Condenada mulher que mandou matar marido para ficar com amante

Julgados - Direito Penal - Quinta-feira, 1 de dezembro de 2005

O 2º Tribunal do Júri do Rio condenou, na madrugada de ontem (dia 29 de novembro), Andréa de Carvalho Padilha e seu amante, Sebastião Alexandre Dantas, a, respectivamente 18 e 16 anos de reclusão, pela morte do marido de Andréa, o sargento do Exército Alexsandro Brito Padilha, em 2001. Por maioria de votos, o júri entendeu que o taxista autônomo Alexandre Dantas foi o autor dos disparos que lesionaram a vítima, e que Andréa foi a mandante do crime. O julgamento começou às 9h30 do dia 28 e terminou às 02h30 da madrugada do dia 29 e foi presidido pelo juiz titular da 2ª Vara Criminal da Capital, Luiz Noronha Dantas.

Segundo a sentença, os réus são primários e, embora não tenham antecedentes desabonadores, mostraram possuir personalidades distorcidas, além de terem usado de extrema covardia para a prática do crime. Para o juiz, os acusados se valeram ainda de maquiavelismo e elaborado mecanismo homicida, “numa demonstração ímpar de impressionante e incomum intensidade de dolo, na elaboração de um longo, intricado e sofisticado estratagema, absurda insensibilidade e indisfarçável cupidez”.

Na decisão, Luiz Noronha falou também que o regime para o cumprimento das penas de Andréa (30 anos de idade) e Sebastião (35 anos) será integralmente fechado, por ser o delito classificado, em legislação própria, como sendo de “natureza hedionda”, condenando ainda ambos os réus ao pagamento das custas processuais. Ele também determinou que fossem expedidos mandados de prisão.

“Trata-se de crime de extrema gravidade, daqueles que causam, como efetivamente aconteceu, grande revolta na sociedade, ganhando significativa cobertura da imprensa jornalística e gerando expressivo clamor público, de forma que a custódia cautelar dos acusados visa, também, a preservar a ordem pública, além de garantir a efetiva aplicação da lei penal”, afirmou o juiz.

Alexsandro Brito Padilha foi morto com dois tiros na cabeça em 25 de setembro de 2001. O seu corpo foi encontrado numa praia da Barra da Tijuca. Andréa e Sebastião, segundo testemunhas, pretendiam ficar com a pensão, seguro de vida e apartamento da vítima.

Além de Andréa e Sebastião, será também julgada a acusada Karla, que teve o processo desmembrado. Ela participou do crime e serviu como uma espécie de “isca”, atraindo o sargento para a morte. O julgamento dela está previsto para o próximo dia 16 de dezembro, também no 2º Tribunal do Júri.

Matérias relacionadas

Família de criança atropelada por trem receberá R$ 210 mil

A Supervia foi condenada a pagar uma indenização de R$ 210 mil à família de Adriano Gomes Mohamad Aly, que morreu ao ser atropelado por um trem,...

Presidente da CBF será indenizado por editora que publicou dados sigilosos

A Editora Casa Amarela foi condenada a pagar indenização de R$10 mil por danos morais ao presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF),...

Justiça nega indenização para artesã ferida em supermercado

A 4ª Turma de Recursos de Criciúma, Santa Catarina, confirmou na íntegra sentença prolatada pelo juiz Luiz Fernando Boller, titular do Juizado...

Cigano acusado de matar executivo na Bahia tem habeas-corpus negado

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido de liberdade apresentado pela defesa do cigano Nilton de Melo Dantas. Ele está...

Reincidência é circunstância preponderante à confissão

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu parcial provimento ao recurso especial interposto por C.M.A. para determinar que o Tribunal...

Restrição de direitos só tem eficácia quando expressamente definida em lei

É direito do preso a entrevista pessoal com o seu advogado, de modo que qualquer restrição a esse direito há de vir expresso em lei, segundo o...

Advogado não pode ser intimado por telefone

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, por unanimidade, que a intimação de advogado por via telefônica, por mais...

Justiça do Trabalho julga dano moral por quebra de promessa de emprego

A Justiça do Trabalho é o órgão competente para o exame de ação por danos morais decorrente de promessa de contrato de trabalho não cumprida...

Telemig indenizará advogado acionado por cobranças indevidas

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação imposta à Telemig Celular S/A pelo TRT de Minas Gerais (3ª Região)...

Empresa é condenada por imitar marca de concorrente

A 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul confirmou a condenação da Suplan Laboratório de Suplementos Alimentares Ltda....

Temas relacionados

Julgados

Direito Penal

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade