Vítima de aneurisma cerebral receberá medicamento fornecido pelo Estado

Julgados - Direito Civil - Domingo, 31 de julho de 2005

Mantida decisão que obriga governo de Mato Grosso a fornecer medicamento a vítima de aneurisma cerebral. O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, indeferiu o pedido do governo estadual para suspender liminar concedida pela 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça local.

A questão começou a ser discutida em um mandado de segurança contra o secretário de Saúde do Mato Grosso, objetivando o fornecimento estatal do medicamento excepcional, de aneurisma cerebral, Cloropidrogel 75 na paciente, em quem foi implantado ´stent intracraniano e micromolas de platina eletrodestacáveis`.

A liminar foi concedida, levando o Estado a entrar com um pedido de suspensão de segurança no STJ, tentando se ver impedido de cumpri-la. Alega ser necessária a inclusão da União e do município de Cuiabá para responder à ação, como litisconsortes necessários. Afirma, ainda, que a decisão acarreta ´grave lesão à ordem administrativa, à economia, à saúde pública e ao interesse público, face à ilegalidade, inconstitucionalidade e arbitrariedade da liminar concedida`.

Ao apreciar o pedido, o ministro Sálvio de Figueiredo observou que a suspensão de segurança é medida de caráter excepcional, não se prestando, em princípio, a examinar a legalidade ou constitucionalidade das decisões judiciais, o que deve ser examinado oportunamente em eventuais recursos. ´Presta-se, isto sim, a evitar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas, nos estritos termos do artigo 4º da Lei 4.348-64`. Dessa forma, afirma o ministro, a argumentação da lesão à ordem jurídica deve ficar no plano recursal.

O núcleo da discussão, segundo o vice-presidente do STJ, está na divergência entre a posição do médico assistente e a da Secretaria de Saúde estadual quanto à eficácia do medicamento em questão no tratamento recomendado, ´inviável de ser solucionada nesta medida excepcional`.

Registra o ministro que a recomendação médica designa o prazo de seis meses para que a paciente, de 39 anos de idade, use o remédio. Assim – continua o ministro Sálvio de Figueiredo –, não se imagina que a despesa mensal prevista, ainda que não informada, possa causar qualquer tipo de lesão à ordem, saúde, segurança ou economia do Estado do Mato Grosso. ´Pelo contrário, a gravidade da moléstia indica que a ausência do tratamento pode implicar a morte da impetrante`.

O ministro indeferiu o pedido entendendo faltarem os requisitos legais necessários definidos na Lei 4.348, concluindo não haver notícias do número de cidadãos portadores da moléstia a comprovar potencial prejuízo significativo à economia do Estado que pudesse permitir suspender a medida concedida por outro juízo.

Matérias relacionadas

Policiais acusados de tortura só serão presos após trânsitado em julgado

O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, concedeu medida cautelar que obriga que se espere...

Indeferida liminar à pessoa presa ao pedir informações no Poupatempo

Negada liberdade a Henrique Souza pelo vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira. A decisão...

Mantida a prisão de rapazes detidos quando vendiam CDs E DVDs piratas

Está mantida a prisão de quatro rapazes, detidos no dia 13 de julho vendendo CDs e DVDs piratas em vias públicas da cidade de Brasília/DF. O...

Negada suspensão de pagamento de pensão a vítima de violência policial

Por entender que não existe, no caso, a urgência que justifique o pronunciamento da vice-presidência do STJ durante as férias forenses, porque o...

Mantida prisão de soldado condenado por executar assaltante

O ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, vice-presidente no exercício da presidência do Superior Tribunal de Justiça, negou a liminar pedida...

Lavanderia condenada por usar imagem de ex-funcionária em propaganda

A juíza Daniela Brandão Ferreira, da 38ª Vara Cível do Rio, condenou uma lavanderia do Catete a pagar uma indenização de R$ 6 mil a uma...

Light terá de pagar R$ 10 mil por deixar mãe e bebê sem luz

A 2ª Vara Cível do Rio condenou a Light a pagar uma indenização de R$ 10 mil por danos morais a uma consumidora. Mariana Boiteux de Almeida teve...

Reduzida pena de estelionatário que delatou membros da quadrilha

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, por maioria de votos, reduziu a pena de um estelionatário que delatou os demais integrantes...

Liminar não autorizou passeio de pitbull sem focinheira

O desembargador Fabrício Bandeira Filho, do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio, afirmou que deferiu liminar na última terça-feira...

Assinante ganha ação contra Telemar para receber lista telefônica

O juiz Rogerio de Oliveira Souza, em exercício na 28ª Vara Cível do Rio, condenou a Telemar a entregar a lista telefônica de assinantes a um...

Temas relacionados

Julgados

Direito Civil

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade