Controvérsia afasta multa por atraso das verbas rescisórias

Julgados - Direito do Trabalho - Sexta-feira, 30 de setembro de 2005

A existência de controvérsia entre as partes afasta a possibilidade de incidência da multa prevista no art. 477, § 8º da CLT, cabível em caso de atraso na quitação das verbas rescisórias. Sob esse entendimento, a Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu recurso de revista a uma empresa de comunicação social de Brasília. Apesar da discussão jurídica em torno da demissão de justa de um empregado, a empresa foi punida pelo não pagamento do débito rescisório no prazo legal.

Segundo a CLT (art. 477, §6º), as verbas rescisórias devem ser até o primeiro dia útil imediato ao término do contrato de trabalho. Podem ser quitadas, ainda, até o décimo dia, contado da data da notificação da demissão, quando houver ausência, indenização ou dispensa do cumprimento do aviso prévio.

Há, porém, hipótese em que a regra não se aplica. “Se as parcelas rescisórias derivam de matéria controvertida no processo, referente ao reconhecimento em juízo de justa causa para dispensa do empregado, é indevido o pagamento da multa”, explicou o ministro João Oreste Dalazen (relator) ao mencionar o caso concreto.

Brasília Comunicação Ltda. demitiu o empregado sob a alegação de justa causa (abandono de emprego), hipótese em que são devidos apenas saldo de salários; férias vencidas, com o acréscimo de 1/3 constitucional; e, quando for o caso, salário-família. O empregado, contudo, questionou judicialmente a conduta da empresa.

Na primeira instância, o trabalhador obteve a condenação da empregadora por danos morais, decorrentes de declarações feitas por outro empregado sobre eventual apropriação de valores da empresa pelo radialista demitido. Obteve igualmente a descaracterização da justa causa, uma vez que a empresa não conseguiu demonstrar os elementos que configuram o abandono de emprego.

Em recurso encaminhado ao Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (com jurisdição no Distrito Federal e Tocantins), o radialista obteve, ainda, a aplicação da multa prevista na CLT para o atraso no pagamento das verbas rescisórias. Segundo o TRT, o reconhecimento judicial do direito às parcelas rescisórias não poderia afastar o pagamento da multa, pois a submissão da controvérsia ao Judiciário não poderia dar causa ao não cumprimento da lei.

O entendimento regional, contudo, foi afastado pela Primeira Turma do TST diante da inexistência de atraso da empresa na quitação das verbas rescisórias, pois elas só foram reconhecidas por meio de decisão judicial. “Em verdade, as parcelas rescisórias decorrentes do contrato de trabalho somente se tornaram devidas após a sentença (primeira instância), que declarou a inexistência de motivo (justa causa) para a dispensa do trabalhador”, observou o ministro Dalazen.

Matérias relacionadas

Vendedora não perde comissão de mercadoria devolvida

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho determinou ao empregador devolução das comissões de venda recebidas por uma vendedora que foram,...

Fabricante de extintor defeituoso deve ressarcir motorista por incêndio

Confirmada a responsabilização civil de Extintores Taquarense Ltda. por falha ocorrida em produto de sua fabricação durante incêndio em carro....

Juiz condena empresa aérea a indenizar passageiros por atrazo de vôo

O atraso de um vôo fez com que a chegada de diversos passageiros ao Brasil demorasse 24 horas a mais. Em função disso e considerando que a empresa...

Cooperativa médica é impedida de limitar exames

O médico deve ter autonomia para valer-se de todos os meios possíveis e disponíveis para alcançar um diagnóstico mais preciso e com menores...

Seguradora é condenada a ressarcir proprietário de carro furtado

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais determinou que uma companhia de seguro indenize o proprietário de um carro furtado, no...

Aumentada multa diária à Sindicato por greve em Colégio

O juiz auxiliar da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso do Rio de Janeiro, Sandro Pitthan Espíndola, aumentou o valor da multa aplicada ao...

Gravidez durante aviso prévio adia demissão

Demitida, a empregada que engravida durante o período de aviso prévio tem direito a estabilidade de cinco meses após o parto, ou à indenização...

Intempestivo recurso ao STJ por meio de protocolo integrado estadual

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria, manteve decisão que deu provimento a agravo interno interposto pela...

Prazo para juntada de original se prorroga quando termina em dia não-útil

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu entendimento de que o prazo para apresentação de original em recurso apresentado...

Reduzida indenização por extravio de folhas de cheques

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou a redução do valor de indenização por danos morais devida em razão de...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade