Mesmo sem pedir, empregado tem direito a vale-transporte

Julgados - Direito do Trabalho - Quarta-feira, 13 de julho de 2005

O interesse do trabalhador que reside longe do local de trabalho em receber o vale-transporte, é sempre presumido. Caso contrário, cabe ao empregador provar que o empregado renunciou ao direito, que lhe é manifestamente favorável.

Este é o entendimento da 4ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), firmado no julgamento do Recurso Ordinário de uma ex-funcionária do Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, contratada para exercer função de analista júnior sob ´contrato de locação de serviços`, de caráter excepcional e temporário, prorrogado por cinco anos e sete meses.

A ex-funcionária ingressou com ação na 29ª Vara do Trabalho de São Paulo pedindo o reconhecimento do vínculo empregatício com o INSS, com o pagamento das verbas e direitos decorrentes do contrato de trabalho, como o vale-transporte.

A vara, citando jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho, concedeu à reclamante somente direito aos salários e ao depósito do FGTS.

Inconformada com a sentença, ela recorreu ao TRT-SP. Insistiu que deveria ser indenizada pelo não fornecimento do vale-transporte.

O INSS contestou a alegação da reclamante, sustentando que ela jamais pediu o benefício, conforme exigência da lei.

Para o juiz Ricardo Artur Costa e Trigueiros, relator designado do recurso no tribunal, ´a reclamante laborava e residia em bairros distantes, na Capital do Estado de São Paulo, maior cidade da América do Sul, fazendo-se necessária e indispensável a utilização de meio de transporte para regular cumprimento de suas obrigações contratuais`.

´Entendendo este Juízo que é sempre presumido o interesse do trabalhador em desfrutar do benefício do vale-transporte quando reside em ponto distante do local de trabalho, incumbindo assim, ao empregador, o ônus de prova quanto ao exercício da renúncia de condição ou direito que é manifestamente favorável ao hipossuficiente`, observou o juiz Trigueiros.

A 4ª Turma, por maioria de votos, condenou o INSS a pagar à ex-funcionária indenização relativa ao vale-transporte, aviso prévio, férias mais adicional, décimos terceiros salários e depósitos do FGTS acrescidos da multa de 40%, juros e correção monetária.

Matérias relacionadas

Diretor pode ter bens penhorados por dívida da empresa

Para os juízes da Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI) do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), se uma empresa de...

Gerente do Carrefour preso por adulterar data de vencimento de produtos

Os policiais da DIG (Departamento de Investigações Gerais) prenderam na noite desta terça-feira o gerente e o subgerente do Carrefour de Santo...

Telefônica é condenada por chamar demitidos de negligentes

Uma ex-empregada da Companhia Riograndense de Telecomunicações (CRT) receberá indenização por danos morais por ter a sua dispensa, e a de outros...

Incabível prisão de devedor que descumpre contrato com alienação fiduciária

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Edson Vidigal, vem reafirmando em suas decisões não caber prisão civil do devedor...

Negado habeas-corpus por não se enquadrar na competência do STJ

O ministro Edson Vidigal, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou seguimento ao pedido de habeas-corpus, impetrado pela defesa de...

Comissão de permanência, juros de mora e multa contratual não se cumulam

As instituições financeiras não podem cobrar cumulativamente de seus devedores inadimplentes comissão de permanência, juros moratórios e multa...

Economista acusado de matar a própria mãe permanecerá preso

O economista Roberto Alves Menezes, acusado de assassinar a própria mãe para ficar com a pensão do pai, permanecerá preso. O presidente do...

Unimed isenta de custear exame não previsto em contrato

A 4ª Turma de Recursos de Criciúma - Santa Catarina, confirmou na íntegra decisão do juiz Luiz Fernando Boller, titular do Juizado Especial...

Confirmada condenação de mulher envolvida em extorsão

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em matéria relatada pelo Desembargador Torres Marques, negou provimento à...

Hotel é condenado por transformar noite de núpcias em noite de transtorno

´Frustração de não ter tido uma noite de núpcias conforme sonhado e idealizado` foi o motivo pelo qual um industrial ajuizou ação de...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade