Negado habeas-corpus a aposentado acusado de tráfico de órgãos

Julgados - Direito Penal - Sexta-feira, 11 de novembro de 2005

Os ministros da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitaram, em votação unânime, recurso em habeas-corpus em favor do ex-ferroviário aposentado Josué Luiz da Silva. Acusado de participar de um esquema de tráfico de órgãos para o exterior e condenado à pena de sete anos e quatro meses de reclusão, ele pedia a revogação do decreto de prisão expedido pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

De acordo com a acusação, Josué Luiz da Silva, acompanhado de outros três cúmplices, atuava como "diretor" em uma quadrilha especializada no tráfico internacional de órgãos humanos, especificamente rins, liderada pelo israelense Gedalya Tauber. A quadrilha foi desarticulada pela Polícia Federal na chamada "Operação Bisturi". Durante a instrução criminal, o réu entrou com pedidos de revogação de sua prisão, que lhe foram negados. A juíza federal substituta da 13ª Vara da Seção Judiciária de Pernambuco condenou, então, Josué a sete anos e quatro meses de reclusão.

Diante disso, a defesa do ex-ferroviário interpôs recurso em habeas-corpus no STJ alegando omissão de fundamentação à manutenção da prisão preventiva. "Não basta apenas a condenação para que se determine automaticamente a manutenção da prisão decretada no curso do processo, delineando-se, imprescindível, que se apontem, caso existam, as razões pelas quais a custódia ainda se justifica após o provimento de mérito condenatório", afirma. Pedia, ainda, a nulidade da decisão pela não-apreciação das preliminares de cerceamento de defesa aduzidas nas razões finais.

Os argumentos do acusado, no entanto, foram rejeitados pela relatora do processo, ministra Laurita Vaz. A ministra decidiu que, "no que diz respeito à possibilidade do paciente apelar em liberdade da sentença que o condenou pela prática do crime de tráfico internacional de órgão e formação de quadrilha, diante da omissão da necessidade da manutenção da prisão preventiva, o recurso, nesse ponto, não merece prosperar".

De acordo com os elementos contidos nos autos, a relatora observou que o condenado respondeu a todo o processo preso, por força de prisão preventiva. Disse ainda que o decreto de prisão de Josué já havia sido objeto de exame, quanto à sua fundamentação, em outro recurso de sua relatoria. A ministra Laurita concluiu, portanto, que a prisão do ex-ferroviário não foi apenas em decorrência de sentença penal condenatória em regime fechado, mas, sim, em virtude de prisão preventiva anteriormente decretada.

Para a ministra, seria paradoxal possibilitar ao condenado o direito de apelar em liberdade se antes de sua condenação já se fazia necessário seu afastamento provisório, como garantia da ordem pública e aplicação da lei penal – conforme as informações prestadas no recurso originário.

Ao contrário do alegado pela defesa, entendeu a relatora, ainda, que a preliminar argüida por Josué Luiz da Silva foi devidamente apreciada e afastada na sentença condenatória. De acordo com a ministra, então, não há ilegalidade a ser reparada pelo Superior Tribunal de Justiça, sendo que "qualquer modificação ou reconhecimento de efetivo cerceamento de defesa deverá ser tratada no recurso de apelação devidamente interposto e não na via estreita do habeas-corpus".

Matérias relacionadas

Estupro e atentado violento ao pudor formam concurso material

Os crimes de estupro e atentado violento ao pudor, embora pertençam ao mesmo gênero, de ato libidinoso, não são da mesma espécie, portanto podem...

Não há indenização por desapropriação de áreas de preservação ambiental

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou incabível a indenização sobre as áreas de preservação ambiental em...

Negado habeas-corpus a médica acusada de homicídio culposo

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), à unanimidade, não concedeu habeas-corpus à médica obstetra denunciada pela prática, em...

Participante do programa Show do Milhão será indenizada em R$ 125 mil

Participante do programa "Show do Milhão" que alegava ter sofrido dano moral e material em decorrência de pergunta mal-formulada teve o valor da...

Empregado preso em regime semi-aberto tem contrato suspenso

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou provimento a recurso (agravo de instrumento) de um ex-empregado do Sesc (Serviço Social do...

Revista de bolsas e sacolas de empregado não caracteriza dano moral

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho isentou a empresa Atacadão – Distribuição, Comércio e Indústria Ltda., do Paraná, da...

Seguradora não responde por débitos trabalhistas de corretor

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho acolheu recurso da Sulamérica Capitalização S/A e afastou sua responsabilidade subsidiária pelos...

Justiça do Trabalho não cobra para o INSS em ação para atestar vínculo

O Pleno do Tribunal Superior do Trabalho decidiu hoje (10), por maioria de votos, que não cabe à Justiça do Trabalho (JT) a cobrança das...

Empregado deve comprovar que necessita do vale-transporte

O Pleno do Tribunal Superior do Trabalho decidiu, por maioria, manter a redação da Orientação Jurisprudencial nº 215 que atribui ao empregado a...

Rejeitada redução de jornada para operador de telemarketing

O Tribunal Superior do Trabalho, em sessão do Pleno, decidiu, por maioria, não estender aos operadores de telemarketing jornada de trabalho...

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade