MEC quer OAB influindo na renovação de cursos de Direito

Notícias - Advocacia - Quinta-feira, 8 de dezembro de 2005

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) irá influir, a partir de agora, nos processos de renovação de reconhecimento do funcionamento de cursos jurídicos no Brasil. A participação da OAB nessa etapa, na qual a entidade nunca atuou antes, foi acertada em reunião entre o presidente nacional da OAB, Roberto Busato, e o ministro da Educação, Fernando Haddad. O convite foi feito pelo MEC com o intuito de aumentar as exigências para o funcionamento de cursos de Direito e a garantia da qualidade da formação oferecida pelas instituições de ensino. A participação da OAB também nessa fase do processo será oficializada por meio de decreto, a ser baixado pelo Ministério nos próximos dias.

Busato se disse satisfeito com o convite do MEC e se comprometeu a “pôr uma lupa” nos processos de reconhecimento de cursos de Direito, aplicando a eles o mesmo rigor com o qual a entidade examina os processos de abertura de novos cursos que chegam à entidade. Hoje, a OAB emite um parecer, favorável ou não, aos processos de abertura e aos de reconhecimento de cursos jurídicos. Esse parecer é encaminhado posteriormente ao MEC, a fim de subsidiá-lo em sua decisão de autorizar ou não a criação de determinado curso.

A participação da OAB também na etapa de renovação de reconhecimento de cursos é um avanço na avaliação de Roberto Busato. “Agora daremos nosso aval para apontar se uma instituição deve ou não continuar aberta. Com isso, passaremos a avaliar uma instituição trabalhando com dados objetivos e não mais debruçados sobre documentos que apontam qual será o projeto de ensino e de estrutura de um curso”, afirmou o presidente da OAB.

A necessidade de “pôr uma lupa” nessa etapa posterior à criação de cursos sem, no entanto, descuidar do rigor quanto aos pedidos de abertura de cursos, foi enfatizada pelo ministro da Educação. Haddad reconheceu que se o rigor adotado pelo MEC e pela OAB continuar focado apenas nos processos de abertura, o Estado e a entidade não estarão cumprindo seu papel com a sociedade, de garantir a qualidade da formação que é ofertada pelas instituições de ensino de Direito. Com o rigor focado também na etapa posterior, acredita o ministro, as faculdades e cursos jurídicos se verão obrigados a seguir investindo permanentemente na qualidade de sua estrutura e do ensino.

“Se a instituição de ensino sabe que é ruim e que em face disso não conseguirá renovar o seu funcionamento, ela ou terá de investir para conseguir a autorização ou sequer abrirá as portas”, afirmou Fernando Haddad. “Precisamos mostrar que não pode haver relaxamento na qualidade por parte da faculdade, trata-se de um processo contínuo. Não basta conseguir a autorização do MEC para funcionar e, depois, deixar de corresponder a esse crédito“, acrescentou.

Também participaram da reunião no gabinete do ministro o secretário-geral do Conselho Federal da OAB, Cezar Britto, e o presidente da Comissão de Ensino Jurídico da OAB nacional, Paulo Medina. Pelo Ministério da Educação, estiveram presentes o secretário-executivo do Conselho Nacional de Educação, Ronaldo Mota, o diretor do Departamento de Supervisão da Educação Superior do MEC, Mário Pederneiras, e a consultora jurídica do MEC, Maria Paula Dallari Bucci.

Matérias relacionadas

Pesca comercial do marlin pode ser proibida por 20 anos

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou a proibição da pesca comercial do marlin azul (Makaira nigricans) e do marlin...

Reajuste de serviço telefônico pode ser limitado à inflação acumulada

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática aprovou a proibição de reajuste de cada serviço oferecido pelas operadoras de...

Acordo com Angola pode facilitar a transferência de presos

A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional aprovou acordo com Angola sobre transferência de pessoas condenadas. A Mensagem 517/05,...

Proposto salário mínimo de R$ 340,00

O relator-geral da proposta orçamentária para 2006, deputado Carlito Merss (PT-SC), afirmou nesta sexta-feira que vai começar a discutir com os...

Escolas particulares podem ter regras mais rígidas para cobranças

A Comissão de Educação e Cultura aprovou o Projeto de Lei 341/03, do deputado Paes Landim (PFL-PI), que obriga as escolas particulares a...

Corte de água e energia antes de 60 dias de atraso pode ser proibido

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5989/05, do deputado Pastor Reinaldo (PTB-RS), que proíbe a suspensão do fornecimento de água e de energia...

Campus da UFMT pode ser transformado em nova universidade

A Câmara analisa o Projeto de Lei 5969/05, do deputado Wellington Fagundes (PL-MT), que autoriza o Poder Executivo a transformar o campus...

Carga tributária sobre a farinha de arroz pode ser reduzida

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 6023/05, do deputado Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP), cujo objetivo é reduzir o preço dos alimentos...

Credores podem ter limitação dos meios de cobrança

A Comissão de Defesa do Consumidor aprovou o Projeto de Lei 2757/03, do deputado Milton Monti (PL-SP), que autoriza a cobrança de débito pelos...

Regra de contagem de prazos processuais pode ser alterada

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 5983/05, do deputado Inaldo Leitão (PP-PB), que altera três dispositivos do Código de Processo Civil (Lei...

Temas relacionados

Notícias

Advocacia

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade