Doca Street vai receber R$ 250 mil da TV Globo por danos morais

Julgados - Dano Moral - Segunda-feira, 29 de agosto de 2005

O juiz da 19ª Vara Cível do Rio, Pedro Raguenet, condenou a TV Globo a pagar uma indenização de R$ 250 mil a Raul Fernando do Amaral Street, o Doca Street, condenado a 15 anos de prisão pelo assassinato de Ângela Diniz.

Ele entrou com a ação pedindo danos morais pela veiculação do caso no programa Linha Direta. “Vejo o presente fato não como exercício do direito de informação, mas sim como a realização de um programa de televisão com intuito de lucro”, disse o juiz.

Doca, que ficou sete anos preso, foi solto em 1987. Para o juiz, o fato de já ter cumprido a pena e ter sido reintegrado socialmente, não constando mais nada, inclusive, em sua ficha de antecedentes criminais, caracteriza abuso na geração e divulgação do programa.

Pedro Raguenet ressaltou ainda que o caso foi divulgado em um programa e não em uma reportagem e, por isso, não há que se falar em liberdade de imprensa. “O programa em questão não é, em absoluto, o que se pode chamar de informação jornalística, razão pela qual se afasta aqui qualquer discussão a respeito da ponderação de interesses no embate entre a liberdade de informar, assegurada pela Constituição, e o direito à privacidade do indivíduo, também assegurado pela Constituição”.

Em sua defesa, a TV Globo alegou que o programa, que trata de casos criminais de grande repercussão, exibe fatos públicos e históricos. Para a emissora, a divulgação do crime seria “um direito de nossos filhos de ter acesso ao passado da sociedade da qual fazem parte, para que possam compreendê-la melhor”.

No entanto, para o juiz, não é porque Raul Street cometeu um homicídio no passado, com pena já cumprida, que poderão marcar para sempre sua imagem. “Não se aceitará o argumento de que sua condição de ex-criminoso deverá ser assacada ao sabor dos interesses comerciais de quem quer que seja, pois o sistema legal desta terra, ao prever a reabilitação, pretende a inserção ou reinserção do indivíduo da sociedade”, afirmou o magistrado, que, para fixação do valor indenizatório, considerou o fato de o programa ter exibição nacional.

Ângela Maria Fernandes Diniz foi morta em sua residência, na praia de Armação dos Ossos, em Búzios, em 30 de dezembro de 1976. Doca Street, que respondeu pelo crime, foi absolvido no primeiro julgamento, em 1979, e condenado a 15 anos de prisão no segundo, em 1981.

Doca Street tentou suspender a exibição do programa em 2003. O juiz Pedro Freire Raguenet concedeu liminar para impedir a exibição do caso, porém o desembargador Ferdinaldo Nascimento, no agravo de instrumento interposto pela TV, autorizou a exibição do programa. A TV Globo pode recorrer da sentença.

Matérias relacionadas

Tim não entrega celular, falta audiência, perde prazo e é condenada

A empresa de telefonia celular Tim foi condenada pelo 25º Juizado Especial Cível a pagar indenização no valor de R$ 10,4 mil ao sargento do Corpo...

Deputado estadual é condenado a quatro meses de detenção

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio, por maioria de votos, condenou deputado estadual Leandro José Mendes Sampaio Fernandes a quatro...

Estado do Rio de Janeiro deve indenizar família de Policial Militar

O governo do Estado do Rio terá de pagar uma indenização de R$ 160 mil aos pais do soldado da PM Adriano Santos Coelho. Ele morreu em 2002, em...

Lei municipal que proíbe vigilantes armados em hospitais é inconstitucional

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, por unanimidade de votos, julgou procedente pedido do prefeito Cesar Maia e declarou a...

Empresa de ônibus é condenada por acidente com passageiro

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio confirmou indenização por danos morais e estéticos, no valor de R$ 20 mil, a partir da...

Mantida caracterização de grupo econômico

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a decisão regional que apontou as empresas Network Distribuidora de Filmes S/A, Century...

Negada ocorrência de quebra de sigilo em conta de bancário

O acesso das instituições financeiras aos dados das contas correntes que administram não resulta em quebra de sigilo bancário, fato que só...

Rejeitado recurso de engenheiros demitidos por improbidade

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou, por unanimidade de votos, agravo apresentado pela defesa de dois engenheiros da...

Se indenização for em valor fixo, a correção se dá a partir da condenação

O banco deve ser responsabilizado civilmente pela inscrição no cadastro de emitentes de cheques sem fundos de cliente que havia sustado os cheques,...

Necessário processo administrativo-fiscal para pena de perdimento de bens

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), à unanimidade, entendeu que, antes da aplicação da pena de perdimento dos bens não...

Temas relacionados

Julgados

Dano Moral

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade