OAB entende que defensor público pode advogar contra Estado

Notícias - Advocacia - Quinta-feira, 11 de agosto de 2005

Não há impedimento de qualquer natureza para que o defensor público possa advogar, dentro de suas atribuições, contra o Estado ou a Fazenda Pública que o remunera como servidor. Este foi o entendimento firmado pelo Órgão Especial do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, ao responder uma consulta da Seccional da OAB de Minas Gerais.

A decisão foi tomada por unanimidade, acompanhando voto do relator do processo, conselheiro federal Elarmin Miranda (OAB/MT). O presidente do Órgão Especial, Aristoteles Atheniense, vice-presidente nacional da OAB, também apoiou o relator.

O entendimento do Órgão Especial responde assim favoravelmente à argüição feita pelo advogado Laércio Fusco Nogueira, defensor público do Estado de Minas Gerais, à Seccional da OAB daquele Estado. Ele requereu que fosse excluída da sua Carteira de Advogado ´a proibição estatuída no artigo 30, I, da Lei n° 8.906/94, que estabelece que ficam impedidos de exercer da advocacia os servidores da administração direta contra a Fazenda Pública que os remunere`.

´Concluo meu entendimento no sentido de não haver impedimento de nenhuma natureza - com exceção da advocacia privada -, que limite aos defensores públicos a função jurídicas definida pela Magna Carta, devendo, em conseqüência, não constar da Carteira Profissionais dos mesmos o disposto no artigo 30, I, da nossa Lei`, afirmou em seu relatório e voto o conselheiro Elarmin Miranda.

Para o conselheiro federal e relator, a função do defensor público, além de essencial, é preponderantemente de atendimento às demandas dos mais desafortunados da sociedade. ´A Defensoria Pública é instituição essencial à função jurisdicional do Estado, cabendo-lhe propiciar aos desafortunados valer seus direitos contra quem, em tese, feri-los`, sustentou ele. Elarmin lembrou que são exatamente os órgãos públicos aqueles contra os quais se concentram as principais demandas das pessoas mais carentes e necessitadas.

O relator salientou também em seu voto que o Superior Tribunal de Justiça já sedimentou o entendimento de que a Defensoria Pública, em ações promovidas contra o Estado, só não faz jus à percepção de honorários de sucumbência decorrentes da condenação do próprio órgão a que pertence. Diante disso, concluiu que nestas questões julgadas pelo STJ a Defensoria Pública litigou sim contra o Estado.

Matérias relacionadas

Regras para bebidas e alimentos à base de vegetais estão em vigor

Já está valendo, desde o dia 29 de julho, o primeiro regulamento nacional para o preparo de bebidas e alimentos à base de vegetais. Com a entrada...

Anvisa investiga propaganda irregular de Viagra

A Anvisa autuou o laboratório farmacêutico Pfizer, fabricante do Viagra, medicamento para disfunção erétil. A Agência detectou a distribuição...

Juiz recebe elogios por realizar audiência em ambulância

O juiz do II Juizado Especial Cível do Rio de Janeiro, Marcio Alexandre Pacheco da Silva, recebeu elogios por sua atuação no último dia 19. Ele...

Comissão da OAB traz conclusões sobre reforma processual

A Comissão de Estudo da Legislação Processual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) apresentou ao Conselho Pleno da entidade seu parecer final...

Mães adotivas poderão ter direito a pausas no trabalho

A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou, na última quarta-feira (10), o Projeto de Lei 5196/05, da deputada Laura Carneiro (PFL-RJ), que...

Pena para mau uso de verba pública pode aumentar

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou o Projeto de Lei 780/03, da deputada Iriny Lopes (PT-ES), que prevê punições...

Água em navios poderá ser inspecionada

A Comissão de Meio Ambiente vai realizar audiência pública para discutir o Projeto de Lei 5263/05, do deputado Feu Rosa (PP-ES), que determina a...

Rejeitado em comissão projeto para identificação de passageiros

A Comissão de Viação e Transportes rejeitou o Projeto de Lei 4447/04, do deputado Zé Geraldo (PT-PA), que obriga o transportador a identificar os...

Divulgação de tarifas aéreas promocionais pode mudar

A Comissão de Viação e Transportes aprovou o Projeto de Lei 505/03, que obriga as empresas de transporte aéreo a divulgar a quantidade de...

Alimento pode ter que ser pesado imediatamente após o congelamento

A Comissão de Defesa do Consumidor aprovou o Projeto de Lei 4801/05, do deputado Carlos Rodrigues (PL-RJ), que obriga as empresas que produzem...

Temas relacionados

Notícias

Advocacia

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade