Negada indenização a imobiliária por escritura falsificada

Julgados - Direito Civil - Segunda-feira, 29 de agosto de 2005

A Meta Incorporações e Empreendimentos Imobiliários Ltda, de Barueri, no interior de São Paulo, não conseguiu ganhar, no Superior Tribunal de Justiça, a indenização por perdas e danos decorrentes do cancelamento de registros e anulação de escrituras que pretendia obter do Banco Rural S/A e da empresa Comercial Importadora e Exportadora Milem Ltda.

Segundo o processo, a Meta comprou um lote na rua Djalma Ulrich, em Copacabana, bairro da capital do Rio de Janeiro, em janeiro de 1991, mas, em 1995, ao requerer a segunda via do IPTU, foi surpreendida com o fato de não mais constar o seu nome como a proprietária do imóvel, mas sim o da Milem Ltda, que o deu posteriormente como garantia de um empréstimo contraído no Banco Rural.

A Meta descobriu uma seqüência de escrituras falsas que se estendiam desde maio de 1992, iniciando com uma falsa promessa de compra e venda lavrada num cartório de Apucarana, no Paraná, com a designação de um falso procurador para, em nome da Meta, vender o lote citado. A partir daí, sucedeu-se uma série de escrituras fantasmas, fraudulentas, culminando com a "venda" do imóvel à Comercial, Importadora e Exportadora Milem Ltda.

Em razão disso, a Meta entrou com ação declaratória de nulidade de escrituras e cancelamento de registros, cumulada com perdas e danos e lucros cessantes, contra o Banco Rural S/A e a Milem Ltda, tendo o juiz de primeiro grau acolhido parcialmente o processo para declarar nulas de pleno direito as escrituras de compromisso de compra e venda e cessão de direito falsificadas. Mas não concedeu a indenização pedida, por considerar que não teria havido qualquer prejuízo patrimonial ou moral para a Meta.

A Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, acolhendo voto do desembargador Sérgio Cavalieri Filho, manteve integralmente a sentença. O TJ/RJ entendeu que não havia como responsabilizar a Milem Ltda por eventuais danos causados à Meta em razão das falsas escrituras, uma vez que delas não participou a empresa acionada. Daí o recurso especial da Meta Incorporações e Empreendimentos Imobiliários Ltda, alegando que teria sofrido graves prejuízos ao ter ficado impedida, durante dez anos, de implantar projeto arquitetônico de empreendimento imobiliário na área legalmente adquirida.

Ao não conhecer do recurso, a Terceira Turma do STJ, com base em voto do ministro Castro Filho, considerou que ocorreu, no caso, o que se chama, em Direito, "fato de terceiro", isto é, o suposto prejuízo teria sido causado por terceira pessoa, que não é parte na relação processual, ficando afastado, assim, o necessário nexo causal entre a conduta do autor aparente e a vítima. Na verdade, o fato de terceiro equivale ao caso fortuito ou à força maior, não havendo, portanto, como responsabilizar a Milem ou o Banco Rural pelos possíveis danos causados à legítima proprietária do imóvel.

Dessa forma, para o ministro Castro Filho, não ficando demonstrado o nexo de causalidade entre a conduta do Banco Rural S/A e a impossibilidade de a Meta construir no terreno, bem como estando ausente a comprovação de que o Banco atuou no caso em conluio com a Milem, não havendo, ainda, quaisquer provas dos alegados danos sofridos ou mesmo a existência de qualquer projeto de construção imobiliária no local, não é possível condenar ao pagamento de indenização por prejuízos materiais ou morais.

Por isso, manteve integralmente a decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e não conheceu do recurso especial da Meta Incorporações e Empreendimentos Imobiliários Ltda, em voto que foi acompanhado pelos ministros Humberto Gomes de Barros, Carlos Alberto Menezes Direito e Nancy Andrighi. Votou vencido o ministro Antônio de Pádua Ribeiro, que acolhia o recurso para reconhecer o direito à indenização pedida.

Matérias relacionadas

Fiador não responde por dívidas de aditamento de contrato de aluguel

Em contratos de aluguel, o fiador não responde por obrigações resultantes de aditamento ocorrido sem a sua anuência expressa, mesmo que haja...

Motoqueiro atropelado por ônibus ganha indenização

A juíza da 8ª Vara Cível do Rio, Maria da Glória Oliveira Bandeira de Mello, condenou a Real Auto Ônibus a pagar uma indenização de R$ 27 mil...

TV Globo fará propaganda educacional como retratação por novela

Após reunião realizada com juízes da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, inclusive com a presença da juíza titular, Ivone Ferreira...

Senac é condenado a indenizar aluna proibida de estagiar

O Serviço Nacional do Comércio (Senac) do Rio terá de pagar indenização de R$ 1.500 à estudante Elisa Maria Fernandes, do curso de Enfermagem,...

Doca Street vai receber R$ 250 mil da TV Globo por danos morais

O juiz da 19ª Vara Cível do Rio, Pedro Raguenet, condenou a TV Globo a pagar uma indenização de R$ 250 mil a Raul Fernando do Amaral Street, o...

Tim não entrega celular, falta audiência, perde prazo e é condenada

A empresa de telefonia celular Tim foi condenada pelo 25º Juizado Especial Cível a pagar indenização no valor de R$ 10,4 mil ao sargento do Corpo...

Deputado estadual é condenado a quatro meses de detenção

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio, por maioria de votos, condenou deputado estadual Leandro José Mendes Sampaio Fernandes a quatro...

Estado do Rio de Janeiro deve indenizar família de Policial Militar

O governo do Estado do Rio terá de pagar uma indenização de R$ 160 mil aos pais do soldado da PM Adriano Santos Coelho. Ele morreu em 2002, em...

Lei municipal que proíbe vigilantes armados em hospitais é inconstitucional

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, por unanimidade de votos, julgou procedente pedido do prefeito Cesar Maia e declarou a...

Empresa de ônibus é condenada por acidente com passageiro

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio confirmou indenização por danos morais e estéticos, no valor de R$ 20 mil, a partir da...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade