Indenização somente é possível se comprovada incapacidade de trabalho

Julgados - Direito Civil - Segunda-feira, 29 de agosto de 2005

A indenização prevista no artigo 1.539 do Código Civil de 1916 somente é devida quando o acidente de trabalho resultar em depreciação física ou redução do valor do trabalho. A observação foi feita pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça, ao manter decisão que não reconheceu a depreciação física de um funcionário da Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S/A, envolvido em acidente por causa de ruptura de cabo de alta tensão.

O Tribunal de Justiça de São Paulo já havia excluído a indenização por redução da capacidade funcional e laborativa. "Afora a feição estética, da ofensa não resultou defeito pela qual o ofendido não possa exercer o seu ofício ou profissão visto como, ao acidentar-se, a vítima, ainda adolescente, não tinha ofício nem profissão. Demais, quando resolveu trabalhar, desempenhou, entre outras, as funções de bancário, sendo que atualmente exerce o comércio por conta própria. Não está, portanto, inabilitado ao trabalho nem teve depreciada a função laboral", diz o acórdão do TJSP.

A defesa protestou com um agravo de instrumento para o STJ, pretendendo que o caso fosse examinado em recurso especial, mas, após examinar o processo, o ministro Humberto Gomes de Barros, relator do caso, negou seguimento ao pedido. "O Tribunal ‘a quo’ concluiu pela ausência de depreciação física. Modificar esse entendimento requer reexame de provas (...), vedado pela Súmula 7", acrescentou. Inconformada, a defesa do trabalhador insistiu, sustentando a ocorrência de depreciação laborativa e a possibilidade de indenização patrimonial física independentemente do prejuízo laboral.

A decisão foi mantida. Ao negar provimento ao agravo regimental, o ministro Humberto Gomes de Barros afirmou que a indenização por redução da capacidade laborativa pressupõe a prova do efetivo prejuízo. "A norma do art. 1.539 do Código Civil traz a presunção de que o ofendido não conseguirá exercer outro trabalho. Evidenciado que a vítima continuou a trabalhar nesse período, ainda que em atividade distinta, mas com a mesma remuneração, a pensão é descabida, por ausência de prejuízo".

Segundo o relator, para que fosse viável a indenização pretendida, deveria o funcionário provar que estão presentes no caso concreto as circunstâncias descritas naquele dispositivo. "Ocorre que o e. Tribunal a quo expressamente afastou tanto a incapacidade total, quanto a parcial", observou. "Dessa forma, o exame da alegada violação de dispositivo de lei federal demandaria a incursão no campo fático-probatório, o que não é possível na via especial, esbarrando, portanto, tal argumento no óbice do enunciado na Súmula 7 do STJ", completou o ministro Gomes de Barros.

Matérias relacionadas

Medida cautelar fiscal só atinge bens do ativo permanente da empresa

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) indeferiu pedido da Fazenda Nacional para bloquear os créditos que a Usina Cansanção de...

Inércia da administração permite reintegração de policial rodoviário federal

Por inércia da Administração Pública em providenciar a investigação e punição disciplinares, um policial rodoviário federal condenado na...

Mesmo em título prescrito, a correção monetária é contada a partir da dívida

Incide correção monetária desde o vencimento do débito, independentemente de a nota promissória ter perdido sua capacidade de ser executada, em...

Negada indenização a imobiliária por escritura falsificada

A Meta Incorporações e Empreendimentos Imobiliários Ltda, de Barueri, no interior de São Paulo, não conseguiu ganhar, no Superior Tribunal de...

Fiador não responde por dívidas de aditamento de contrato de aluguel

Em contratos de aluguel, o fiador não responde por obrigações resultantes de aditamento ocorrido sem a sua anuência expressa, mesmo que haja...

Motoqueiro atropelado por ônibus ganha indenização

A juíza da 8ª Vara Cível do Rio, Maria da Glória Oliveira Bandeira de Mello, condenou a Real Auto Ônibus a pagar uma indenização de R$ 27 mil...

TV Globo fará propaganda educacional como retratação por novela

Após reunião realizada com juízes da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, inclusive com a presença da juíza titular, Ivone Ferreira...

Senac é condenado a indenizar aluna proibida de estagiar

O Serviço Nacional do Comércio (Senac) do Rio terá de pagar indenização de R$ 1.500 à estudante Elisa Maria Fernandes, do curso de Enfermagem,...

Doca Street vai receber R$ 250 mil da TV Globo por danos morais

O juiz da 19ª Vara Cível do Rio, Pedro Raguenet, condenou a TV Globo a pagar uma indenização de R$ 250 mil a Raul Fernando do Amaral Street, o...

Tim não entrega celular, falta audiência, perde prazo e é condenada

A empresa de telefonia celular Tim foi condenada pelo 25º Juizado Especial Cível a pagar indenização no valor de R$ 10,4 mil ao sargento do Corpo...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade