Medida cautelar fiscal só atinge bens do ativo permanente da empresa

Julgados - Direito Processual Civil - Segunda-feira, 29 de agosto de 2005

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) indeferiu pedido da Fazenda Nacional para bloquear os créditos que a Usina Cansanção de Sinimbu S/A possui na Secretaria do Tesouro Nacional, oriundos do Programa de Equalização de Custos de Produção de Cana-de-açúcar da Região Nordeste. A Fazenda sustentou que o bloqueio é a única forma de não tornar ineficaz a penhora a ser requestada.

No caso, foi deferida à Fazenda Nacional uma liminar que tornou indisponíveis os créditos da Usina considerando-se a alegação da existência de diversas execuções fiscais em curso contra a Usina, inviabilizadas, entre outros motivos, por insuficiência das garantias oferecidas.

A Usina, inconformada com a concessão da liminar, interpôs agravo de instrumento informando que as execuções mencionadas pela ação cautelar fiscal encontram-se regulares, seja por estarem garantidas ou pela existência de parcelamentos na Fazenda Nacional.

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região, sediado em Recife (PE), deu provimento ao agravo da Usina por entender que o programa de equalização de custos da produção de cana-de-açúcar foi instituído em favor das usinas sediadas no Nordeste e tem por objetivo o restabelecimento da competitividade entre estas e as concorrentes sediadas no Sudeste. Assim, a decisão concessiva de liminar teria desconsiderado a existência de penhoras garantidoras do juízo da execução, bem como os parcelamentos que vinham sendo realizados pela Usina.

Ainda, afirmou a decisão do TRF-5ª Região, a natureza contábil das verbas destinadas à Usina não autoriza a sua constrição em sede de ação cautelar fiscal, uma vez que o artigo 4º da Lei nº 8.397/1992 prevê expressamente que os efeitos da medida liminar só poderão atingir os bens pertencentes ao ativo permanente da empresa.

A Fazenda Nacional, então, recorreu ao STJ afirmando que o argumento de que todos os débitos da Usina encontram-se com sua exigibilidade suspensa não desautorizaria a sustação dos efeitos da liminar diante das peculiaridades do caso e que caso se empreste um valor absoluto ao entendimento de que os recursos oriundos do programa de equalização não podem ser utilizados para a quitação de dívidas, tal quantia passaria a integrar uma rubrica intocável do patrimônio de tais empresas, o que seria absurdo.

Para o relator, ministro José Delgado, a decisão do TRF merece ser confirmada pelos seus próprios fundamentos. Segundo ele, não deve ser retida verba repassada às empresas para os fins previstos no programa de equalização da cana-de-açúcar, subsídio em favor das empresas do Nordeste, Norte e Rio de Janeiro, para garantir execução fiscal, especialmente quando outros bens foram penhorados, sem insurreição da Fazenda.

"A execução deve ser processada da forma menos onerosa para o devedor. A medida cautelar fiscal não é meio útil para atender aos caprichos do Fisco, exacerbando as suas atribuições de cobrar o tributo devido, ao ultrapassar os limites do devido processo legal", afirmou o ministro Delgado.

Matérias relacionadas

Inércia da administração permite reintegração de policial rodoviário federal

Por inércia da Administração Pública em providenciar a investigação e punição disciplinares, um policial rodoviário federal condenado na...

Mesmo em título prescrito, a correção monetária é contada a partir da dívida

Incide correção monetária desde o vencimento do débito, independentemente de a nota promissória ter perdido sua capacidade de ser executada, em...

Negada indenização a imobiliária por escritura falsificada

A Meta Incorporações e Empreendimentos Imobiliários Ltda, de Barueri, no interior de São Paulo, não conseguiu ganhar, no Superior Tribunal de...

Fiador não responde por dívidas de aditamento de contrato de aluguel

Em contratos de aluguel, o fiador não responde por obrigações resultantes de aditamento ocorrido sem a sua anuência expressa, mesmo que haja...

Motoqueiro atropelado por ônibus ganha indenização

A juíza da 8ª Vara Cível do Rio, Maria da Glória Oliveira Bandeira de Mello, condenou a Real Auto Ônibus a pagar uma indenização de R$ 27 mil...

TV Globo fará propaganda educacional como retratação por novela

Após reunião realizada com juízes da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, inclusive com a presença da juíza titular, Ivone Ferreira...

Senac é condenado a indenizar aluna proibida de estagiar

O Serviço Nacional do Comércio (Senac) do Rio terá de pagar indenização de R$ 1.500 à estudante Elisa Maria Fernandes, do curso de Enfermagem,...

Doca Street vai receber R$ 250 mil da TV Globo por danos morais

O juiz da 19ª Vara Cível do Rio, Pedro Raguenet, condenou a TV Globo a pagar uma indenização de R$ 250 mil a Raul Fernando do Amaral Street, o...

Tim não entrega celular, falta audiência, perde prazo e é condenada

A empresa de telefonia celular Tim foi condenada pelo 25º Juizado Especial Cível a pagar indenização no valor de R$ 10,4 mil ao sargento do Corpo...

Deputado estadual é condenado a quatro meses de detenção

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio, por maioria de votos, condenou deputado estadual Leandro José Mendes Sampaio Fernandes a quatro...

Temas relacionados

Julgados

Direito Processual Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade