TST reconhece uso de analogia e confirma hora extra a bancário

Julgados - Direito do Trabalho - Sábado, 17 de setembro de 2005

A Subseção de Dissídios Individuais – 1 do Tribunal Superior do Trabalho confirmou o direito de um bancário ao recebimento de horas extras diante da não concessão de intervalo dentro da jornada de trabalho, conforme o art. 72 da CLT. A decisão foi tomada ao negar embargos de recurso de revista ao Banco do Estado de São Paulo S/A – Banespa. Segundo a norma, aplicada por analogia, o trabalhador que desempenhar serviços permanentes de mecanografia (datilografia, escrituração ou cálculo) tem direito a dez minutos de repouso a cada noventa minutos trabalhados.

Além da SDI-1, a extensão do direito ao bancário já tinha sido confirmada pela Quarta Turma do TST. Ambas concordaram com a interpretação analógica sobre o art. 72, originalmente aplicada pelas instâncias da Justiça do Trabalho da 15ª Região (com sede em Campinas). Também foi mencionada a total adequação da decisão ao conteúdo da Súmula nº 346 do TST.

De acordo com o item da jurisprudência, “os digitadores, por aplicação analógica do art. 72 da CLT, equiparam-se aos trabalhadores nos serviços de mecanografia (datilografia, escrituração ou cálculo), razão pela qual têm direito a intervalos de descanso de 10 minutos a cada 90 de trabalho consecutivo”.

A defesa do Banespa insistiu, no TST, que o dispositivo da legislação trabalhista e a Súmula 346 só são aplicáveis aos trabalhadores que executam serviços permanentes, ou seja, quando a digitação consistir na atividade única do empregado. Os caixas bancários, argumentou o banco, não estão limitados à digitação, efetuam recolhimentos e pagamentos, contam manualmente o dinheiro e atendem clientes.

O relator dos embargos, ministro Brito Pereira, registrou que o pagamento de hora extra em face da não-concessão do intervalo intrajornada previsto no art. 72 da CLT ao caixa bancário, por interpretação analógica, não violou o art. 72 da CLT, tampouco a Súmula 346 da CLT. “Sobretudo no caso dos autos, em que o caixa foi afastado do trabalho porque acometido de inflamação da bainha dos tendões (tenossinovite ou LER – lesões por esforço repetitivo)”, acrescentou.

Brito Pereira também fez questão de frisar o respaldo da legislação para o uso da analogia na solução das demandas trabalhistas. “O art. 8º da CLT autoriza o juiz do trabalho, na falta de disposição legal específica, a decidir por analogia, que é a possibilidade de o intérprete estender a lei a casos por ela não previstos sem que tal procedimento implique violação ao dispositivo legal aplicado”, explicou.

Matérias relacionadas

Juízo arbitral previsto na Lei de Portos não é condição para ação

O juízo arbitral previsto no artigo 23 da Lei nº 8.630, de 1993 (Lei dos Portos) não é pressuposto para a propositura de reclamação...

Acordo obtido por mediação não impede ajuizamento de ação

A assinatura de acordo tendo como objeto apenas a rescisão do contrato de trabalho, sem que tenha sido adotada a dinâmica do procedimento arbitral,...

Não cabem honorários advocatícios na denunciação da lide não contestada

Uma empresa de seguros obteve no Superior Tribunal de Justiça (STJ) o reconhecimento de que não deve honorários advocatícios em uma ação de...

Cancelamento de protesto em cartório deve ser feito pelo devedor

Em casos de protesto, se a relação jurídica entre as partes não for de consumo, o cancelamento do registro no cartório competente deve ser feita...

STJ aumenta indenização a estudante vitimada por tiro em agência do BB

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão unânime, aumentou a reparação moral a ser paga pelo Banco do Brasil S/A à...

Cabe ação contra sentença deferitória de re-ratificação de registro imobiliário

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve decisão que julgou procedente ação rescisória para re-ratificação de registro...

Mantida no TST multa por descumprimento de efetivo mínimo em greve

A Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho manteve a multa imposta ao Sindicato dos Trabalhadores na...

Invalidada escritura que quita contrato de trabalho de 29 anos

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou inválida escritura pública lavrada em cartório de registro civil, na qual se quitam todos...

Sem justificativa, advogado não pode ser impedido de retirar processo

Para a Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI) do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-SP), o advogado não pode ser...

Justiça do Trabalho é competente para cobrar multa de trânsito

As multas de trânsito que o empregado recebe no exercício de suas funções, podem ser cobradas pelo empregador na Justiça do Trabalho. Este é o...

Temas relacionados

Julgados

Direito do Trabalho

Outras matérias

Todas as matérias organizadas por assunto


Central Jurídica

Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.

Política de Privacidade