Telemig indenizará advogado acionado por cobranças indevidas

Julgados - Direito do Trabalho - Sexta-feira, 2 de dezembro de 2005

A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve a condenação imposta à Telemig Celular S/A pelo TRT de Minas Gerais (3ª Região) relativa ao pagamento de indenização por danos morais ao seu ex-orientador jurídico. Enquanto esteve à frente do jurídico da Telemig, o advogado-empregado assinou cartas de cobrança enviadas a usuários inadimplentes. Ocorre que foram feitas cobranças indevidas e por isso o advogado signatário das correspondências responde a ações judiciais movidas por consumidores.

Em voto relatado pelo juiz convocado Ricardo Alencar Machado, a Terceira Turma do TST rejeitou agravo de instrumento apresentado pela companhia telefônica, que pretendia a manifestação do TST sobre o mérito da controvérsia. Foi negado provimento ao agravo. Com isso, fica mantida a decisão do TRT/MG, que teve como relatora a juíza Alice Monteiro de Barros.

De acordo com o juiz Ricardo Alencar Machado, a segunda instância reconheceu a ocorrência do dano moral com base em provas documental e testemunhal, que confirmaram a prática patronal de enviar correspondências indevidas de cobrança em nome do reclamante. “A existência do dano é irrefutável, bastando ver que ele foi chamado a responder a ações judiciais e a procedimentos administrativos, resultando daí inegável prejuízo para a sua imagem, sobretudo em se tratando de um profissional do Direito”.

O TRT de Minas Gerais manteve a condenação por danos morais, mas reduziu para R$ 40 mil o valor inicialmente fixado pela primeira instância (R$ 200 mil). O TRT/MG rejeitou a preliminar levantada pela defesa da empresa de que a Justiça do Trabalho seria incompetente para processar e julgar ações nas quais se pleiteia indenização por danos morais.

O TRT/MG verificou que a própria Telemig Celular admitiu o envio de correspondência de cobrança em nome do reclamante para clientes que, insatisfeitos, passaram a acioná-los (Telemig e advogado) perante órgãos de defesa do consumidor e Juizados Especiais. Por outro lado, a Telemig não comprovou que essas cobranças tenham sido feitas de forma correta. Prova disso são os acordos que fez com clientes lesados nos procedimentos judiciais e administrativos contra ela tomados.

Segundo o Tribunal Regional, a culpa da Telemig não decorre do procedimento de cobrança (chamado de "força-tarefa"), do qual o advogado participou como “mentor intelectual” das cartas, analisando conteúdo da carta e autorizando o uso de seu nome. A culpa da Telemig decorre de sua desorganização, ao enviar cartas a clientes que estavam com suas contas em dia, os quais, insatisfeitos, ingressaram com ações judiciais e administrativas contra a empresa e o signatário da carta.

Para o TRT/MG, o fato de o advogado-empregado ter sido o “mentor intelectual” do procedimento é irrelevante pois ele não tinha responsabilidade pelo cadastro dos inadimplentes ou pela escolha dos destinatários das cobranças. Tais atribuições eram de outro setor da empresa. Desse modo, segundo o TRT/MG, “é patente a culpa da empresa, sob a ótica da negligência”. O prejuízo ao advogado também é inegável, de acordo com o TRT/MG, ainda mais por se tratar de um profissional do Direito.

Matérias relacionadas

Empresa é condenada por imitar marca de concorrente

A 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul confirmou a condenação da Suplan Laboratório de Suplementos Alimentares Ltda....

Limitados lucros de postos de combustível em Porto Alegre

Mais dois postos de combustível têm margem bruta de lucro limitada em 14,1%, tendo por base o preço de aquisição junto à distribuidora. Ficam...

Falta de energia em Casa de Saúde gera indenização à paciente

A 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do Rio, por unanimidade, condenou a Casa de Saúde e Maternidade Santa Martha, no bairro Santa...

Pedigree condenada por ter morte de cães após consumo de biscoitos

A 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio condenou a Pedigree Effem do Brasil, empresa que produz ração para cães, a pagar R$ 18 mil...

Emprego imediatamente após demissão impede aviso prévio

Se um dos objetivos do aviso prévio é proporcionar condições para que o empregado encontre nova colocação, o trabalhador que consegue novo...

Pensão vitalícia independe do exercício de trabalho remunerado pela vítima

A Fundação de Assistência Integral à Saúde e o município de Belo Horizonte terão de pagar pensão à mãe de recém-nascido morto em razão de...

Hipoteca judiciária independe de pedido do credor

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho confirmou decisão de segundo grau que determinou hipoteca judiciária sobre imóveis de uma...

Empresa de comunicação deve ser indenizada plágio de campanha

Ficou comprovado que uma empresa de comunicação teve sua campanha publicitária plagiada por um sindicato. Em função disso, o juiz da 9ª Vara...

Laboratório indeniza paciente por erro em exame de Aids

Uma dona de casa, que mora em Três Corações, vai se beneficiar de uma indenização, por danos morais, no valor de R$ 9 mil, a ser paga por um...

Universidade não pode reter documentos de alunos inadimplentes

A 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais confirmou decisão que determinou a um centro universitário de Uberlândia que...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade