de débito automático

A juíza da 11ª Vara Cível do Rio, Lindalva Soares Silva, condenou o Unibanco a pagar uma indenização de R$ 3 mil, por danos morais, a um...

Mantida suspensão de pagamento a vítimas do Palace 2

Ao julgar hoje (dia 2 de agosto) agravo interno impetrado pela Associação das Vítimas do Palace 2, o desembargador Mario dos Santos Paulo, da 4ª...

Concedida pena alternativa a condenado por furto de energia

A 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Unidade Francisco Sales, concedeu a Ari Silveira de Moraes, condenado por furto de...

Liminar garante fornecimento de energia elétrica a imóvel

A juíza da 3ª Vara de Fazenda Estadual de Belo Horizonte, Sandra Alves de Santana e Fonseca, garantiu, dia 19 de julho, o fornecimento de energia...

Viagem ingrata para passageira gera indenização

Uma freada brusca que provocou a fratura de duas vértebras torácicas de uma passageira após a sua queda da cadeira. Esse foi o motivo pelo qual o...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade