Bloqueio indevido de linha telefônica gera indenização

Julgados - Direito do Consumidor - Segunda-feira, 21 de novembro de 2005

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma operadora de telefonia a indenizar, em danos morais e materiais, um usuário, por descumprimento de contrato celebrado entre as partes.

O consumidor adquiriu, em 20/07/04, um aparelho telefônico sem fio, no valor de R$347,94, que foi habilitado para ser usado em linha fornecida por uma empresa prestadora de serviços de telefonia. Foi apresentada a documentação exigida, conforme documentação anexada no processo, e o usuário recebeu a primeira fatura de uso da linha no mês de agosto, com vencimento para 11/08/04. Efetuou pagamento em 04/08/04, mas, no dia 18, ele não mais conseguiu realizar ligações do aparelho e nem receber.

Foi então que ele entrou em contato com a operadora e obteve, como resposta, que sua linha não existia. Pediu a amigos para ligarem para seu número e ficou sabendo que havia uma mensagem dizendo que o número digitado estava incorreto ou não existia.

Por diversas vezes, o usuário fez contato com a prestadora e nunca obteve resposta concreta do que estava acontecendo. Foi então que entrou com uma ação na justiça, pedindo indenização por danos materiais e morais, em razão do bloqueio da linha telefônica adquirida.

A relatora do recurso, desembargadora Heloísa Combat, determinou que a empresa de telefonia restitua ao consumidor o valor pago pelo aparelho (R$347,94), relativo aos danos materiais, e pague uma indenização de 15 salários mínimos, por danos morais. Os valores deverão ser devidamente corrigidos a partir de 18/08/04, data da interrupção dos serviços.

“Aquele que sofrer danos em sua esfera íntima por ato de outrem que, negligentemente, causar-lhe abalo emocional e transtornos no seu meio de relacionamento pessoal e profissional, deve ser ressarcido”, afirmou a relatora ao decidir o recurso de apelação.

Os desembargadores Renato Martins Jacob e Dárcio Lopardi Mendes, revisor e vogal, acompanharam o voto da relatora.

Matérias relacionadas

Certidão de dívida ativa sem especificação do débito tem defeito insanável

É nula Certidão de Dívida Ativa (CDA) decorrente de Auto de Lançamento que não especifica, mês a mês, os fatos geradores do débito. A...

Sustento dos filhos deve ser provido por um dos pais quando o outro for incapaz

Pai deve prover sustento integral do filho quando a mãe é incapaz economicamente, não existindo responsabilidade solidária com os avós. Esse...

Homem será indenizado em R$ 15 mil por ter casa invadida por policiais

Um morador de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, cuja casa foi invadida por policiais do Serviço Reservado do 21º Batalhão da PM (Vilar...

Laboratório erra no diagnóstico e diz que foi falha de digitação

O laboratório Labs Cardiolab Exames Complementares foi condenado pela juíza da 22ª Vara Cível, Tânia Sardinha Nascimento, a pagar uma...

Filha de Lula ganha indenização por dano moral em Blumenau

O juiz Emanuel Schenkel do Amaral e Silva, titular da 4ª Vara Cível da Comarca de Blumenau, condenou órgão de imprensa catarinense, com sede em...

Ser portador de HIV não é suficiente para concessão de benefício assistencial

A Turma Nacional de Uniformização da Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais negou provimento, nesta segunda-feira (21), a pedido de...

Passageiras humilhadas serão indenizadas por danos morais

Uma esteticista e uma auxiliar de serviços gerais deverão ser indenizadas por danos morais em R$ 18 mil cada uma. Elas foram constrangidas em seu...

Prefeitura é condenada a indenizar pai de vítima de bala perdida

A 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio determinou que a prefeitura carioca terá de pagar R$ 200 mil, corrigidos monetariamente, ao pai...

Cair de salto alto é acidente de trabalho

Para a 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), a empresa deve exercer o poder disciplinar para assegurar que o empregado...

Negada liberdade a policiais militares acusados de extorsão

Ameaças à vítima e aos seus familiares justificam a decretação da custódia cautelar de acusados de crime para a garantia da ordem pública e...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Consumidor

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade